Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

12 Dados sobre golfinhos que nos fizeram ver sua inteligência sob outra perspectiva

6-63
162

Muita gente já ficou encantada ao ver, seja ao vivo, por fotos ou vídeos, os golfinhos em sua plenitude. Esses ágeis e meigos animais são conhecidos por sua inteligência e por comportamentos similares aos dos humanos. Além disso, são muito sociáveis e vêm sendo estudados pelos sons peculiares que emitem. Isso sem falar em outras características encantadoras.

O Incrível.club faz a você, leitor, um convite: confira este post para descobrir dados curiosos sobre os golfinhos e entender por que esses mamíferos chamam tanto a nossa atenção.

1. O corpo deles diz muito sobre sua evolução

Os golfinhos são cetáceos, ou seja, mamíferos que se adaptaram para a vida aquática: suas patas traseiras desapareceram enquanto as dianteiras se transformaram em barbatanas.

2. Diferentemente de outros animais, eles têm consciência de sua respiração

Assim como os humanos, eles possuem pulmões. Porém, diferentemente de nós, o ato de respirar, para os golfinhos, é voluntário. Eles contam com um “espiráculo”, um orifício situado na parte superior da cabeça. E são capazes de ficar embaixo da água por até 10 minutos.

3. Eles “desligam” um hemisfério do cérebro para poder dormir

Como são conscientes da própria respiração, os golfinhos não podem entrar em sono profundo, já que isso significaria deixar de respirar. Por isso, para dormir, esses animais desativam um hemisfério do cérebro e fecham apenas um olho. O outro hemisfério continua ativo para manter em funcionamento algumas funções vitais e o movimento do golfinho, que permanece flutuando lentamente durante o sono. Eles podem dormir por até duas horas seguidas, e em um dia, chegam às oito horas de sono.

4. Possuem uma sofisticada maneira de localizar suas presas

Os golfinhos desenvolveram a chamada ecolocalização. Um sistema que permite que eles sejam guiados por ondas sonoras de modo que conseguem se situar no espaço e encontrar suas presas. Essas criaturas emitem um som e, de acordo com o eco produzido pelo choque da onda sonora em alguma superfície ou algum corpo, sabem a distância e o tamanho da presa, além da direção que ela está tomando. A uma distância de 30 metros, os golfinhos são capazes de identificar se determinado objeto é de metal, plástico ou madeira.

5. Algumas espécies atendem a um som em particular, como se fosse seu nome

Golfinhos possuem um sistema de comunicação a partir de sons e assobios que permite a eles se identificarem entre si. Um estudo demonstrou que os golfinhos-roaz têm um chamado com frequência específica para cada membro do grupo.

6. Golfinhos são seres sociáveis: dificilmente você encontrará um deles sozinho

Esses cetáceos formam complexas relações sociais. Convivem em grupos de aproximadamente mil indivíduos em áreas com grande abundância de alimento. E um mesmo grupo pode contar com diferentes espécies de golfinhos, desde que não precisem competir por comida. Normalmente, eles se juntam para se proteger; quando um membro do grupo está ferido, os outros o ajudam a subir até a superfície para que consiga respirar.

7. Do outro lado do espelho

Depois de três anos de estudos, pesquisadores concluíram que golfinhos são capazes de reconhecer a própria imagem no espelho com menos idade do que os humanos. Enquanto nós conseguimos nos reconhecer a partir dos 2 anos de vida, a pesquisa aponta que os golfinhos têm a mesma capacidade desde os 7 meses.

8. O maior golfinho

As orcas, ao contrário do que muita gente pensa, não são baleias. Elas são a maior espécie de golfinhos: podem pesar mais de cinco toneladas e medir até nove metros de comprimento. Conhecidas também como “baleias assassinas”, são encontradas em todos os oceanos, mas preferem águas temperadas ou frias, caracterizando-se por migrar até milhares de quilômetros em busca de alimento.

9. Eles mantêm relações duradouras

Apesar de os golfinhos não formarem casais estáveis, tudo é diferente em se tratando da relação entre mães e filhos. Por exemplo, os golfinhos-pintados-do-atlântico permanecem junto aos filhotes por dois a três anos. Além disso, dependendo da espécie, a gravidez pode durar entre 9 e 17 meses. Outros dados curiosos: os partos costumam ser assistidos pelos demais integrantes do bando para evitar ataques de predadores e as mães podem amamentar os filhotes por até 18 meses.

10. Transmitem conhecimento a outros golfinhos

Contrariando a ideia de que as mães são as únicas a ensinar os filhotes a caçar seu alimento, estudos demonstram que os golfinhos conseguem aprender também observando outros indivíduos da espécie. Esse é um fenômeno que os estudiosos chamam de “transmissão social horizontal”. O mais surpreendente é que tal processo implica o uso de ferramentas, já que os golfinhos “pegam” as conchas usadas por pequenas presas como abrigo, descobrindo, dessa forma, onde está a comida. Uma vez na superfície da água, os cetáceos sacodem as conchas de modo que as presas caiam diretamente em suas bocas.

11. Habitantes dos mares e dos rios

A capacidade de adaptação desses animais é tão grande que eles são encontrados tanto nos mares quanto em águas doces. Existem cerca de 37 espécies de golfinhos de oceano e cinco de rio. Entre os de água doce, um dos mais conhecidos é o boto-cor-de-rosa, encontrado nas bacias dos rios Amazonas, Orinoco e Madeira.

12. Pescoços flexíveis

Além de sua cor característica, os botos-cor-de-rosa se diferenciam das espécies marinhas por possuírem maior flexibilidade no pescoço. Isso lhes permite manobrar melhor entre os galhos nas florestas alagadas, facilitando a caça das presas. O pescoço do bicho tem uma mobilidade de até 90 graus, pois várias de suas vértebras cervicais não são unidas entre si.

Em sua opinião, por que as pessoas se encantam tanto pelos golfinhos? Já teve a sorte de ver um deles ao vivo e a cores? Se tiver fotos ao lado deles, publique-as junto com seu comentário!

6-63
162