Incrível
Incrível

Se o monstro marinho Kraken fosse real, o Titanic não teria afundado

O Kraken é uma lula-gigante, um monstro marinho lendário. A maior lula que você já viu! E se este monstro tivesse existido, o mundo teria mudado e seria irreconhecível! O Kraken tem tentáculos poderosos. Músculos fortes com ventosas na extremidade, dos quais é impossível de escapar. O Kraken consegue quebrar um navio ao meio ou até puxá-lo para as profundezas. Mas a pior coisa sobre o Kraken é o seu tamanho.

De acordo com as histórias de antigos marinheiros, o Kraken tinha 1.500 metros de comprimento. Isso são quase 10 campos de futebol! Ei, talvez o Kraken pudesse jogar futebol! As lendas do Kraken contavam que o monstro era tão gigante que os marinheiros o confundiam com uma pequena ilha. Nos séculos passados, teria sido impossível derrotar essa monstruosidade.

Se o Kraken existisse de verdade, ele poderia ter tido descendentes. Sim. Em todos os oceanos do mundo, haveria monstros gigantes que poderiam afundar qualquer navio. É improvável que o Kraken tivesse rivais no seu habitat, então sua população cresceria vertiginosamente. Como o Kraken é enorme, ele precisaria de muita comida, então a população de outros grandes animais marinhos cairia significativamente. Baleias-azuis, tubarões-brancos, outras lulas-gigantes e todas as grandes criaturas marinhas estariam em perigo.

Muitas pessoas passariam fome devido à redução dos peixes grandes no oceano. As economias urbanas que dependem da pesca entrariam em declínio. Os preços dos peixes pequenos em todo o mundo ficariam mais caros, pois não seria nada seguro pescar.
Para derrotar o Kraken, você precisaria de armas poderosas, e o monstro seria difícil de pegar. Ele pertence ao gênero cefalópode. Esta espécie inclui lulas e polvos, que são algumas das criaturas mais inteligentes do planeta. O Kraken é um caçador habilidoso e nunca lutará às claras.

Então o que você poderia fazer?
Você não conseguiria rastrear onde o Kraken está, pois ele ficaria pelas profundezas, e não na superfície. Embora você talvez pudesse perceber quando o monstro estivesse por perto, se houvesse muitos peixes na superfície. Quando o Kraken nada, ele assusta todos os peixes nas proximidades. Mas aí poderia ser tarde demais. Um enorme tentáculo emergeria da água, parecendo uma torre alta. Esta torre cairia no convés do navio, estilhaçando-o. Os marinheiros gritariam e correriam. O Kraken daria um segundo golpe, e a embarcação quase viraria. Em seguida, o Kraken envolveria seus tentáculos gigantes ao redor do navio e o puxaria para o fundo.

Caramba!
E se os marinheiros conseguissem libertar o navio dos tentáculos deste monstro? A tripulação do navio contra-atacaria com a ajuda de armas poderosas. O Kraken iria embora para o fundo do mar, machucado e com raiva. Parece que a batalha acabou, mas aí vem o pior. Um redemoinho se formaria ao lado do navio. Graças ao seu peso considerável, ao mergulhar, o Kraken formaria um redemoinho atrás dele. Como o ralo de uma banheira gigante, esse redemoinho sugaria o navio. A batalha com o Kraken estaria perdida.

Bem, isso foi um grande azar.
Você poderia conseguir derrotar o monstro se pudesse antecipar seu ataque. Mas o Kraken pode ver você e sua embarcação antes que você possa vê-lo. As lulas gigantes vivem em águas profundas e têm os maiores olhos dentre todos os animais. O olho da lula-gigante é do tamanho de um prato. Graças a isso, elas podem ver suas presas de longe. Da mesma forma, um Kraken localizaria o navio muito antes do que o sonar pudesse detectá-lo. Ele sempre levaria vantagem.

Bem, isso não é nada bom.
Em todo o mundo, o transporte de carga por navio estaria em declínio, e as companhias aéreas ofereceriam a única conexão segura entre os continentes. Isso aumentaria a poluição do ar.

Submarinos seriam os maiores inimigos do Kraken. Eles alcançam grandes profundidades e são equipados com poderosos ecolocalizadores, que ajudariam a detectar o Kraken com antecedência. Os submarinos também são bem armados e o corpo redondo de metal não é tão fácil de ser destruído. Um único Kraken poderia ser derrotado por um submarino, mas e se houvesse vários desse monstro marinho? Três Krakens poderiam envolver seus tentáculos ao redor do submarino e arrastá-lo para ainda mais fundo na água, onde a pressão o destruiria.

A existência do Kraken teria mudado dramaticamente o desenvolvimento de muitos países. E se Cristóvão Colombo, em sua famosa viagem, observasse uma ilha que ele pensasse ser o Novo Mundo? Ele se aproximaria, mas os tentáculos emergiriam da ilha e afundariam o navio de Colombo. A colonização da América do Norte atrasaria, talvez até quando os aviões fossem inventados. E o primeiro voo tripulado não aconteceu antes do século 20!!!

Não haveria Hollywood. Não haveria hambúrgueres, nenhuma música pop famosa tocando. Não haveria YouTube, o que significa que você não estaria assistindo a este vídeo agora. Humm. E o pior de tudo: a Internet também não existiria! E tudo isso por causa de uma lula monstruosa e impiedosa!
Os vikings não navegariam em seus barcos para atacar e colonizar territórios estrangeiros. A história da Noruega, Suécia, Finlândia e outros países nórdicos teria mudado drasticamente. Talvez o Titanic não tivesse atingido um iceberg, mas sim um monstro marinho gigante! Porém, é improvável que as pessoas fizessem viagens em enormes transatlânticos em um mundo onde existisse o Kraken.

Talvez, porém, o Kraken não fosse tão agressivo. Ainda assim, esse animal precisaria de muita comida e, por causa da crescente população desses monstros, haveria muito menos comida no oceano. Portanto, o Kraken viria cada vez mais à superfície para caçar. No futuro, o Kraken migraria para ainda mais perto da costa.

Em muitos países, as pessoas não poderiam nadar no oceano. Imagine-se flutuando nas ondas e um monstro do tamanho de um arranha-céu nadando bem abaixo de você. Relaxar no mar e na praia não seria mais algo comum. Muitos países que vivem do turismo empobreceriam. Quando os Krakens ficassem com ainda mais fome, eles tentariam capturar presas terrestres. Uma lula-enorme poderia atacar pequenas cidades portuárias. Casas, docas, ruas — tudo poderia ser destruído.

Uma enorme quantidade de plástico é jogada no oceano perto das costas de grandes países. Bilhões de toneladas de plástico incomodariam o Kraken. O monstro furioso e faminto poderia atacar pontes como a Golden Gate. Imagine uma enorme lula cercando a ponte e bloqueando todo o tráfego. Algumas dessas lulas poderiam romper os fortes cabos com sua força, e toda a estrutura cairia na água.

É bom que o Kraken não exista realmente para nadar em nossos mares e oceanos. Pelo menos, até onde sabemos. Mas o monstro poderia ter realmente existido? As lendas são de muitos e muitos anos atrás, mas evidências científicas apareceram em meados do século XIX.

Em 1857, um bico de uma lula com 7,5 cm de diâmetro foi descoberto na costa da Dinamarca. Outros restos de lulas enormes foram encontrados nas Bahamas. Foi aí então que os cientistas se convenceram da existência das lulas-gigantes. Embora elas tenham sido descobertas oficialmente desde então, já se passaram mais de cem anos e ainda não sabemos o tamanho máximo que elas podem atingir.

O fato é que lulas-gigantes são uma das criaturas mais fujonas da Terra. Elas vivem nas profundezas do oceano, onde é difícil para os cientistas chegarem. Qualquer mergulho a uma profundidade maior requer equipamentos robustos e poderosos. Batiscafos subaquáticos e câmeras fazem muito barulho e luz, e as lulas os percebem de longe. Elas fogem antes que possamos vê-las.

A lenda do Kraken provavelmente apareceu por causa de uma lula- gigante de verdade. As pessoas no passado não sabiam da existência dessas criaturas, então, quando viram uma pela primeira vez, a descreveram como um monstro enorme e terrível. É difícil dizer se essas lulas enormes eram do tamanho de uma pequena ilha, pois na verdade, estudamos apenas cerca de 5% do oceano. Pode ser que em suas profundezas, nadem monstros muito mais terríveis que o Kraken.

Incrível/Animais/Se o monstro marinho Kraken fosse real, o Titanic não teria afundado
Compartilhar este artigo