Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

18 Histórias dos leitores do Incrível cujos filhos deram a entender que “não teriam piedade”

Muitos casais se esforçam para se preparar de antemão para o nascimento de um filho: leem livros sobre parentalidade, consultam amigos que já têm filhos e pesquisam blogs. Mas tudo isso dá apenas uma pequena ideia do que pode surgir na criação de crianças, porque mesmo aquelas que mal aprenderam a andar e falar habilmente encontram novas maneiras de testar a paciência dos adultos.

Nós, do Incrível.club, admiramos os “nervos de aço” e a sinceridade de nossos leitores, e reunimos histórias sobre as traquinagens de seus filhos, e também, sobre suas próprias travessuras da infância.

  • Minha filha tinha 2 anos quando decidiu tentar desenhar. Ela pegou um marcador verde grosso e percorreu todo o apartamento: espelho, paredes, portas e... um guarda-roupas aberto com camisas brancas penduradas. © Яна Юракова / Facebook

  • Quando estou em casa ou na rua, geralmente, uso calças ou jeans. Uma vez, levei meu filho para meu trabalho, onde costumo vestir saias. Meu filho de 5 anos ficou me olhando por um tempo e disse: “Nossa, mamãe! Você é uma garota!” © Inga Urgant / Facebook

  • Eu estava em casa sozinha com meu filho de 2 anos. Não me sentia bem, então me deitei e acabei cochilando. Acordei depois de meia hora, e meu primeiro pensamento foi: “Bom garoto! Não fez barulho, deixou a mamãe dormir!” Logo que olhei para ele, quase desmaiei quando vi seu rosto vermelho com manchas verde-azuladas. O “bom garoto” pegou a minha maquiagem e usou todos os tons de batom e sombra. © Elena Bogatyrenko / Facebook
  • Decidimos comprar novos móveis estofados para a sala de estar. Escolhemos um conjunto na cor bege. Minha filha (3 anos) participou ativamente na compra. Perguntei se não iria rasgar o estofado, pois ela despedaçou o estofamento dos móveis anteriores. Ela jurou que não iria fazer isso de novo. No final, compramos um conjunto de couro natural na cor bege por 18 mil reais. No dia seguinte, minha filha escreveu na parte de trás do sofá com um marcador grosso preto: “MÃE”. Quando comecei a repreendê-la, ela respondeu: “Mãe, mas eu não rasguei!”. Lembro o quanto esfreguei para limpar, usando todo tipo de detergente. E minha filha me ajudou. Ela já está com 15 anos, e ainda se lembra desse incidente. © Ольга Пушкина / Facebook

  • Meu irmão e eu raspamos a superfície de madeira escura e polida de uma mesa. Eu suspeitei que a mamãe não iria gostar do novo design, e não estava enganada. Outra vez, decidimos fazer uma coleção de selos. Os “selos”, na realidade, eram imagens de uma enciclopédia. Nós recortarmos e colamos em um caderno. Novamente, a mamãe não aprovou. © Mylla Yanovska / Facebook

  • Minha irmã mais nova, de cerca de 6 anos de idade, fez uma coleção de roupas para suas bonecas. O material, ela cortava da parte de baixo dos vestidos da minha mãe; de todos que estavam no armário. Eu tinha 11 anos, e levei uma bronca por não tomar conta da minha irmã. © Елена Шрубщик / Facebook

  • Minha sogra me pediu para abrir um pote de mostarda caseira, pois estava sem forças. Tentei abri-lo de todas as maneiras, até embrulhei a tampa com uma toalha — não abria de jeito nenhum. Então, decidi prender entre os joelhos e comecei a girar a tampa intensamente. Nossa filha (3 anos) observou as minhas tentativas e depois falou: “Pai, parece que você vai fazer o número 2”. Quase deixei cair o pote de tanto rir! Minha mulher e minha sogra deram boas gargalhadas. © Алексей Осипов / Facebook

  • Lembro como, na minha infância, todas as toalhas de mesa, os cobertores e as cortinas de casa tinham franjas. Um dia, enquanto minha mãe preparava a comida na cozinha, eu cortei as franjas e fiz uma “salada” em uma caixa. Mamãe ficou chateada, mas não me deu bronca. Agora adoro cozinhar. © Алёна Сокол / Facebook

  • Quando tinha 7 anos, fazia aula de costura de pelúcias. Enquanto meus pais não estavam em casa, preparei uma surpresa para o aniversário da minha mãe — um enorme cachorro de pelúcia. Mamãe ficou encantada até perceber que foi feito com o material do seu casaco. © Natalya Nikolskaya / Facebook

  • Meu filho decidiu fazer uma passagem na parede do seu quarto para o quarto das irmãs. Ele se sentou atrás da porta e, silenciosamente, tentou perfurar a parede com uma tachinha para quadros de cortiça. Não deu muito certo, e depois de um tempo, resolveu disfarçar o buraco com um desenho do espaço. Decorou o melhor que pôde. © Анна Владимировна Андреева / Facebook

  • Enquanto nossa mãe trabalhava, minha irmã e eu costumávamos colocar seus vestidos e sapatos de salto alto, e ficar na varanda (morávamos no primeiro andar) fazendo um “desfile de moda” na frente das crianças da vizinhança. Também me lembro de quando ficamos na casa dos nossos avós, e jogamos pela janela os tomates que ficavam no peitoril para amadurecer, porque não gostávamos do cheiro. Uma vez, tentamos encontrar uma geleia no armário, e abrimos todas as latas porque não tinham rótulos. E quando, mais uma vez, abrimos a lata errada (cerca de 8 latas já haviam sido abertas), desapontadas, fizemos catapultas de colheres para lançar o que estava dentro. Que horror. Minha filha não é assim, ela é sensata. © Галина Фадеева / Facebook

  • Na semana passada, meu filho e eu fomos fazer uma caminhada na praia. Como não estava muito calor, não planejamos mergulhar, mas meu filho (8 anos) mudou de ideia e decidiu nadar. Não levamos toalhas conosco, então o limpei com uma camiseta e o cobri com meu suéter oversize branco. Ele ficou de pé, vestido com um suéter enorme branco, olhando para o mar, e de repente disse: “Pareço um deus...” © Mika Khassenova / Facebook

  • Comprei uma garrafa de óleo de cinco litros e levei para casa. Enquanto estava no quarto, percebi que estava estranhamente silencioso em casa. Fui para a sala de estar e encontrei minha filha ocupada com uma atividade empolgante: ela estava batendo as mãos em uma poça de óleo no tapete. O mais surpreendente é que ela conseguiu carregar a garrafa pela casa inteira, espalhando óleo por toda a superfície do chão. Primeiro tentamos lavar os tapetes, depois os jogamos fora. Por mais de um mês, o chão continuou brilhante e gorduroso, pois era impossível limpar o óleo por completo. © Екатерина Маслова / Facebook

Que travessuras você fazia quando era criança para testar a paciência dos seus pais? E seus filhos, o que têm aprontado ultimamente? Compartilhe com a gente.

Compartilhar este artigo