Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

30+ Mulheres brasileiras que foram consideradas ícones de beleza ao longo de 100 anos

Musas, ícones, símbolos. Lindas, imitadas e desejadas. Quem nunca teve vontade de copiar o corte de cabelo de uma estrela de cinema? A maquiagem de uma personagem bombada nas novelas? As roupinhas de uma cantora da moda? Os looks completos das top models? Ou as danças das bailarinas de axé?

Desde os primórdios do cinema nacional, nos anos 1920, tornou-se importante lançar modelos de beleza e de comportamento para as multidões. Depois vieram o rádio, a televisão, a internet, as redes sociais. Cada época, ao logo destes 100 anos, teve suas mulheres que despertaram paixões.

Incrível.club fez uma linda viagem ao passado, ao longo de 100 anos, para mostrar a você mulheres que influenciaram a moda e o comportamento no Brasil. Cada uma com seu charme e encanto únicos. Embarque conosco nessa máquina do tempo da beleza e do glamour!

Anos 1920 — Lia Torá e Lelita Rosa

O Brasil teve uma estrela no cinema americano, na época dos filmes mudos. Lia Torá foi vencedora de um concurso de fotogenia promovido pelos estúdios Fox e fez alguns filmes em Hollywood. Teve a carreira interrompida, porém, com a chegada dos filmes sonoros, no final dos anos 1920. Lia era linda na tela, mas não dominava o inglês.

Aqui no Brasil, uma das atrizes mais charmosas (e atrevidas) do cinema nos anos 1920 foi Lelita Rosa, que atuou em Lábios Sem Beijos, Barro Humano e outros filmes. Lia e Lelita foram duas personalidades precursoras na nossa indústria de entretenimento.

Anos 1930 — Heloísa Helena e Carmen Miranda

Na década de 1930, o rádio ganhou protagonismo como meio de difusão de notícias e entretenimento no Brasil. Foi natural que surgissem grandes estrelas da voz neste cenário, mas que ainda dependiam do cinema e das revistas para que seus rostos se tornassem conhecidos pelo público.

A carioca Heloísa Helena, que mais tarde seria mais reconhecida como atriz, começou cantando nas rádios e foi a primeira a interpretar Carinhoso, de Pixinguinha. Carmen Miranda, nascida em Portugal, sem dúvida foi a grande celebridade musical da época e gravou alguns dos maiores sucessos de seu tempo. Tinha um impecável senso de elegância e originalidade, que na década seguinte levou para o cinema americano.

Anos 1940 — Emilinha Borba e Maria Della Costa

A cantora carioca Emilinha Borba foi uma das artistas mais populares da era do rádio no Brasil. Firmou sua carreira nos anos 1940 e manteve seu sucesso na década seguinte, especialmente com a interpretação de músicas carnavalescas.

Na arte dramática, os anos 1940 viram surgir uma de suas musas mais belas e elegantes, a atriz gaúcha Maria Della Costa, que construiu uma sólida trajetória no teatro, marcando presença também no cinema e, mais tarde, na televisão.

Anos 1950 — Eliana Macedo e Tônia Carrero

Nos anos 1950, o cinema nacional ganhou força com uma vasta produção de comédias — apelidadas de chanchadas — e filmes musicais que levavam multidões às salas de exibição. Bonita, graciosa e com talento para cantar e interpretar, a fluminense Eliana Macedo foi uma das figuras mais simbólicas desse período cinematográfico.

Nos palcos, uma das forças femininas foi a carioca Tônia Carrero. Ela estreou no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC) e, em seguida, formou sua própria companhia, ao lado do ator Paulo Autran e do diretor italiano Adolfo Celli. Mas os fãs das novelas gostam de lembrá-la como a elegante Stella Simpson de Água Viva (1980).

Anos 1960 — Leila Diniz, Helô Pinheiro, Ilka Soares e Norma Bengell

Nos anos 1960 apareceram as primeiras estrelas de novelas de televisão. E a fluminense Leila Diniz foi uma delas, atuando em algumas das produções inaugurais da TV Globo. Leila foi uma figura importante para a emancipação feminina, com discursos e atitudes bem avançadas para a época.

Outra personalidade da época que merece o título de musa é a carioca Helô Pinheiro, que inspirou Tom Jobim e Vinicius de Moraes a comporem uma das músicas brasileiras mais gravadas mundialmente. Helô é, nada mais, nada menos, do que a Garota de Ipanema.

A atriz e modelo carioca Ilka Soares foi sinônimo de elegância na década de 1960. Tanto que chegou a assinar uma coluna com dicas de comportamento e beleza no jornal Diário da Noite. Mas quem escrevia os textos, na verdade, era a escritora Clarice Lispector.

Com uma atitude mais voluptuosa, Norma Bengell lançou uma carreira de sucesso no cinema, que incluiu vários trabalhos na Europa. Também teve passagens pela música e, como cantora, participou de alguns dos primeiros shows de lançamento da bossa nova no Rio de Janeiro.

Anos 1970 — Bruna Lombardi, Vera Fischer, Sonia Braga e Gal Costa

As telenovelas consolidaram-se nos anos 1970 e tornaram-se espelhos da moda e do comportamento no Brasil. Era natural que as grandes estrelas da época viessem da fábrica de sonhos construída na telinha. Linda e loira, a paulistana Bruna Lombardi foi uma das primeiras modelos a consolidar uma carreira de atriz na televisão.

Eleita Miss Brasil em 1969, outra musa loura da época de ouro das novelas foi a catarinense Vera Fischer. Depois de atuar em diversas comédias no cinema, fez sua estreia televisiva em 1977, na novela Espelho Mágico. E continua mantendo seu posto de musa.

A paranaense Sonia Braga personificou a brejeirice da mulher brasileira na novela Gabriela, grande sucesso de 1975, com base na obra de Jorge Amado. A beleza da baiana Gal Costa, que cantava o tema de abertura da novela, também ficou fortemente ligada àquele período.

Anos 1980 — Xuxa, Luiza Brunet, Monique Evans, Luma de Oliveira

Os anos 1980 viram o surgimento de algumas das maiores modelos brasileiras. Depois de ganhar espaço na moda, a gaúcha Xuxa Meneghel virou estrela da tevê no comando de programas infantis, primeiro na Rede Manchete e depois na TV Globo, onde foi um fenômeno de popularidade.

A sul-mato-grossense Luiza Brunet é outro rosto da moda que representa muito bem a época. Ela foi lançada numa campanha estrondosa do jeans Dijon, estampando a contracapa de várias revistas da época. Hoje Luiza é empresária e uma importante ativista no combate à violência contra a mulher.

A carioca Monique Evans foi outra top dos anos 80, aparecendo em capas de revistas femininas e masculinas. Ao longo da carreira, diversificou suas atividades como atriz, apresentadora, repórter e participante de reality shows.

Nascida em Nova Friburgo (RJ), Luma de Oliveira também teve uma carreira agitada como modelo. Mas o público geralmente lembra dela como musa dos carnavais cariocas em alas e como madrinha de bateria de várias escolas de samba.

Anos 1990 — Suzana Alves (Tiazinha), Joana Prado (Feiticeira), as loiras e as morenas do É o Tchan

Programa H, apresentado por Luciano Huck na Bandeirantes, foi responsável pelo lançamento de duas grandes musas dos anos 90. Suzana Alves encarnava a personagem Tiazinha, e Joana Prado, a misteriosa Feiticeira. Ambas paulistanas, elas embalaram sonhos de uma geração de garotos.

Uma das modas mais animadas dos anos 90 foi o grupo baiano É o Tchan, com seus ritmos e coreografias irresistíveis. Na foto acima, dançarinas de várias fases da banda apareceram na capa do CD comemorativo dos 10 anos do É O Tchan. Da esquerda para a direita, Débora Brasil, Carla Perez, Scheila Carvalho, Sheila Mello e o muso Jacaré.

Anos 2000 — Ivete Sangalo, Gisele Bündchen, Juliana Paes e Camila Pitanga

O século virou e a música baiana continuou a dar as caras nas paradas, lançando em carreira-solo sua maior estrela, Ivete Sangalo, com seu estilo tropical cheio de energia. Enquanto isso, no mundo da moda, uma garota do Rio Grande do Sul dava os primeiros passos para se tornar uma das maiores modelos do planeta. Gisele Bündchen, é claro.

A brasilidade tomou conta da televisão nos anos 2000 com a presença de duas estrelas emergentes nas telenovelas, ambas do estado do Rio de Janeiro. Juliana Paes rapidamente firmou-se como ícone da beleza nacional. Camila Pitanga também virou um símbolo e construiu uma carreira sólida, interpretando papéis bem diversificados.

Anos 2010-2020 — Marina Ruy Barbosa, Grazi Massafera, Cris Vianna e Alessandra Ambrósio

Na década mais recente, as musas do Instagram deram as cartas para lançar modas. A atriz carioca Marina Ruy Barbosa, com mais de 37 milhões de seguidores, é um dos melhores exemplos de influenciadora digital. A paranaense Grazi Massafera também conquistou o status de difusora de tendências com uma carreira de atriz bem-sucedida, depois de sua experiência no reality show Big Brother Brasil.

A paulistana Cris Vianna é a cara da diversidade nos novos tempos: atua nas passarelas, nos estúdios de fotografia, na televisão, no cinema, no teatro e nas séries criadas para a Internet. Alessandra Ambrosio segue o legado Gisele como modelo de fama internacional, uma das mais bem pagas do mundo, segundo o site Celebrity Net Worth.

Para você, quem são as brasileiras mais lindas e charmosas de todos os tempos? Prefere o estilo das mulheres do passado ou acredita que hoje somos mais elegantes? Fique à vontade para dar sua opinião nos comentários. Estamos muito curiosos para saber o que você pensa!

Compartilhar este artigo