13 Diferentes formas de cumprimentar e o principal motivo por trás delas

Existem muitas formas de cumprimentar nossos amigos ou pessoas com as quais nos relacionamos de forma cordial. Ainda que hoje a maioria dos cumprimentos sirva como uma demonstração de afeto (em maior ou menor grau), quase todos têm uma origem similar: demonstrar ao outro uma intenção conciliadora. Talvez possamos dizer que, originalmente, os cumprimentos serviam para dizer “eu não sou seu inimigo”.

Estendendo a mão para você, nós, do Incrível.club, te convidamos a conhecer a origem de 13 gestos usados como cumprimentos. Será que a intenção por trás deles mudou muito com o tempo?

Aperto de mão

Acredita-se que os egípcios teriam iniciado o costume do aperto de mão. Alguns estudos, porém, sugerem que o gesto surgiu nos primórdios da humanidade, em um tempo dominado por tribos. Um tempo em que carregar uma lança, por exemplo, era algo corriqueiro. Então, estender a mão desarmada era um gesto para se dizer “eu não sou seu inimigo”. E o aperto de mão em seguida passou a ser a confirmação do desejo de cooperação. Hoje, em um mundo bem mais civilizado, apertar a mão de alguém é mais corriqueiro, mas será que deixou de simbolizar esse desejo de cordialidade?

Continência

No filme A Última Fortaleza, o General Irwin (Robert Redford) explica a origem da saudação militar. Na Idade Média, cavaleiros levantavam a viseira de suas armaduras para revelar o rosto. Uma demonstração de respeito aos seus superiores e um ato de paz diante de outros cavaleiros que cruzavam seu caminho. Mais uma vez, o gesto também deixava evidente a mão desarmada, demonstrando não haver intenção de inimizade.

High Five

O gesto de bater palma com palma no lugar de um aperto de mão provavelmente já existia nos anos 1920, mas o tapinha no alto, mais empolgado, surgiu nas quadras e campos esportivos. É difícil cravar um marco inicial, mas uma boa hipótese é a de que jogadoras de vôlei tenham começado o costume na década de 1960. Anos depois, o gesto apareceria também entre jogadores de beisebol e basquete, popularizando o que é considerado uma variação do aperto de mão. O que faz bastante sentido no ambiente dinâmico e empolgante do esporte, você não acha?

Soquinho (Fist Bump)

A origem do gesto é controversa. Acredita-se que seja uma evolução ou variante do High Five, mas não há consenso sobre qual seria seu marco inicial. Poderia ter surgido no desenho animado dos Superamigos, a partir do gesto dos Super Gêmeos quando usavam seus poderes. Também é muito defendida a origem nos esportes, como o Boxe, o Basquete e o Baseball. Em todos os casos, o soquinho serve como um cumprimento de cumplicidade, seja para celebrar a parceria estabelecida, ou para demonstrar respeito mútuo antes de uma disputa.

Tchauzinho (Aceno)

A origem do tchauzinho é incerta. Há um registro famoso do gesto na Ilíada, que conta os feitos do herói Ulisses, na Grécia Antiga. Mas alguns defendem que o aceno ou tchauzinho seja uma variação da saudação militar, mais uma forma de mostrar a quem se aproximava estar desarmado. Com o tempo tornou-se uma forma de chamar atenção de aliados e sinalizar reconhecimento. Quando usado com a palavra tchau (originada em um dialeto de Veneza), ganha um sentido a mais já que o termo remete à ideia de servir ao outro.

Shaka (Hang Loose)

O gesto de Shaka, ou Hang Loose, foi popularizado pelos surfistas havaianos, mas sua origem não é muito certa. A teoria mais aceita é a de que o gesto surgiu como um tchauzinho estiloso que o pescador havaiano Kalili Hamana usava na sua função em um engenho. Ele era o responsável pelo trânsito de trens e acenava com a mão direita para autorizar a passagem. Como não tinha os três dedos do meio, o sinal do Shaka se formava naturalmente. O gesto pode significar muitas coisas, mas todas remetem à empatia e ao reconhecimento do outro como um igual.

Beijo na mão

O beijo na mão surgiu como uma forma de reverência. Em geral, a pessoa hierarquicamente acima oferecia a mão para ser beijada. Foi comum como ato de submissão de súditos aos seus monarcas. Em algumas religiões, continua sendo uma prática. Também foi e continua sendo um gesto de reverência à mulher, praticado por um cavalheiro quando apropriado. Hoje, porém, é raro. Aliás, usado informalmente, pode servir como zombaria! Há uma variação em que se beija a palma da mão, mas o gesto é mais íntimo, comum entre namorados que “guardam” um beijo antes da partida.

Abraço

Existem evidências arqueológicas de que o abraço existe há cerca de 6.000 anos, pelo menos. Mas será que fósseis com os braços entrelaçados confirmam essas intenções? Um abraço pode servir para troca de calor entre corpos em um frio muito intenso, por exemplo, mas pode também ser um ato diplomático. Segundo Mario Prata, o abraço cheio de tapinhas pelo corpo era coisa dos mafiosos italianos, um jeito de saber se alguém estava escondendo algo na roupa. Era, mais uma vez, um gesto para estabelecer confiança e deixar clara a intenção de colaboração.

Beijo

A origem do beijo é controversa. Acredita-se que os hindus tenham iniciado o costume do beijo na boca, mas não é possível afirmar que o gesto não existisse desde a Antiguidade, apenas não há registro. O beijo no rosto, por sua vez, parece ter nascido de uma tradição católica. Considerando muito íntimo o toque entre lábios, os católicos passaram a roçar as bochechas como alternativa. Assim, o beijo no rosto passou a ser uma forma de cumprimentar os iguais, aqueles com quem temos relação de cordialidade. Um gesto declarado de afeição e entendimento, não?

Beijo Esquimó (Kunik)

Existe um mito sobre o “beijinho esquimó” que diz ser ele uma alternativa ao beijo tradicional, uma vez que no frio intenso os lábios se grudariam. Na verdade, o cumprimento com o toque dos narizes se tornou um hábito porque em ambientes de frio extremo as pessoas costumam estar apenas com os olhos e o nariz à mostra. Entre os Inuit, povo indígena que habita o ártico, o “beijo” de narizes é chamado de Kunik. Foram eles os primeiros a serem observados realizando esse gesto que, na verdade, não tem o mesmo caráter romântico de um beijo, servindo mais como um cumprimento de reconhecimento entre membros da mesma tribo.

Reverência Japonesa (Ojigi)

Os japoneses têm uma tradição milenar em termos de comportamento, por isso a disciplina permeia bastante seus hábitos. A saudação japonesa, chamada Ojigi pelos nipônicos, surgiu por volta do século VIII. A palavra significa “arco”, ou “inclinar-se”, bastante literal, não é? Mas existem inúmeras formas de fazer o movimento, sempre dependendo do grau de reverência e respeito a ser demonstrado. É um cumprimento muito claro não só de cordialidade, mas também de respeito e disposição a servir o outro.

Namastê

Namastê é uma saudação que tem como intenção a mensagem “a minha essência saúda a sua essência”. Sua origem, no sânscrito, tem como sentido mais literal curvar-se. É uma atitude de humildade diante do outro. Originado nas culturas indianas e nepalesas, o cumprimento tem um sentido mais espiritual do que outros acenos mais corriqueiros. Além de demonstrar a intenção cordial, também indica ao outro a disposição em servi-lo. Principalmente para os asiáticos, é um cumprimento bastante formal e não deve ser feito de forma banal.

Saudação Vulcana

saudação vulcana, marca registrada de Spock, tem sua origem no judaísmo. Leonard Nimoy, que interpretou o personagem na série original de Jornada nas Estrelas, sugeriu o gesto a partir de uma lembrança da infância. Durante uma cerimônia em uma sinagoga, Nimoy viu um rabino abençoando as pessoas com o gesto, pois ele faz alusão a uma letra do hebraico que simboliza a divindade. Não por acaso Spock dizia com o cumprimento “vida longa e próspera”, uma declaração de paz, não? Hoje a saudação é um símbolo forte de reconhecimento entre os adeptos da chamada “cultura nerd”.

Bônus — o significado comum dos cumprimentos (e o personalizado)

Nem todos os gestos que fazemos no nosso dia a dia são cumprimentos, mas quando são, aquela máxima do passado “eu não sou seu inimigo” não deixa de estar presente, um significado comum em todos eles. Um sinal de civilidade, respeito e consideração pelo outro, que podemos até personalizar! Não é mesmo?

E você, tem algum cumprimento secreto ou especial que utiliza com alguém? Compartilhe nos comentários explicando como se faz e não deixe de contar como a ideia surgiu.

Compartilhar este artigo