Incrível
Novo Popular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Pessoas compartilharam histórias comoventes de amor que podem não ter o atrativo Hollywoodiano, mas têm uma sinceridade muito mais cativante

No curso de roteiristas ensinam a contar histórias; explicar o motivo dos eventos; culminação e conclusão do enredo; como criar “ganchos” e “plot twists”. Como resultado, somente os estudantes mais exemplares conseguem criar obras-primas depois de muitas produções banais e idênticas umas as outras. Há certas coisas, no entanto, que não são ensinadas em nenhum curso e apenas são “aprendidas” ao decorrer da jornada da vida.

Talvez seja por isso que estamos sempre tão interessados em ler histórias de pessoas comuns aqui no Incrível.club. Pessoas, como cada um de nós, que passaram por situações únicas após o lançamento dos dados do acaso. Portanto, estamos seguros em dizer que algumas das histórias abaixo nos deixaram mais comovidos que muitos sucessos de bilheteria. Confira!

  • Meninas, para ajudar vocês a determinar se o seu parceiro é experiente e realmente te ama, leia a mensagem da Sara a seguir. Sara voltava do Chipre e escreveu: “Eu e Nicolas estamos famintos, compre um iogurte e nos espere no aeroporto”. Um marido inexperiente teria feito exatamente isso, mas teria sido o seu fim. Um marido experiente, pelo contrário, entende que essa mensagem significa algo totalmente diferente: Nicolas é apenas um complemento irrelevante da história, minha esposa não gosta de admitir que é a única que está com fome. Um marido experiente também entende que iogurte têm muitos significados linguísticos no contexto de um relacionamento. Se você comprar apenas um iogurte para sua esposa que está faminta como um lobo, o iogurte pode terminar na sua cabeça. Por isso, eu comprei 4 sanduíches com os mais diversos recheios. E um iogurte. Estava esperando minha família no aeroporto. Devia estar parecendo um bandido com várias sacolas de comida na mão e óculos escuros. Meu filho, Nicolas, apareceu correndo na minha direção, me abraçou, e atrás dele, a loba faminta vinha caminhando. Nem um “oi”, “tudo bem” ou “que saudade”, mas já perguntou: “Você trouxe comida?” Entreguei a sacola e levei meu filho para ir ao banheiro para evitar que ele visse como a mãe devorava, no mínimo, 2 sanduíches de uma vez. Logo depois que voltamos, ela estava feliz e satisfeita e, assim, foi possível ir para casa tranquilamente, sem nos preocupar que alguém poderia ter morrido se tivesse levado apenas um iogurte. © miletich_milan / instagram

  • Meus avós estão juntos há mais de 40 anos. Eu tenho certeza que eles se amam muito, mas, acima de tudo, eles amam fazer brincadeiras um com o outro. Mesmo depois de tantos anos. Acho que eles não conseguem viver sem uma boa risada. A audição da minha avó não é muito boa e ela tem muita dificuldade para escutar, enquanto meu avô tem problemas na visão. Quando os visitei recentemente, testemunhei uma cena que poderia ser adaptada facilmente para o cinema. Meu avô sentado à mesa, à espera da comida que minha avó preparava. Ele, então, olhou para a minha avó e começou a mover os lábios como se estivesse falando alguma coisa. Ela começou a ficar irritada, pois não estava entendendo, e disse: “Ai, caramba! Dá para falar mais alto?! Para que ficar sussurrando?!” Depois de certo tempo, ela entendeu que ele estava apenas caçoando e decidiu retrucar. Ela colocou a comida no meu prato, e no prato do meu avô pôs apenas um pano velho. Meu avô tentava pegar a “comida” com o garfo, mas não entendia por que não conseguia. Após algumas tentativas, ele percebeu que não tinha comida nenhuma no prato e, olhando para minha avó, começou a gesticular e mover os lábios novamente como se estivesse gritando e nervoso. Minha avó, novamente, ficou irritada e repetiu: “Será que dá para reclamar mais alto? Você sabe que eu não escuto bulhufas do que você diz!” © Lukaut / pikabu

  • Meu ex-namorado se ofereceu, de forma totalmente espontânea, para me levar em um passeio de moto para ver o pôr do sol, sem levar em conta que andar de moto para mim era quase o mesmo que pular numa fogueira. Outro ex-namorado decidiu me fazer uma surpresa de manhã e me preparou um café da manhã na cama. O café da manhã, no entanto, era composto por produtos que eu simplesmente detestava o gosto (e ele sabia disso), mas isso não importa, pois era uma “surpresa”. E somente meu atual marido, desde o começo do nosso relacionamento, mostrou interesse em saber dos meus gostos e preferências. Em um dos nossos encontros, mais tarde, ele colocou a mão no bolso da mochila, tirou um pote e disse: “Eu trouxe para você estes alhos marinados da casa da minha avó. Lembro que você disse amar comê-los assim. Achei que ia gostar”. E vocês acham que só de café da manhã e pôr do sol vive uma mulher. © IrenLinn / pikabu

  • Este ano irá completar exatamente 50 anos desde que meus avós se casaram. Enquanto estava sentada à mesa, resolvi perguntar como eles haviam se conhecido. Meu avô conheceu minha avó na fábrica onde os dois trabalhavam e, sem demora, resolveu convidá-la para um encontro. Ela recusou, pois disse ter muitos trabalhos para fazer na fazenda onde morava. No dia seguinte, meu avô foi até a fazenda onde morava minha avó e novamente a chamou para sair. Mas, naquele dia, ela disse ter um celeiro inteiro de esterco para limpar, e aquilo não poderia ser adiado para o dia seguinte. Meu avô, então, fez todo o trabalho para ela e, dentro de uma semana, eles se casaram. © x7cyber / pikabu

  • O nome dela era Aline. Alininha. Nossas cangas estavam uma ao lado da outra em uma linda praia à beira do Mar Negro durante nossas férias. Descobrimos que tínhamos muitas coisas em comum, passamos muito tempo juntos: passeamos, sorrimos, tomamos sorvete juntos. Foi mágico, foi amor. Eu falei para ela voltar comigo para minha cidade, e ela concordou. Estávamos certos de que teríamos muitos e muitos anos felizes juntos. Quando minha mãe ficou sabendo da minha decisão, ela disse: “Ai, o que eu faço com você, hein?!” Eu respondi: “Como assim? Me eduque!” Era 1983. Eu tinha 5 anos. Ela, 3. © Vlabodr / pikabu
  • Eu confessei o meu amor para minha outra metade depois que, ao ser convidada para visitá-lo, entrei no quarto dele. Lá eu me deparei com uma tonelada de poeira! Não aguentei e pedi para ele trazer um pano e um balde de água. Enquanto tirava a poeira da prateleira, eu vi que ele gostava de fotografia e tinha os mesmos livros que eu. Eu me encantei com os modelos de tanques em miniatura que ele tinha, o cubo mágico, diversos instrumentos musicais e as fotos lindas da família. Passamos o dia rindo, e quando terminei de limpar, eu só pensei: “O que nós não fazemos por alguém que amamos!” © Алена Самохина / thequestion

  • Trabalho como vendedora em uma joalheria. Certo dia entrou na loja um senhor bem velhinho. Ele estava vestido normal: camiseta, calças largas e chinelos simples. Mas estava com a barba feita e o cabelo também. “Eu quero comprar um anel de noivado”, disse ele. Eu fiquei surpresa, mas educadamente perguntei: “Ah, que bom. Segundo casamento?” Ele respondeu: “Por que segundo? É o primeiro. Eu só estava esperando por ela a vida toda”. Nessa hora olhei para minha colega de trabalho com um sorriso no rosto. Não é sempre que se vê esse romantismo em pessoa. “Bom, posso oferecer essa opção”, e mostrei um anel na vitrine, mas o senhor me interrompeu e disse: “Eu quero ver este aqui”, e apontou para um anel com diamantes de ouro branco. Novamente troquei olhares com a outra vendedora. “Esta é uma opção bem mais cara, Senhor”, eu disse. Ele respondeu: “Tudo bem, vou levar”. Embrulhamos e ele pagou. Depois, ele perguntou: “É possível trocar depois se ela não aceitar?” “Claro”, eu confirmei o acalmando. Para nossa felicidade, e a dele também, ele não voltou à loja para trocar. © trueanone / pikabu

  • Quando a minha avó Musa tinha 94 anos, um velhinho de 92 anos se apaixonou por ela em um lar de idosos no Canadá. Ele a levava para todos os lados, segurava em sua mão, admirava a bondade dela, a alma e seu sorriso radiante banguela. Minha avó realmente sorria de orelha a orelha, mesmo sem nenhum dente na boca. A conversa era praticamente inexistente: não só por ela não entender uma palavra de inglês, mas também por ter perdido a audição. Quando minha avó não podia mais levantar da cadeira de rodas, eles a transferiram para um quarto no segundo andar, enquanto o velhinho ainda estava no primeiro. Infelizmente, o elevador não funcionava, e ele não podia subir as escadas. Ele ficou enfurecido e escreveu diversas cartas para a administração para que fizessem alguma coisa, mas, antes que seus pedidos fossem atendidos, ele faleceu. Descobrimos depois que ele tinha algumas economias e deixou em seu testamento que seu dinheiro fosse direcionado para minha avó, na forma de uma servidora social que cuidasse dela semanalmente. Toda semana, ela recebia a visita de uma profissional treinada para pentear seus cabelos, cortar suas unhas, ajudá-la a se arrumar, fazer massagem. Acho que a mulher até lia poemas e cantava músicas. Minha avó, claro, não escutava nada e, mesmo que escutasse, não entenderia uma palavra. Mas sabemos que isso era o menos importante. © yurii.volodarskyi / facebook

Você sabe de alguma outra história de amor que não consegue esquecer? Comente!