Incrível
Novo Popular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Diferentes formas de dar nomes aos filhos em países da América Latina e na Espanha (no Paraguai tem gente chamada de Santa Primitiva)

Ser original na hora de escolher o nome de uma criança é um desafio. Alguns escolhem dar o nome do avô, e outros, o nome com que sonharam desde a infância. No entanto, as leis atuais têm procurado conscientizar os pais e as mães a fim de evitar nomes que possam resultar em ridicularização, o que é uma decisão inteligente.

Nós, do Incrível.club, analisamos os regulamentos de diferentes países que foram feitos para evitar que as crianças recebam nomes ofensivos ou estejam sujeitas a discriminação, e queremos compartilhar as informações que encontramos com você. Confira!

Para evitar chacotas

Muitos, provavelmente, já leram que alguns países têm listas de nomes que são proibidos. No entanto, foi confirmado que tais listas são falsas, e que, embora alguns tenham tentado publicá-las, não foram especificadas em nenhuma legislação. No entanto, muitas nações latino-americanas adotaram medidas diferentes para impedir que pais e mães abusem da criatividade ao darem nomes aos seus filhos, caso suas escolhas sejam pejorativas ou humilhantes.

Locais não, estrangeiros sim

No Equador foi decidido que não podem ser atribuídos mais de 2 nomes simples ou compostos aos nascidos no país. Mas se os filhos forem de pai ou mãe estrangeiros, eles podem escolher livremente esses 2 nomes. Com relação àqueles que são raros ou incomuns, o Registro Civil tem regras para evitar o uso de “palavras extravagantes e ridículas que denigram a dignidade humana ou expressem coisas ou noções, a menos que seu uso como nomes tenha sido tradicionalmente consagrado”.

Leis mais amenas... mas nomes muito estranhos

Nem tudo significa proibições ou limitações. Em países como o Paraguai, a lei é muito mais amena. No país estão proibidos nomes como:

  • Lluvia de Oro (Chuva de Ouro).
  • Justa Pacífica.
  • Mafaldo.
  • Optimus Prayn.
  • Linda Pelusa (Linda Penugem).
  • Pilsen.
  • Santa Primitiva.
  • Killbroy Killer.
  • Amorcito (Amorzinho).
  • Tecla.

Uma provável listagem

No México, vários esforços foram feitos para evitar que as crianças recebam nomes que possam ser ridicularizados. Tal é o caso de Sonora, onde a lei foi reformada para incluir uma lista de nomes que podem afetar as crianças. Nela foram incluídos nomes que haviam sido usados ​​anteriormente para registrar pessoas no Cartório Civil, e alguns deles eram:

  • Christmas Day.
  • Cheyenne.
  • Cacerolo.
  • Fulanito.
  • Harry Potter.
  • Marciana.
  • Índio.
  • Masiosare.
  • Rolling Stone.

No entanto, a atual lei do Registro Civil não os incluiu, apenas estipulou que o funcionário do cartório deva orientar sobre a importância na seleção do nome próprio, tudo com o objetivo de que a criança tenha uma identidade, sem virar motivo de piada.

Nomes permitidos

Em lugares como a Argentina, há uma lista de nomes permitidos. Se o escolhido não for autorizado, os pais podem solicitar seu registro e fornecer provas que comprovem sua existência. Nessa lista estão nomes genéricos de homens, mulheres e para ambos os sexos; mas, se um deles for escolhido, é necessário adicionar um nome do meio que determine o sexo masculino ou feminino. Também não é possível usar 3 nomes, sobrenomes como nomes, dar nomes idênticos a irmãos vivos e, é claro, escolher nomes extravagantes e ridículos.

Nada de múltiplos nomes

Na Espanha, com a lei de 8 de junho de 1957 do Registro Civil, foi regulamentada a questão da escolha dos nomes dos filhos. Nessa lei, considera-se que deve ser um sinal distintivo e que se deve utilizar o mesmo nome civil no batismo. Não é permitido registrar bebês com mais de um nome composto ou mais de 2 nomes simples. Muito menos dar nomes que ridicularizem ou confundam a identificação de gênero. Se os pais já tiverem uma filha chamada Maria, uma outra filha não poderá receber esse nome, mesmo se traduzido para outro idioma.

Onde são mais rigorosos?

No Chile, as leis são um pouco mais rigorosas em relação aos nomes. Sugerem evitar os extravagantes, ridículos, impróprios, que não correspondam ao sexo, entre outros aspectos. Mas se alguém insiste, então o caso é encaminhado a um juiz, que se encarregará de uma solução para o problema.

Qual é o seu nome? Você conhece alguém que tenha um nome estranho? Conte para a gente nos comentários!