17 Pessoas que só queriam doar suas coisas antigas, mas acabaram surpreendidas pelas dificuldades enfrentadas

Para maioria de nós é mais fácil jogar coisas velhas fora do que se preocupar com sua venda. Mas existem aqueles que preferem doar algo que já não precisam, na esperança de que possa servir a outras pessoas. No entanto, ajudar os outros nem sempre é tão fácil, às vezes você mesmo precisa correr atrás dos “interessados”, ou até pagar algum dinheiro extra.

Nós, do Incrível.club, reunimos relatos de internautas que agora sabem: fazer o bem não é para os fracos. E se você está pensando em doar algo ou fazer um favor a alguém, é melhor estar pronto para enfrentar algumas dificuldades.

  • Recentemente, meu marido decidiu se livrar de sua antiga bicicleta. Estava em bom estado, apenas velha e precisava de novos freios. Ligamos para uma instituição de caridade local, mas nos disseram que só aceitariam as totalmente reformadas em uma oficina profissional. Em suma, deram a entender esperarem receber bicicletas recém-compradas, e não as usadas. Por isso, a deixamos na estação de trens sem cadeado e com uma placa “Leve quem quiser”. No dia seguinte não estava mais lá. © Lisa M Byers / Quora
  • Estava me livrando das coisas velhas e decidi doar algumas xícaras, pratos e uma caneca. Um cara me escreveu dizendo precisar muito do último item. Ok, eu disse que poderia vir buscar, ele morava na casa ao lado. E começou! Primeiro, escreveu um monte de besteira, que a gente se conhecia e eu tinha de levar a caneca à sua casa, porque ele não podia sair, estava assistindo a um jogo de futebol. Depois começou a me paquerar, mandar fotos. No começo escrevi que não estava interessada, mas depois parei de responder. © ChessnutGuard / AdMe
  • Há um mês, decidimos doar o piano muito antigo. Escrevi um anúncio, informando a doação do instrumento, mas quem quisesse, precisava vir buscá-lo. Recebi cerca de mil mensagens. Todos exigiam uma foto, embora no anúncio houvesse uma, e alguns pediram que eu tocasse para ouvirem o som. Nossa, deu tanto trabalho... Um mês depois, uns rapazes chegaram e o levaram sem fazer perguntas. Obviamente não era para eles, mas para revenda. De qualquer forma, foi uma alegria para mim.
    © Alexandra Klein / Facebook
  • Tentamos nos livrar do nosso sofá e encontramos pessoas interessadas. Só que elas queriam que nós o levássemos à sua casa. Depois disso, o jogamos fora. © Peggy McHugh / Quora
  • Decidimos doar o nosso carrinho de bebê nas redes sociais. No total, 112 pessoas me escreveram. Respondi à primeira interessada que ela podia levar. Mas continuei recebendo mensagens. Teve até quem se ofereceu para comprar “pelo valor que eu pedisse”. Depois, aconteceu algo que me fez chorar. Me enviaram cinco fotos de barrigas de grávidas, 10 de bebês recém-nascidos e mil histórias de famílias numerosas e mães solo. © kadlk / Pikabu
  • Tentei encontrar um novo lar para os meus livros antigos. A maioria estava em ótimas condições. Liguei para bibliotecas, escolas. Todas recusaram, exceto uma instituição de caridade, cujos funcionários me disseram que levasse os livros para decidirem se poderiam aceitá-los ou não. Avisaram que aceitam poucos e que eu provavelmente voltaria para casa com a maioria deles, ou mesmo com todos. Ninguém me perguntou quais livros eu tinha. Então, todos acabaram na lata de lixo. Triste, mas é a realidade. © Mickie Southam / Quora
  • Queria doar roupas usadas, mas as coisas que tive de ouvir: “Traga para minha casa, tenho um filho pequeno”; “Ah, as roupas são de segunda mão?”; “Qual é a marca? Você não escreveu”. Como resultado, demorei quatro meses para conseguir doá-las, já queria jogar fora, até que uma senhora levou tudo. Também tentei doar um ferro de passar com uma parte quebrada devido a uma queda, mas ele esquentava perfeitamente e as outras funções também estavam em ordem. Então, seria fácil consertá-lo, mas todos tentaram me convencer de que eu mesma deveria fazê-lo e só depois doar. © Natalia Korstin / Facebook
  • Certa ocasião, decidi doar uma estante, porém queria que viessem buscá-la. O anúncio dizia claramente ser de segunda mão, tinha uma foto, etc. Uma senhora me ligou e pediu muito para não doar a ninguém e retirar o anúncio do site. Quando veio pegar a doação, depois de um tempo, abriu todas as portas, encontrou um arranhão em algum lugar e disse: “Não vou levar não. Está arranhada”. © Mustikas / Pikabu
  • Minha vizinha parecia solitária e quase não saía de seu apartamento. Sempre que eu a via, dizia olá e tentava iniciar uma conversa. Inclusive várias vezes pedi comida no restaurante para ela, que sempre respondia rapidamente: “Obrigada” — e imediatamente fechava a porta, como se pegasse comida de um entregador de um serviço de delivery© unknown author/ Quora
  • Estava doando um vestido novo, e a potencial nova dona me pediu para enviá-lo às minhas próprias custas. Argumento: o vestido é grátis, então por que deveria haver uma taxa pela entrega? © Adelya Bikulova / Facebook
  • Certa vez, decidi doar uma velha geladeira. Uma mulher me ligou, exigindo que eu levasse a doação até o outro lado da cidade. Em seguida, outro telefonema: tentavam descobrir se a geladeira funcionava e não era roubada. Também me ameaçaram com um parente no Serviço Federal de Segurança. Desisti da ideia e coloquei à venda em um site por 30 reais. No dia seguinte, uns rapazes a compraram, me disseram serem operários e que a colocariam no seu trailer. © MOHTuPOBKA / Pikabu
  • Semana passada, um homem sem-teto se aproximou de mim e elogiou o meu casaco. Agradeci e estava prestes a ir embora, mas ele me seguiu, tentando puxar conversa. Então, perguntei se ele precisava de um emprego, ele respondeu: “Claro, realmente preciso de um”. Tirei meu cartão de visita, lhe entreguei e disse que viesse ao meu escritório no dia seguinte. Ele pegou o cartão e imediatamente me perguntou se eu poderia lhe emprestar algum dinheiro. Respondi que não tinha, mas definitivamente poderia lhe arranjar um emprego. O homem nunca apareceu, nem ao menos me ligou. © Lakshay Behl / Quora
  • Estava doando minha antiga geladeira. Uns homens chegaram, me enrolaram por muito tempo e ligaram para alguém. Depois, tiraram a geladeira e a colocaram no hall do prédio, ao lado da porta da entrada. Aparentemente, eles queriam vendê-la, mas algo parece não ter dado certo. Então, a geladeira ficou ali, pobrezinha, por três dias. Foi meio constrangedor perante os vizinhos. No final, acabei ligando para uma empresa de consertos, eles vieram e a levaram. © Dedee / AdMe
  • Trabalho em uma empresa de consertos de eletrônicos e decidi doar um laptop antigo. Imediatamente encontrei um interessado: ele veio, olhou e levou. Disse que daria para as crianças. Um mês depois, ele voltou reclamando do plug do carregador e também do computador ficar lento ao acessar a Internet. Expliquei que não podia fazer nada quanto à velocidade, mas que ele poderia comprar um plug novo para o carregador por 20 reais. Cliente: “O quê?! Vinte reais? Se o próprio laptop não custa tanto! ” Eu disse: “Claro que não custa, foi por isso que doei.” Ele: “E a garantia? Vocês nem me deram um documento, seus golpistas!” © bznsk / Pikabu
  • Coloquei um anúncio em um site de coisas de graça. Queria doar um dispensador de purificador de ar automático. Coloquei uma fotografia e também a descrição. Uma mulher me escreveu perguntando onde e quando poderia buscá-lo. Quando nos encontramos, sua pergunta me deixou sem palavras: “O que é isso e como se usa?” É incrível como algumas pessoas são gananciosas por coisas de graça! Nem sabem o que estão levando e se realmente precisam, o principal é pegar, porque é grátis! © Palata № 6 / VK
  • Alguns anos atrás, no parquinho, uma mãe pediu coisas para sua filha, pois tinha quatro meninos e estava sem dinheiro para comprar roupas para menina mais nova. As pessoas da vizinhança lhe trouxeram cinco sacos de roupas, e ela começou a separá-las. E não por tamanho, mas por marca: “Oh, eu fico com a Gap.” O que ela não levou ficou no parquinho. Já não respondo mais a esses pedidos. © Maria Schall / Facebook
  • Temos um programa de doações, graças ao qual crianças recebem mochilas com material escolar. Recentemente, várias centenas de mochilas foram distribuídas. E sabe quem veio buscá-las? Pessoas que realmente precisam de ajuda, assim como famílias ricas. Moral da história? Todo mundo gosta de coisas de graça, mesmo as pessoas com recursos: elas não se importam em usar programas de caridade desenvolvidos para ajudar os necessitados. © Victoria Duvall / Quora

Você já tentou doar coisas que não precisava mais? Conte-nos como foi a experiência nos comentários.

Imagem de capa kadlk / Pikabu
Compartilhar este artigo