Incrível

Por que um vínculo materno positivo reduz o risco de ter parceiros violentos na adolescência, de acordo com um estudo

1-1-
266

O vínculo mãe-filho (a) é muito importante. Sem perceber, marca nossa personalidade e as escolhas que fazemos na vida adulta estão intimamente relacionadas ao tipo de relacionamento que tivemos com nossa mãe durante a infância. Um estudo recente descobriu que, se o vínculo for positivo nos estágios iniciais da vida, as decisões amorosas da criança ao longo da adolescência serão saudáveis, sem violência ou abuso.

No Incrível.club, somos muito interessados por esse assunto e, se você é mãe, também achará os resultados deste estudo bastante curiosos. É por isso que pesquisamos mais sobre o que o estudo diz para compartilhar as informações mais importantes com você.

A importância da relação mãe-filho (a)

Em estudos anteriores, descobriu-se que o padrão de relação dos pais ao qual uma criança se acostuma tende a se repetir depois com os futuros parceiros dessa criança depois que ela se torna adulta. Se ela cresceu vendo como um de seus pais foi maltratado pelo outro, é provável que esteja predisposta a ter relacionamentos amorosos violentos.

Uma nova pesquisa descobriu o lado oposto. Se, apesar de ter um relacionamento conflituoso com o marido, a mãe amava os filhos, as chances de eles repetirem a história são menores. A parentalidade positiva ajuda os adolescentes a evitar relacionamentos abusivos.

Como o amor de uma mãe protege

estudo foi publicado no Journal of Interpersonal Violence. Foi realizada uma pesquisa com 140 jovens cujos pais eram casados ou moravam juntos. Metade dos participantes teve um dos pais com problemas de alcoolismo.

A pesquisa foi realizada duas vezes: uma quando os participantes eram crianças e estavam na oitava série e outra quando eram adolescentes e estavam nos últimos dois anos do ensino médio. O objetivo foi informar o grau de exposição à relação conflituosa entre os pais, a percepção que os participantes tinham da mãe e avaliar se esses filhos também eram vítimas de violência.

As descobertas do estudo foram reveladoras. As crianças que vivenciaram uma educação materna positiva, atenciosa e de alto nível tiveram menos probabilidade de se envolver com parceiros abusivos na adolescência, mesmo que o casamento de seus pais estivesse em conflito. Por outro lado, as crianças cujas mães não mantinham um vínculo amoroso com elas estavam mais expostas aos efeitos nocivos do conflito conjugal. Ou seja, tiveram parceiros abusivos na adolescência.

Por que o amor materno é tão positivo

Conforme explicou o estudo, a qualidade do relacionamento entre os pais ajuda os filhos a formar um modelo interno sobre si e sobre os outros. Se o pai tiver um comportamento violento e promover conflitos com sua parceira, os filhos aprenderão a ver os outros como não confiáveis ou inimigos.

No entanto, quando a mãe os cria em um ambiente positivo de comunicação, aceitação e carinho, os filhos se consideram dignos e merecedores de respeito e amáveis. Isso acontece mesmo que os pais não se deem bem.

Um estudo útil para o futuro

Dado que 30% dos adolescentes sofrem algum tipo de abuso por parte de seus parceiros românticos, o estudo serve de base para determinar ações que sejam capazes de evitar essa situação. A influência que o relacionamento dos pais exerce sobre os filhos é tão grande que uma das maneiras de ajudar os jovens a terem uma percepção forte e otimista de si mesmos é por meio de uma intervenção múltipla que incentive a comunicação saudável entre os pais. Primeiro, é importante que os adultos aprendam a resolver seus conflitos em casa.

Ao conseguir fazer com que os pais melhorem sua capacidade de resolver seus problemas sem violência, também se possibilita que o estresse familiar seja reduzido e as habilidades de comunicação aumentem. Por sua vez, os adultos tendem a se tornar mais receptivos às necessidades dos filhos.

Você concorda com os resultados do estudo? Que outros comportamentos o amor materno pode influenciar durante a infância? Sua opinião é sempre bem-vinda!

1-1-
266