10 Conselhos para ensinar seus filhos a não serem influenciados negativamente por amigos

pressão social pode ser considerada o sentimento que coage o indivíduo a fazer as mesmas coisas que seus colegas, de modo a ser aceito e amado por um grupo. Embora seja possível estar sob a influência negativa de outras pessoas desde muito jovem, é mais comum que essa situação ocorra durante a adolescência, pois, nessa época, os jovens querem se enquadrar e temem ser rejeitados ou criticados. Isso poderia torná-los mais vulneráveis ​e fazê-los seguir o comportamento dos demais, mesmo sendo errado ou arriscado.

No Incrível.club reunimos 10 conselhos que podem ajudar os pais a orientar seus filhos a lidar melhor com a pressão social. Antes de continuar, lembramos que este é um artigo informativo e que você deve consultar especialistas, como educadores e psicólogos, para receber uma orientação mais adequada.

1. Tente manter uma boa comunicação com seu filho

Manter uma boa comunicação e fortalecer a relação com os filhos é fundamental para superar os momentos difíceis juntos. É aconselhável que os pais se mostrem e falem que estão sempre dispostos a ouvi-los e a conversar sobre qualquer assunto. Dessa forma, estarão criando uma base de confiança, sabendo que podem falar de situações desconfortáveis, como a pressão dos colegas.

Para conseguir uma boa comunicação, é preciso ouvir o que cada um tem a dizer. Em todos os momentos, evite ser agressivo, severo, não ouvir e culpar. É aconselhável fazer perguntas e compartilhar preocupações sobre um tema, em vez de apenas supor e criticar.

2. Conheça seus amigos

É importante conhecer os amigos dos seus filhos. E isso é possível convidando-os à sua casa, oferecendo um espaço seguro e agradável onde possam estar, com comida apetitosa e bom humor. Isso permite aos pais anfitriões estabelecerem regras de conduta e, assim, entenderem melhor sobre o que os jovens conversam, o que os interessa e os preocupa.

Outra dica é se aproximar dos pais do grupo de amigos para ter uma ideia dos valores familiares e se compartilham um jeito semelhante de criar os filhos. Além disso, ter um bom relacionamento com eles pode ajudar a obter informações relevantes quando os filhos estiverem passando algum tempo em outras casas, ou quando estiverem sendo supervisionados em eventos diferentes por outros adultos, por exemplo: com quem estarão, quem cuidará deles, a que horas vão chegar?

3. Incentive seu filho a conhecer novas pessoas

Alguns dos motivos pelos quais as crianças podem ceder à pressão social são: a vontade de ter amigos, de serem aceitas e de pertencerem a um grupo que lhes dê segurança. Se os pais incentivam e apoiam seus filhos a praticar várias atividades, nas quais possam conhecer novos colegas, terão a oportunidade de cultivar amizades em diferentes ambientes e evitar o desejo de se encaixar em apenas um.

4. Ensine-o a refletir sobre as consequências de comportamentos de risco

Para ajudá-los a tomar decisões com mais confiança, além de ensinar quais comportamentos são errados ou arriscados, é aconselhável incentivá-los a refletir sobre as consequências, ou o que suas ações podem causar em si mesmo e nos outros. Estas ideias podem ajudar:

  • Se participar de um plano para prejudicar outra criança, ela pode se machucar e ficar triste. Você pode perguntar algo do tipo: “Consegue pensar em como se sentiria no lugar dela?”.
  • Se quebrar as regras ou se comportar mal na escola, dizer que pode ser expulso, perder privilégios em casa (como passeios ou tempo de jogos) e afetar suas notas.
  • Se você acredita ser uma brincadeira pegar algo em uma loja com o incentivo dos seus amigos, é importante saber que isso pode ter consequências legais e não se trata de uma brincadeira.
  • Antes de fazer algo que não se sinta seguro, poderia se perguntar: isso me fará sentir orgulho de mim mesmo?

5. Combinem uma frase “secreta” para indicar que seu filho precisa da sua ajuda

É uma prática que pode tirar os jovens de apuros, quando se sentem desconfortáveis ​​ou com medo de uma situação. As palavras ou frases com códigos especiais permitirão que façam uma ligação ou mandem mensagem para dizer aos pais que os busquem, sem dizer aos amigos o verdadeiro motivo, já que podem se sentir constrangidos ou com vergonha.

Por exemplo, se um adolescente está em uma festa e se sente desconfortável, pode ligar para seus pais ou enviar uma mensagem com a frase que tenham combinado anteriormente para essas situações, como: “Mãe, minha cabeça dói muito, você pode me buscar?” Assim, sem perguntar mais nada, a mãe saberá que ele está precisando da sua ajuda.

6. Explique que não há problema em dizer “não”

Mesmo para os adultos, às vezes pode ser difícil dizer “não”. Por isso é importante que os pais percebam como os filhos estabelecem limites ou se recusam a fazer certas coisas. Dar o exemplo é fundamental, pois, além de garantir que não existe problema em dizer “não”, é muito bom que também possam ver como seus familiares estabelecem limites com respeito, dizendo de maneira clara: “Não, isso não é bom para mim” ou “Agora não posso”.

Estar sozinho na frente de um grupo e ter de dizer não, às vezes pode ser ruim para eles, mas se tiverem amigos com valores semelhantes talvez possam encontrar esse apoio para que, juntos, se recusem a fazer algo errado, sem medo das provocações.

7. Ensine outras estratégias de resposta, se ele não quer dizer ’não’ diretamente

Às vezes não querem dizer ’não’ diretamente, então, os pais podem ensinar outras estratégias aos filhos. Podem falar para jogar a culpa nos pais, por se recusarem a fazer algo que consideram errado ou perigoso. Um possível argumento seria este, ou algo semelhante: “Você está brincando? Meus pais vão me castigar por um mês, se eu fizer isso”.

Outra alternativa é propor aos seus colegas outra atividade mais divertida ou interessante do que o comportamento errado que seus amigos propuseram naquele momento.

8. Pratique jogos de simulação para aprender a lidar com uma proposta que deseja rejeitar

Além de dar ideias para poderem responder a uma situação em que são pressionados, os pais podem propor jogos de encenação (como se fosse o ensaio de uma peça de teatro, ou uma cena da sua série favorita). Essa prática pode ajudar os pais a ensinar aos filhos como ser respeitosos e firmes quando discordam de algo.

Por exemplo, se for uma criança exposta a provocações na escola, os pais podem lhe pedir para interpretar o amigo que está zombando dela e, assim, irá expor uma situação semelhante à que vive. Dessa maneira, o adulto tem a oportunidade de dizer uma frase apropriada, respeitosa e espirituosa, fazendo o papel da criança.

9. Limite e monitore o tempo de conexão com a Internet

Atualmente, o ambiente digital é um meio em que as crianças e os adolescentes podem estar expostos a pressões sociais, por isso, é aconselhável que os pais e responsáveis ​​estabeleçam limites, considerando a idade dos seus filhos. Aqui estão algumas dicas que podem ser úteis:

  • Limitar o tempo que passam na Internet, estabelecendo um equilíbrio com outras atividades, como lição de casa, tempo para estar com a família, para atividades extracurriculares.
  • Monitore o conteúdo consumido, bem como verifique as classificações de programas de televisão ou streaming, filmes e videogames. Você também pode verificar o histórico de pesquisa na Internet do seu filho e ainda averiguar quais são os aplicativos que ele tem no celular.
  • Os pais podem criar o hábito de assistir a filmes e séries em família e navegar na Internet juntos, para poderem analisar o que seus filhos veem e reforçar os valores familiares.
  • Pergunte quais são as celebridades ou influenciadores que admiram e quais os aspectos que valorizam nessas pessoas, para ver se há algo específico que deveria ser explicado sobre a diferença entre o que alguém mostra em suas redes e o outro lado que não está postando.
  • Informe-se sobre tópicos como cyberbullying ou assédio virtual e explique aos seus filhos adolescentes as práticas que podem prejudicá-los quando estão on-line.

10. Ajude-o a ter confiança em si mesmo

É muito importante que os pais ajudem seus filhos a ter uma boa autoestima e autoconfiança saudáveis, porque isso os torna menos propensos a ceder à pressão dos outros. Respeitar suas preferências, elogiar suas conquistas e bons comportamentos, bem como demonstrar sua confiança neles e que podem tomar boas decisões, são alguns aspectos que podem contribuir nesse sentido.

Quais dessas dicas você gostaria de começar a implementar? Poderia compartilhar outros conselhos úteis, para os pais que nos leem, sobre como ensinar os filhos a lidar com a pressão dos grupos?

Compartilhar este artigo