Incrível

Vivi 1 mês de graça em um castelo da França e resolvi nunca mais voltar

3--5
10k

Cerca de seis meses atrás, pensei sobre o que estava fazendo de errado com a minha vida. Eu tinha um trabalho chato que ocupava meu dia das 9h às 17h, não me dava prazer e não me acrescentava nada. Mas então lembrei que em muitos países ocidentais há um fenômeno chamado de ano sabático, período que os formados do ensino médio usam antes de ir para a faculdade para descansar, viajar e, em geral, entender o que querem fazer com suas vidas. Percebi que uma pausa como essa era exatamente o que eu precisava. Como eu não tinha economias para me financiar, decidi tentar o caminho do voluntariado.

Decidi contar aos leitores do Incrível.club minhas impressões e por que completei meu projeto antes do planejado.

Como se tornar um voluntário

Você pode encontrar um projeto de voluntariado em vários sites, como o Worldpackers ou o Workaway. É estranho que, mesmo que as pessoas queiram trabalhar de graça, às vezes elas precisem pagar por essa oportunidade. Para se registrar no primeiro site, você deve pagar aproximadamente 50 dólares por ano, mas não o fiz. Voluntários mais experientes dizem que, usando este recurso, eles podem descobrir o nome do host (ou organização anfitriã) e então encontrar contatos de acesso livre e escrever diretamente para eles.

Depois de considerar vários projetos, parei no mais atraente. Um château (isto é, um castelo) do século XII no sul da França precisava de assistentes. Para passar algumas horas de trabalho no jardim, restaurante ou cozinha, o anfitrião oferecia um quarto privativo com chuveiro, 3 refeições por dia e a oportunidade de aprender a culinária francesa. Isso me interessou tanto que decidi enviar-lhes um e-mail.

Não sei francês, mas na minha juventude passei um ano aprendendo inglês em cursos. Portanto, não tive problemas de comunicação com meu anfitrião, que falava bem inglês. No e-mail eu anexei meu currículo e uma carta de motivação explicando porque eu queria trabalhar com eles. Então recebi a resposta: sim, precisavam de funcionários no final de fevereiro e estavam prontos para me receber. Comecei a me preparar.

Localização e natureza do trabalho

Vivi 1 mês de graça em um castelo da França e resolvi nunca mais voltar

Antes de participar do projeto, eu morava em uma cidade europeia e as viagens desempenhavam um papel importante em minha vida. Portanto, nessa época eu já sabia como planejar uma viagem com um orçamento limitado. Meu voo da Polônia para Paris custou cerca de 50 dólares. De Paris, viajei de ônibus para a cidade de Biarritz, no sul. Foram 11 horas, mas esta passagem custou apenas 0,99 euro. Tendo passado a viagem impressionante, fiquei surpresa ao saber que era preciso dirigir aproximadamente uma hora até o destino. Como resultado, encontrei-me em um deserto tão desesperador que fiquei impressionada.

Vivi 1 mês de graça em um castelo da França e resolvi nunca mais voltar

Comuna de Moumour.

Moumour é um povoado pequeno, com pouco menos de 850 habitantes. Em seu centro está o castelo, que foi restaurado das ruínas pelo atual proprietário e transformado em hotel. Foi lá que tive que trabalhar. Também tinha que remover as ervas daninhas do jardim quando o castelo recebia convidados e o chef preparava o jantar para eles.

Cheguei ao local na baixa temporada, então havia pouco trabalho. Por outro lado, quando tínhamos convidados, era necessário trabalhar muito duro. Mas não como assistente de chef, e sim como lavadora de pratos, limpando a grande quantidade de louça suja que se forma quando se cozinha. Eles também me pediram para ajudar os convidados e trabalhar como garçonete, além de servir as mesas. Eu não conheço todas as sutilezas da etiqueta da mesa, então não foi fácil.

De fato, às vezes havia tarefas de cozinha. Cortar frutas foi um verdadeiro teste para mim. Minha mão se recusava a obedecer, então as fatias ficavam muito grossas e o chef as rejeitava imediatamente. Tive que investir muito tempo, esforço e laranjas para entender o princípio. Porém, agora não sou melhor em cortar frutas, e não sei o quanto isso é útil na vida.

Eu estava interessada em estudar as complexidades do trabalho do hotel e restaurante do lado de dentro, mas passava pouco tempo na cozinha. Em vez disso, me pediam para fazer um trabalho que, na minha opinião, era bastante inútil: tirar a grama do estacionamento de pedras.

Vivi 1 mês de graça em um castelo da França e resolvi nunca mais voltar

Vista da área do castelo.

Inicialmente, concordamos que chegaria no final de fevereiro e terminaria no final de abril. Como resultado, fiquei apenas um mês em vez de dois. Quando cheguei, o proprietário, um holandês chamado Larry, disse-me que ia vender o castelo, por isso eu não poderia ficar por muito tempo. Logo percebi que era o melhor. Acontece que contratar voluntários era uma prática comum para os proprietários. Eles não mantinham funcionários em tempo integral, mas recrutavam voluntários um por um. Como resultado, praticamente não havia outras pessoas além de mim, o dono e o corretor que vendia o castelo.

Vivi 1 mês de graça em um castelo da França e resolvi nunca mais voltar

Eu não morava no castelo, mas sim em uma casinha para convidados.

Vivi 1 mês de graça em um castelo da França e resolvi nunca mais voltar

Meu alojamento.

Eu me entediei muito rápido. Sendo introvertida por natureza, eu suportava a solidão com paciência. No entanto, ter uma comunicação amigável com outras pessoas sempre foi muito importante para mim. Infelizmente, entre os aldeões eu não pude encontrar alguém com quem simpatizar, então eu realmente queria fugir rapidamente do luxo daqueles interiores frios para a liberdade.

Vivi 1 mês de graça em um castelo da França e resolvi nunca mais voltar
Vivi 1 mês de graça em um castelo da França e resolvi nunca mais voltar

Viagens

O dono do castelo me ofereceu viajar e me deu tempo livre para isso. Mas não é tão fácil quando se está longe das grandes cidades. Seguindo o conselho de Larry, fui à cidade espanhola de San Sebastián, que fica a uma hora e meia de lá. No entanto, tive que fazer duas escalas.

Vivi 1 mês de graça em um castelo da França e resolvi nunca mais voltar

Pau, cidade dos Pireneus franceses.

Primeiro, fui levada para a cidade mais próxima, Oloron-Saint-Marie. De lá peguei um trem para a cidade de Pau. E só lá consegui viajar de ônibus para San Sebastián. Foi a minha primeira viagem para a Espanha e gostei muito de lá.

Vivi 1 mês de graça em um castelo da França e resolvi nunca mais voltar

San Sebastián.

Vivi 1 mês de graça em um castelo da França e resolvi nunca mais voltar

Praia de San Sebastián.

Voltei depois de 2 dias, felizmente surpreendida e com o desejo de ver ainda mais países e cidades. Então Larry, tendo visto meu entusiasmo por viajar e sua completa falta de trabalho no castelo, sugeriu que eu partisse em meados de março. Sem pensar duas vezes, concordei. Não me arrependi de deixar o já odiado gramado com ervas daninhas para cuidar, e a alta gastronomia francesa não me impressionou muito.

Expectativas, realidade e planos

Na minha viagem, eu esperava aprender a cozinhar bem e conhecer muitas receitas francesas. Na verdade, o chef só me permitiu ver a preparação dos molhos, e os pratos tradicionais franceses sempre me davam dor de estômago. Eu já tinha ido a Paris antes e fiquei surpresa por eles só comerem croissants e baguetes com manteiga e geleia. É só pão, gordura e açúcar? Não está muito claro como, com tal dieta, os franceses conseguem manter sua forma. Os pratos eram ainda mais difíceis: a abundância de gordura vegetal, em que a maioria das receitas é preparada, não deixava oportunidade para uma vida saudável.

Vivi 1 mês de graça em um castelo da França e resolvi nunca mais voltar

Na minha opinião, o voluntariado é uma oportunidade de fazer algo de bom para as pessoas que precisam. Não se encaixa com a imagem de um milionário dono de castelo que não quer pagar pelos empregados. Então, sem hesitação, decidi que queria continuar minha viagem pela Espanha.

Se isso me decepcionou? De maneira nenhuma. Me sentia solitária no deserto francês sem a possibilidade de me comunicar com alguém que não fosse um milionário holandês. Mas agradeço a oportunidade de mergulhar em outra cultura. Não desenvolvi nenhuma habilidade culinária especial, mas percebi que cozinhar para mim é uma questão de humor. Se eu tiver vontade, farei um esforço para fazer um gratinado e, se não me apetecer, pedirei comida em um restaurante.

A história do proprietário do castelo, que foi seu dono por cerca de 20 anos, foi uma lição muito boa para mim: “no final, decidi vender meu negócio para finalmente realizar meu sonho”. Larry queria desenhar desde os 16 anos, mas seus pais não o apoiaram, o que o forçou a se tornar economista. Como resultado, aos 65 anos ele entrou na escola de arte em Florença. Percebi que eu não deveria esperar tanto tempo para ser feliz.

Em relação à participação em projetos voluntários, decidi que gostaria de ter essa experiência novamente. Mas, no futuro, terei mais cuidado ao escolher um projeto em que eu não seja apenas mão de obra gratuita, mas que também ofereça um benefício.

Conselhos para escolher um projeto de voluntariado

Procurei sozinha por um anfitrião, por minha conta e risco. No entanto, existem organizações sem fins lucrativos que ajudam voluntários a encontrar projetos gratuitamente. Recomendo que você se inscreva nas redes sociais delas e informe sobre seu desejo de se tornar um voluntário. Algumas realizam uma entrevista preliminar para entender qual é a sua motivação e o ajudam a navegar na variedade de projetos.


Existem vários programas para voluntários. Alguns cobrem todas as despesas, até mesmo as passagens de ida e volta, enquanto outros oferecem uma pequena remuneração pelo trabalho. Depois de ter estudado as informações nos sites de programas de voluntariado ou de organizações de ajuda, será possível escolher o projeto que melhor combina com você e obter uma experiência que será inesquecível.

O que você acha do voluntariado? Já foi voluntário alguma vez? Conte para a gente sua experiência nos comentários!

3--5
10k