Incrível
Incrível

Como diferentes países lidam com o problema dos animais de rua (a Alemanha nos surpreendeu muito)

Você provavelmente espantou um cachorro na rua que colocou o nariz dentro da sua sacola de compras. Normalmente, esses animais evocam sentimentos mistos: por um lado, você sente pena, por outro percebe que eles podem representar um perigo real. Apenas nos Estados Unidos, onde há regras de tratamento bastante rigorosas, de 20 a 30 pessoas morrem anualmente de ataques de cães.

Incrível.club ficou impressionado com a maneira como diferentes países resolvem o problema dos animais de rua e por que na Alemanha é praticamente impossível encontrar um cão sem lar.

França: multas para os donos irresponsáveis

Cada cão francês deve ter uma tatuagem ou chip eletrônico, com seus dados sobre a vacina antirrábica e o seguro social. Ao ignorar qualquer um desses requisitos, o proprietário será multado em 450 euros. Além disso, as autoridades observam estritamente que o número de peludos sem dono nas ruas não aumenta, já que os proprietários que abandonam seu cão ou são acusados ​​de maus tratos estã sujeitos a uma multa de 30.000 euros.

Holanda: a luta pelos direitos dos animais

Na Holanda, a crueldade com os animais é considerada um crime real. As pessoas simpáticas à causa animal estão sempre prontas para defender um cão ou gato. De acordo com as leis locais, a crueldade contra os animais é punida com uma multa de 17.000 euros e até prisão.

China: um dono, um cachorro

Em 2009, para impedir o crescimento do número de animais de rua, algumas autoridades das cidades chinesas proibiram os moradores de apartamentos de adotarem mais de um cão.

Em Pequim, essas restrições valem há vários anos. Lá, além de apenas um cão poder ser adotado, o mais importante é que cada animal de estimação não tenha mais de 35 centímetros de altura. Anualmente, é preciso registrar o cachorro e pagar aproximadamente 1.000 yuanes chineses.

Turquia: equipamentos para alimentar os animais

Na Turquia, os animais desabrigados são capturados e castrados para reduzir o nível de agressividade, e depois liberados novamente para a rua. Para que eles não morram de fome, os turcos criaram máquinas especiais de comida aos animais abandonados, sustentadas por qualquer pessoa, em troca de garrafas plásticas vazias. O doador das refeições obtém um benefício duplo: pode cuidar dos cães e do meio ambiente ao mesmo tempo.

EUA: a regra de levar o cachorro para passear

Para que os cães não escapem e não se percam durante as caminhadas, nos Estados Unidos é necessário seguir as regras ao levar seu cachorro para passear. Os animais devem usar uma coleira e ter cartões de identificação mostrando seu nome e as informações do dono.

Provavelmente a Alemanha cuide da maneira mais ativa dos animais

A Alemanha foi o primeiro país onde a constituição incluiu uma seção para a proteção dos animais. No país, a profissão de “protetor de animais” foi declarada oficialmente e lá funcionam ativamente organizações sociais que lutam pelos direitos de gatos e cães de rua. Se o animal está solto ou foi maltratado, seu dono pagará uma multa de até 25.000 euros ou prisão por até 3 anos.

O cuidado com nossos amigos de quatro patas começa a ser ensinado desde a mais tenra idade. Nos anos 90, aulas sobre a proteção dos animais foram introduzidas nas escolas alemãs. O Estado e os protetores tentam convencer o público a adotá-los dos abrigos, sustentando que os cães de raça frequentemente têm uma saúde mais fraca, enquanto os cães vira-latas, em sua maioria, não têm nenhum problema em seu cuidado.

Se o animal ainda estiver na rua sem supervisão, ele é capturado e levado para o abrigo. O proprietário pode encontrar seu amigo de estimação através do banco de dados de animais “perdidos”. Se o dono não aparecer, procurarão um novo lar para o pet. Além disso, os cães de abrigo podem ser entregues em lares de idosos ou na sociedade dos cegos.

Nesta foto você pode ver um abrigo para animais em Berlim. Para obter um gato ou cachorro sem raça, é necessário pagar pelo menos de 100 a 150 euros. Por esse dinheiro, o futuro animal de estimação receberá vacinas e terá prepararados os documentos necessários. O resto do dinheiro será para a manutenção do trabalho no abrigo.

Por sinal, no país não é tão fácil receber o animalzinho. O proprietário em potencial deve fornecer os dados completos e comprovar que sua casa tem espaço suficiente para o bichinho. Se ele trabalhar de 8 a 10 horas por dia, os funcionários do abrigo concluirão que o cão ou o gato ficarão entediados sozinhos em casa. Neste caso, a pessoa receberá uma rejeição educada, mas uma recusa absoluta.

Sim, na Alemanha, as regras estritas são suficientes para a manutenção de animais domésticos, mas os proprietários têm assistentes: trabalhadores de empresas especiais encarregados do cuidado de animais com uma visita domiciliar. Para trabalhar numa dessas empresas, os funcionários devem passar por uma verificação policial rigorosa.

De acordo com sua perspectiva, quais são as medidas mais eficazes? A preocupação com cães e gatos de rua, como na Turquia, ou os altos impostos e multas para os proprietários negligentes?

Imagem de capa depositphotos
Incrível/Animais/Como diferentes países lidam com o problema dos animais de rua (a Alemanha nos surpreendeu muito)
Compartilhar este artigo
Você pode gostar destes artigos