12 Curiosidades sobre Petra — uma cidade perdida esculpida no meio das rochas do deserto da Jordânia

Petra é uma cidade antiga esculpida nas rochas. Ela está localizada na Jordânia, um país com grande concentração de desertos. E para acessá-la, existe apenas um caminho através de um desfiladeiro estreito — uma aventura e tanto, que ainda assim não impede os turistas curiosos de desbravar esse lugar cheio de mistérios.

Nós, do Incrível.club, adoramos locais misteriosos perdidos pelo mundo. E, no caso de Petra, há muito mais perguntas do que respostas. Confira!

Quem construiu esta cidade e quando?

Petra está abandonada há centenas de anos, mas sua construção se deu há milênios. Era um importante centro comercial localizado em um cruzamento entre as rotas comerciais que transportavam especiarias, seda e incensos da Índia para outros locais. Isso fez com que a cidade fosse bastante rica durante sua época de ouro.

Não está totalmente claro quando foi construída, mas sabe-se que isso aconteceu antes de Cristo. Petra era a capital do Reino Nabateu. De acordo com estimativas, em seus melhores anos a população era de cerca de 20 mil pessoas.

Como é possível esculpir uma cidade em uma rocha?

As fachadas dos edifícios foram esculpidas nas paredes dos cânions e são de uma beleza única. A arquitetura de alto nível atesta a destreza dessa civilização e a habilidade dos construtores da época.

A entrada principal da cidade é chamada de Al Khazneh — “O tesouro”, em português —, nomeada pela crença dos beduínos locais de que uma riqueza incalculável estava armazenada dentro do templo. O portão principal foi esculpido em um lindo arenito rosa, e é por isso que Petra também é conhecida como “Cidade Rosa”.

Os construtores dessa maravilha arquitetônica certamente enfrentaram algumas dificuldades ao construí-la. Mas, claro, para projetar tais estruturas eles provavelmente tinham conhecimentos e habilidades consideráveis. Os antigos mestres de obras locais conseguiram criar edifícios que em questão de decoração e arquitetura não eram nem um pouco inferiores aos monumentos gregos e romanos.

Como foi possível construir um templo tão alto nas rochas ainda não está claro. Não há nenhum tipo de vegetação ao redor que pudesse ter sido usada como andaime. Cientistas supõem que a construção começou de cima: era possível ficar em pé nas rochas ásperas e ir gradualmente descendo andar por andar. No mais, usando apenas cinzéis e martelos, os engenheiros locais conseguiram um resultado surpreendente.

As rochas serviam para proteger dos inimigos?

Outros povos tinham inveja da riqueza dos nabateus, inclusive Petra teve de lutar contra os gregos. E venceu! No entanto, quando os conquistadores romanos chegaram, a cidade não resistiu. Por muito anos, ela continuou florescendo como um importante centro na região, mas já sob o domínio do Império Romano.

No século IV d.C. um grande terremoto a destruiu grande parte de Petra e causou danos irreparáveis em muitas áreas. Os romanos então decidiram abandonar a cidade danificada. Mais tarde, ela foi capturada e ficou sob o domínio do Império Bizantino.

Por que Petra se perdeu e para onde as pessoas foram?

Com o desenvolvimento da tecnologia, surgiram as rotas de comércio marítimo, o que fez com que Petra perdesse sua importância estratégica e ficasse abandonada à própria sorte, escondida nas areias dos desertos da Jordânia. Então, ela gradualmente se tornou uma cidade perdida.

No entanto, é importante frisar que foi perdida apenas paras as civilizações ocidentais, porque os habitantes locais a conheciam como a pérola oculta do deserto. As tribos beduínas viviam nos escombros dela. Elas se autodenominavam descendentes dos nabateus e não queriam que mais ninguém soubesse da existência de Petra, porque temiam que os curiosos fossem para lá em busca de tesouros e destruíssem o resto das construções. Portanto, a localização dela ficou em sigilo por muito anos.

Como os europeus descobriram Petra?

A data exata da descoberta foi 12 de agosto de 1812. O jovem suíço Johann Ludwig Burckhardt ouviu falar sobre o misterioso lugar durante uma viagem ao Cairo, no Egito. Então, se disfarçou de árabe para convencer o guia local a levá-lo a essa cidade misteriosa.

Johann não pôde ficar em por muito tempo, porque não era um residente dali. Ele não podia nem mesmo declarar com toda certeza se estava exatamente no lugar que procurava, pois não havia confirmação dessa informação em canto nenhum naquela época. No entanto, a partir de então os europeus sabiam a respeito de Petra na Europa, e depois de Johann outros pesquisadores começaram a explorá-la e fizeram desenhos mais precisos sobre ela. Porém, as escavações apenas começaram em 1929, mais de 100 anos após a descoberta da cidade perdida.

Por que o templo Al Khazneh era necessário?

Os arqueólogos ainda não entenderam completamente por que o templo foi construído. Alguns acham que era a tumba de algum rei nabateu. Outros afirmam que servia para guardar documentos ou era mesmo apenas um templo. No entanto, é sabido que Al Khazneh foi uma das últimas estruturas construídas na cidade, quando ela já era rica e próspera.

Como as pessoas viviam no deserto e nas rochas sem água?

O povo de Petra era especialista em tecnologia para o fornecimento e armazenamento de água. Foram construídas cisternas, represas e reservatórios, já que a cidade era uma espécie de oásis para os viajantes cansados. A tecnologia desenvolvida de forma tão brilhante permitiu que os habitantes permanecessem ali até mesmo na época de seca.

Houve inundações nesta área em determinados momentos, mas os nabateus também lidavam com isso de uma forma brilhante. Eles construíram represas e aquedutos que redirecionaram o fluxo da água da chuva para que as pessoas pudessem sobreviver.

Como as pessoas viviam nas rochas? Elas moravam lá dentro?

Petra era um grande centro religioso e, presumivelmente, clérigos, mercadores, escultores e pessoas que trabalhavam no setor de serviços viviam lá. Existem mais de 1.000 mil túmulos ali e muitos deles são destinados a famílias e até mesmo a tribos inteiras. Provavelmente, muitos habitantes estavam de alguma forma associados ao negócio funerário.

O interessante é que é difícil responder à pergunta se todas as 20 mil pessoas (de acordo com outras fontes, 30 mil) viviam dentro da cidade. Com base em uma estimativa, se cada família tivesse uma média de 10 pessoas, deveria haver 2 mil residências ali. Porém, há muito menos do que isso. Provavelmente, alguns habitantes viviam alojados em tendas atrás das paredes de pedra.

Quem são as pessoas enterradas nas tumbas de Petra?

Sobre essa pergunta, os pesquisadores não têm suposições concretas. Pode-se dizer com certeza que as tumbas foram esculpidas em diferentes períodos históricos, porque são muito diferentes em aparência. Os habitantes locais, ao contrário do resto dos nabateus, não fizeram inscrições nelas, o que permitiria saber quem estava enterrado ali. No entanto, acreditavam que no outro mundo o falecido poderia comer e se divertir, pois eles deixavam comida e diversos utensílios domésticos com seus corpos.

Curiosamente, devido ao incrível número de tumbas, Petra, a princípio, era considerada uma grande necrópole. Só mais tarde os cientistas descobriram que era uma cidade perfeitamente desenvolvida.

O que há em Petra além do belo portão onde todo mundo tira foto?

Um dos edifícios mais impressionantes de Petra é o anfiteatro. Ele está localizado quase no centro da cidade e tem capacidade de até 8.500 pessoas.

Outros locais marcantes ali incluem a Rua das Fachadas com seus muitos túmulos e o Mosteiro Ad Deir. Essa bela estrutura monumental ainda intriga os pesquisadores modernos sobre sua finalidade.

Em 1985, Petra foi declarada parte do Patrimônio Mundial pela UNESCO e, em 2007, uma das 7 Novas Maravilhas do Mundo. Um acordo foi feito com a tribo Bedul para que ela fosse movida para uma certa distância da cidade, e agora os beduínos vivem em um assentamento construído especialmente para eles. Uma das principais ocupações da tribo agora é o turismo local.

Existem “cubos” monumentais espalhados foras dos portões de Petra. Para que eles serviam?

Muito em Petra ainda é um mistério. Por exemplo, a cidade tem pedras enormes — monumentos quadrados espalhados fora das muralhas. Ninguém sabe por que foram instaladas lá e o que são. De acordo com a lenda, havia gênios dentro delas, que deveriam proteger a antiga capital.

Algum dia seremos capazes de resolver todos os mistérios de Petra?

As descobertas ainda estão sendo feitas. Em 2016, arqueólogos descobriram um incrível local cerimonial. E agora os pesquisadores ainda estão tentando descobrir para o que ele servia. Em 1993, foram encontrados pergaminhos do período bizantino. No entanto, seu conteúdo ainda é um mistério.

Os arqueólogos sugerem que apenas 15% da cidade foi descoberta e os 85% restantes estão no subsolo e permanecem intactos. Portanto, ainda temos muito a aprender sobre esse tesouro perdido.

O Oriente Médio não é um destino particularmente popular entre os turistas. Ainda assim, em 2019 Petra foi visitada por mais de 1 milhão de pessoas. É um dos locais de escavação mais visitados do mundo. Outra curiosidade é que o filme Indiana Jones e a Última Cruzada foi filmado ali. Além disso, o local serve de cenário para inúmeros ensaios fotográficos. Por isso, milhares de pessoas se esforçam para chegar até esse paraíso no meio do deserto.

Às vezes, os turistas têm permissão para entrar em Petra à noite, e por causa disso a estrada para lá e a entrada principal da cidade perdida são decoradas com velas e lanternas.

Bem, se você ainda não pôde visitar esse local antigo, é possível aproveitar uma oportunidade que o Google oferece — um tour com um guia de áudio. Aproveite!

Você gostaria de visitar Petra? Ou talvez já tenha estado lá e queira nos contar que impressão essa cidade lhe causou? Compartilhe com a gente na seção de comentários.

Imagem de capa Depositphotos
Compartilhar este artigo