Leitores do Incrível relembraram de quando suas simples férias se tornaram verdadeiras gincanas

Qualquer pessoa que já tenha viajado nas férias sabe que, não importa o quanto se organize, muito provavelmente algo não sairá como o planejado. E isso não é necessariamente ruim: imprevistos podem levar a surpresas agradáveis. Porém, o oposto também ocorre, quando cerramos os olhos, balançamos a cabeça e pensamos: “Por que não fiquei em casa?”

Felizmente, muitas vezes, essas histórias terminam com um final feliz. E a prova disso está nos relatos de hoje dos usuários do Incrível.club. Acompanhe!

1.

Certa vez, me inscrevi numa excursão pela cidade, e nos prometeram um ônibus confortável. Porém, como não havia muita gente, fomos colocados em uma minivan bem velha. Era verão e estava muito calor. Perguntamos se poderiam ligar o ar-condicionado, e o guia apenas apontou para duas janelas e disse: “Aqui está uma, e aqui, a outra”.

As outras janelas estavam cobertas com cortinas. Então, o guia falava sobre a história de uma área tal e disse para olharmos pela janela à esquerda e à direita. Puxei a cortina e, em vez de vidro, havia uma placa de madeira. © Slava Chechel / Facebook

2.

Fiz uma excursão de navio pela Turquia. Eu usava apenas trajes de banho e uma saia leve transparente. Nos buscaram no hotel e, na volta, nos deixaram no centro comercial da cidade. Tivemos de voltar de transporte público, vestidos dessa forma. © Lena Timoshenko / Facebook

3.

Esqueci de passar protetor solar, mas estava nublado e cinzento nas montanhas. Por isso, pensei que não haveria problema. Por fim, tive insolação e queimaduras pelo corpo. Passei o resto das férias vermelha como um tomate. © Elena Yakupova / Facebook

4.

Uma vez, nossa companhia aérea esqueceu de notificar sobre o cancelamento de um voo para Pequim. Seria a primeira cidade das nossas férias, em que passaríamos por três países. Descobrimos o cancelamento por acaso: no dia seguinte, ao verificar os horários dos voos no aeroporto, não encontramos o nosso. Quando perguntamos ao funcionário da companhia, a resposta apenas foi: “Desculpe, foi cancelado. O dinheiro será retornado. Parece que vocês não receberam o e-mail”.

No entanto, dentro de dois dias, pegaríamos outro voo de Pequim. Ligamos para a outra companhia aérea, que fazia conexão com Pequim. Nos ofereceram uma opção para daqui a três dias ou um voo, que sairia naquele exato momento. Foi a maior confusão pela qual já passei antes de viajar. Pelo menos, tivemos tempo de comprar a nova passagem, ir até ao outro aeroporto e pegar o voo. © Valeria Vasilieva / Facebook

5.

Quando eu era estudante, fizemos uma viagem à Georgia. A viagem foi longa e ainda teve um atraso por conta das condições climáticas desfavoráveis.

Chegamos à noite e estávamos esperando nossas bagagens. Todos estávamos com muita fome, ao ponto de desmaiar. E, então, um georgiano nos ouvir conversar e, ao que parece, entendeu o que queríamos. Ele abriu a mala, tirou dois pedaços enormes de queijo e nos ofereceu. Todo mundo comeu e, meu Deus, estava delicioso!

Em outra viagem, eu estava sentada em um café, relaxando. De repente, sinto alguém se aproximar das minhas costas, tirar o cabelo do meu rosto e, suavemente, me dar uma mordidinha na orelha. Logo depois, um beijo no pescoço. Me virei, surpresa, e vi um menino de uns 20 anos com os olhos arregalados, muito confuso. Ele era até bem bonitinho.

Eu tinha 50 anos na época. Ao lado, estava a namorada dele, que não parava de rir e que tinha o cabelo de mesma cor e comprimento que o meu. © Viktoria Sergeeva-Filippova / AdMe

6.

No aeroporto de Veneza, não estávamos conseguindo fazer o check-in: somos do Tajiquistão, e eles não pareciam saber como escrever nossos dados no sistema. Passou certo tempo, eles ainda estavam debatendo, quando um rapaz se aproximou de mim e começou a me dizer alguma coisa. Eu não o entendi, e ele repetiu. Então, pedi para ele falar em inglês, e meu marido soltou: “Mulher, ele já está falando em inglês”. © Nick Name / Facebook

7.

Chegamos ao aeroporto de Heraclião na Ilha de Creta. É pequeno, e vários voos juntos são processados na alfândega. No salão de saída da alfândega, os guias turísticos já estavam reunindo seus turistas. Então, nós saímos e não vimos o nosso. Procuramos, o salão foi esvaziando. Estávamos sozinhos com nossa filha em um país estrangeiro, não sabíamos o que fazer.

O que aconteceu foi que alguns turistas desatentos tomaram o nosso lugar sem querer e foram levados até o nosso hotel. O pessoal da empresa foi nos buscar após certo tempo, depois de esclarecerem a situação. Mas, durante todo esse tempo, ficamos sentados no aeroporto em choque. © Oksana Gortsueva / Facebook

8.

Minhas férias são sempre grandes aventuras. Nos Alpes, meu filho pequeno e eu subimos a montanha, da qual, basicamente, não sabíamos como descer.

Em Montenegro, montamos em cavalos, que não tinham sela e nós não tínhamos ideia de como andar. Também em Montenegro, em uma floresta, fiquei cara a cara com um touro preto gigante. Tanto eu quanto o touro gritamos de surpresa.

Em Andaluzia, jantei em um departamento de polícia, pois os policiais viram uma moça vermelha como um tomate na praia, a ponto de pegar insolação, e resolveram me levar para a sombra, me alimentar e me ajudar a chegar ao hotel.

Em Creta, uma cabra atrevida roubou meus pãezinhos. © Marina El Mapache / AdMe

9.

Quando eu era mais jovem, viajei para a Turquia. Chegamos ao meio-dia, mas o check-in do hotel era apenas às 14h. Decidimos ir à praia. Tirei o calçado e caminhei pela areia até o mar. Mas a areia estava tão quente, que logo notei a besteira que havia feito de andar descalço.

Corri para o mar, para resfriar os pés. Comecei a nadar, mas o mar estava agitado, e fui ficando preocupado, pois a água estava muito turva. Então, de repente, algum animal mordeu minha barriga. Saí correndo para a areia, me trouxeram chinelos, e decidi ficar parado um pouco só descansando para ignorar esse início de viagem desastroso.

Mas meus amigos quiseram jogar vôlei de praia e me chamaram. Eu não sabia que a bola era tão pesada e molhada e, no primeiro saque, quebrei o mindinho. Pensei que nada mais poderia piorar minha situação naquele momento. E, finalmente, era hora de ir ao hotel.

Mas foram duas horas embaixo de um sol escaldante, por isso fiquei bastante queimado. Por fim, passei as duas semanas restantes na sombra e na piscina do hotel, recuperando meus pezinhos queimados, o corpo, o dedo quebrado e o ego arruinado. © Diego Rodríguez / Facebook

10.

Nosso voo saía do Egito. Meu marido com nosso bebê no carrinho, e eu com as malas. Passei pelo controle do aeroporto, fui direto para a fila do check-in, e meu esposo precisou tirar o bebê para eles revistarem o carrinho. O funcionário segurou nossa criança no colo enquanto meu companheiro e o carrinho eram revistados. Bem, tudo deu certo, meu marido pegou o carrinho e foi me encontrar.

Então, nessa hora, um funcionário apareceu com um bebê no colo gritando: “Baby!” Primeiro, fiquei em choque, pensando em como alguém poderia ter esquecido um bebê. Depois, reconheci a roupinha e, só então, meu marido se tocou e disse: “Nosso bebê!” Ele ainda olhou para o carrinho algumas vezes, desacreditado que nosso filho não estava lá. Hoje, felizmente, lembro disso com um sorriso no rosto. © Tetyana Bovanenko / Facebook

11.

Fiquei hospedada em um apartamento no quinto andar em uma região praiana. Pendurei um lençol no varal da varanda para secar. Então, pouco tempo depois, olhei e ele havia desaparecido. Fiquei desesperada: o que fazer?! Eu estava com cada centavo contado. Olhei para baixo e vi o lençol jogado no meio da rua.

Desci as escadas correndo, contornei o prédio e me encontrei exatamente embaixo da minha varanda, mas o lençol não estava mais lá. Três minutos haviam passado! Já comecei a pensar no que teria de deixar de fazer para compensar o hotel pelo lençol perdido. Foi aí que descobri que minha vizinha do andar o viu cair da varanda e desceu para pegá-lo para que não fosse roubado. © Inga Tokmantseva / Facebook

12.

Viajamos para a Tanzânia e fizemos um safari por dois dias. Levei minha filha de 10 anos comigo. Quando fizemos o check-in no hotel, após o primeiro dia de safari, os funcionários ficaram com nossos passaportes para fazer o registro, e os receberíamos de volta mais tarde.

Então, o funcionário do hotel apareceu para me devolver nossos passaportes. Abri o primeiro, e era a foto de uma criança. Olhei para o nome — um menino! Disse: “Moço, isso não é meu”. Ele respondeu: “Verifique com atenção, só pode ser seu. Não temos outros passaportes”. O “verifique com atenção” dele me soou como uma piada e quase como uma ofensa ao mesmo tempo.

Ninguém do nosso grupo sabia quem era aquele menino e ninguém parecia ter perdido um passaporte. O que aconteceu foi que, na hora de comprar os bilhetes para o safari, houve uma confusão e nossos passaportes foram trocados. E nem eu, nem os pais do garoto, prestamos atenção ao recebê-los de volta. Depois descobrimos que o menino estava em outro hotel e, no dia seguinte, ambos os grupos se juntaram e pudemos trocar os documentos. Por sorte, percebemos na viagem, não no aeroporto! © Lada Ryasnova / Facebook

13.

Isto aconteceu com uns amigos. No fim dos anos 90, eles compraram uma excursão para passar o Ano-Novo na Tailândia. Eles chegaram ao aeroporto com antecedência, se sentaram num café e, então, calmamente, se dirigiram ao check-in. Nessa hora, a funcionária disse: “Desculpe, mas o voo de vocês já decolou”. Eles: “Haha, ainda faltam duas horas, como assim?” O problema foi que o voo deles estava marcado para o dia 28 de dezembro à 0h10, e eles chegaram ao aeroporto no dia 28 de dezembro às 21h. Eles ainda levaram um tempo para entender o que fizeram de errado. © Maya Afanasieva / Facebook

14.

Armênia. Viajamos quatro horas de carro para ter essa linda vista para o monastério de Tatev do teleférico. © Elena Priahina / Facebook

15.

Na Croácia, acabei esquecendo uma camiseta e um vestido na praia. No dia seguinte, voltamos ao local para buscar as roupas. Lá, encontramos uma senhora, que nos perguntou se estávamos procurando algo. Explicamos a situação. O que aconteceu foi que essa moça encontrou as roupas jogadas, levou-as para casa, lavou-as e as secou. Então, voltou para a praia às 8h da manhã para esperar os donos aparecerem. E foi assim que minhas roupas tiraram férias em uma casa croata. © Marina Vorotyntseva / Facebook

16.

Certa vez, viajei para a Turquia. Mas o plano logo foi por água abaixo: meu quarto, com vista para o mar, não estava disponível, por isso me ofereceram um quarto comum no primeiro dia e, depois, me mudariam para o outro. Chateada, entrei no quarto simples e não gostei de nada: a cama era desconfortável, a vista era horrorosa, e o ar-condicionado não funcionava. Apertei todos os botões — em vão. Eu já estava chorando de tanta raiva. Então, fui à varanda, enxugando as lágrimas do rosto, e vi uma mensagem deixada no vidro: “Se quiser ligar o ar-condicionado, feche a porta da varanda”. E era isso mesmo, deu certo. © Elena Abramova / Facebook

17.

Estávamos de férias e decidimos comprar uma excursão “Passeio de barco + tempo para nadar em mar aberto + pesca no mar”. Eu e minha amiga estávamos com looks bem leves e praianos: roupas de banho, cangas, saias. Afinal, o passeio seria num barco e nadaríamos depois. Bem, chegamos à doca, e o barco era uma espécie de canoa longa com uns 20 homens-pescadores, usando botas de borracha e todos com equipamentos de pesca.

O que aconteceu foi que essa “excursão” era mais para pescar peixes, mesmo. Acabamos não nadando no mar, pois surgiu uma tempestade. Passamos as primeiras duas horas morrendo de frio. Depois, o chinelo da minha amiga caiu na água e ela ficou descalça.

Era a primeira vez que eu segurava uma vara de pesca nas mãos. E vocês podem não acreditar, mas nós duas estávamos pegando peixe atrás de peixe, e os pescadores profissionais não pegavam nada. Foi bem diferente do esperado, mas pelo menos voltamos de lá com o balde cheio e com um ótimo humor. © Veronica Iangurazova / Facebook

Você tem uma história sobre como suas férias se transformaram em uma aventura inesperada? Comente! Estamos curiosos para saber!

Compartilhar este artigo