Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

16 Histórias sobre apartamentos alugados que para muitos são simplesmente inacreditáveis

Nem todos têm a sorte de ter a casa própria. Muitos precisam procurar em centenas de anúncios para encontrar o lar perfeito. Mas depois de conseguir alugar um apartamento, pode ainda ser necessário ter de se acostumar com equipamentos desconhecidos e lidar com os vizinhos, que nem sempre gostam de inquilinos novos. E não podemos nos esquecer, claro, da relação entre os moradores e os próprios proprietários, que é uma história a parte.

Muitos dos nossos autores no Incrível.club também tiveram de passar pelo mesmo processo. Portanto, sabemos que muitas das histórias da nossa lista de hoje não são ficção, mas sim a pura verdade. Acompanhe!

Cadê o Daniel?

Meu marido, Márcio, aluga o apartamento dele por dia. Uma vez, depois de um morador sair, ele foi lá limpar o local e ficou surpreso: “Assim que entrei, vi uma aranha gigante na parede da entrada. Era bem bonita e colorida. Primeiro, fiquei perdido e não sabia o que fazer. Depois, no entanto, fiz o que muitos fariam: peguei meu chinelo e botei ela para fora”.

Depois de alguns dias, quando meu marido voltou ao prédio, o menino do apartamento ao lado o chamou e perguntou:

— Márcio, você não viu o Daniel por aí?

— Quem?

— Daniel, nossa tarântula.

Foi então que ele descobriu que esse menino colecionava tarântulas de estimação em casa — e dava a elas nomes de pessoas. Os pais confirmaram que muitos desses animais fugiram e eles estavam tentando encontrá-los. Apenas um não foi encontrado: o tal do Daniel.

Meu marido, claro, confessou que matou o pobre bichinho. Desculpe, Daniel! Não foi nada pessoal!

© LadaTeplova / pikabu

Cada apartamento é uma nova descoberta

Mais cedo ou mais tarde qualquer residência alugada se torna para mim escura, apertada, velha e entediante. Tentei evitar esses pensamentos por muito tempo, mas está na hora de admitir: gosto muito de me mudar.

Já morei em mais de 14 apartamentos diferentes durante toda minha vida. Aparentemente, já me acostumei à constante mudança de ambiente e agora sinto prazer nisso. Empacotar e desempacotar caixas com diversas coisas o tempo todo seria um pesadelo para muitos. Mas não para mim. © keshka002 / instagram

A surpresa embaixo do sofá

Trabalho como corretor de imóveis. Ontem, a pedido de uma cliente, me encarreguei de avaliar o apartamento dela após a saída de uns inquilinos — um casal muito simpático sem filhos ou animais. Eles alugaram o apartamento, que estava novinho em folha, por apenas um ano. Mandaram as fotos do local para mostrar que estava tudo arrumado e limpo, como o encontraram. Peguei as chaves com eles e fui ao prédio para avaliar o estado em primeira mão.

Quando entrei, eis o que vi. O sofá estava desmontado, mas não era por acaso. Movi o móvel e isto foi o que vi no chão.

Havia um pedaço da madeira que parecia ter sido colado. Foi isso mesmo, eles colaram algum material por cima de um buraco. Pontos para os inquilinos. Não sei como conseguiram fazer uma fenda no chão, mas devo dizer que o trabalho deles não foi dos piores. © Записки риелтора / zen.yandex

Apartamento ou caixa de Pandora?

Ontem precisei fazer a leitura dos indicadores de eletricidade e água, que ficavam escondidos numa portinha trancada na parede do banheiro. Havia apenas o desenho de um golfinho por cima e nenhuma maçaneta para abri-la. Por medo de quebrá-la, não forcei. O golfinho “ficou feliz”, mas o proprietário ainda estava esperando os dados para calcular os valores.

Todo apartamento tem suas manhas, mas o lugar onde eu moro é uma verdadeira caixa de Pandora. Depois, descobri que era preciso colocar a chave na fechadura em uma posição específica e que era melhor não encostar em um interruptor, caso contrário, depois não iria conseguir ligar a água do chuveiro. Já havia encostado e realmente não conseguia mais ligar a água. Quem me ajudou foi a mulher do proprietário. Ela apareceu com um molho enorme de chaves, fez um “trinque” e, voilà, a portinha abriu e a água voltou. Respirei aliviada. © oxanaperminova / instagram

A vida não é feng shui

Tenho um amigo chamado Valter. A esposa dele disse que, até então, eles não tiveram sorte com os apartamentos que alugaram anteriormente, pois nada seguia o tal do “feng shui”. Ou a porta não estava no lugar correto ou a cor da parede não combinava com o chão ou os móveis não tinham o formato desejado.

De qualquer forma, eles compraram um apartamento novo e decidiram fazer tudo de acordo com os ensinamentos milenares chineses. Adquiriram uma bússola especial e estudaram a estrutura do local minuciosamente: posicionamento ideal dos móveis, dos quadros, da iluminação. Ontem, porém, encontrei o Valter e ele estava deprimido. Perguntei o que tinha acontecido. Ele disse que a bússola estava desregulada. E, por isso, estavam agora sem esperança e com pouco dinheiro.

Precisei dizer que o problema se devia, na verdade, aos meses de obras intermináveis tentando deixar tudo “perfeito” demais, sem contar a hipoteca que estavam pagando. Bom, claramente não posso servir de ombro amigo. © torbova / pikabu

Realidade nua e crua

Como alugar um apartamento gastando pouco

Nossa empresa mudou de endereço e nosso chefe disse: “Encontrem um apartamento perto do escritório”. Eles arcariam com os custos. Achei um “apê” ótimo de dois quartos e acertei o valor com o proprietário. Eles até me ofereceram um bom desconto. Informei ao chefe e ele disse que iria ao local para acordar os valores por conta própria. Quem sou eu para negar, né? Ele apareceu num carrão, vestido com o terno mais luxuoso e um relógio que devia custar mais do que o meu salário.

O proprietário o observou, conversou com ele um pouco e disse: “3 mil reais por mês!” O chefe concordou. O único detalhe: haviam me oferecido por 2,5 mil. © Jermontaz / pikabu

Melhor inquilino

Namorava uma garota no final dos anos 90. Ela ganhou um apartamento de herança da avó e decidiu alugá-lo. Primeiro telefonema: “Estou interessado no apartamento, posso ver?”

Quando chegamos ao local, havia uma Mercedes (luxuosa para a época) parada na entrada do prédio. Saiu um homem muito bem vestido e nos cumprimentou: “Então, vamos?” Entramos e mostramos o apartamento. Ele, então, disse: “Olha, não vou morar aqui. Preciso de um lugar apenas para algumas reuniões, das quais ninguém deve saber. E pagarei um ano adiantado”.

Ele alugou o apartamento por uns cinco anos. Fomos algumas vezes visitar o local e sempre estava vazio e muito limpo e arrumado. Aparentemente, ele contratava alguém para limpar, pois não encontrávamos nenhuma poeira. Esse deve ser o inquilino dos sonhos de qualquer pessoa. © FinnG / pikabu

“Primeira vez que vejo isto em um apartamento. É muito incomum, mas até que gostei”

Detector na tampa do vaso sanitário

Uns amigos alugaram o apartamento de um senhor que trabalhava no correio e era responsável por encomendas de objetos e itens valiosos. Em tais pacotes colocavam-se adesivos especiais, indicando que durante o transporte não houve batidas ou qualquer dano. Aparentemente, o senhor tinha acesso ilimitado a tais etiquetas e não havia nenhum problema de pegar algumas para si.

Ele, então, colou esses adesivos por todo o próprio apartamento: nas portas, na máquina de lavar roupa, na televisão e... peço para não rir, na tampa do vaso sanitário. Se algum adesivo fosse descolado, ele pediria a compensação financeira pelos danos materiais ao bem, mesmo que estivesse em boas condições.

Meus amigos saíram do apartamento normalmente, mas não deu outra: precisaram comprar uma tampa nova para o vaso sanitário. © volchek1024 / pikabu

Vasta experiência de vida aos 25 anos

Depois de nos casarmos, nos mudamos para um apartamento alugado e convidamos alguns amigos — dois casais também recém-casados — para ajudar com a mudança improvisada. Laura e Max (LM) e Maria e Gustavo (MG). Depois de terminarmos, começamos a conversar sobre imóveis.

MG: “Ah, sim, alugar apartamentos assim é terrível. Temos também um ’apê’ de dois quartos pequeno, mas, pelos menos, não é alugado. Aconselho a vocês considerarem uma hipoteca”.

Eu: “E onde encontraram?”

MG: “Meus pais nos deram de presente de casamento”.

LM: “Vocês precisam pensar em fazer obras desde já. Terminamos as nossas um mês antes de nos mudarmos. Basta planejar”.

Eu: “Nossa, mas é preciso bastante dinheiro para isso. Vocês pegaram empréstimo ou não gastaram muito com o casamento?”

LM: “Não, nossos pais se ofereceram para pagar”.

Gente, “experiência pessoal” ou “papai deu de presente” não serve como justificativa, tá? © VASHASOVA / pikabu

Apartamento mágico

Inquilinos complicados

Aluguei um dos meus apartamentos para uma família e viajei a trabalho. Pouco tempo depois, começaram as ligações: há vazamento aqui, venta ali, a lâmpada não funciona, o gás está com defeito. Quando verifiquei antes, não havia nenhum problema, por isso achei estranho.

Quando voltei de viagem, pedi para me mostrarem o que havia de errado, mas disseram que já estava tudo bem. O único porém: eles gastaram 1.400 reais com obras para resolver os tais “problemas”. O mais surpreendente? O preço do aluguel era 1.000 reais!

Pedi para ver os detalhes dos trabalhos realizados, mas não puderam me mostrar. Bom, resolvi me despedir deles e dei um prazo para saírem. Eles resolveram me processar para que eu pagasse por essas obras, mas perderam. © al56.81 / pikabu

“Encontrei na lista de apartamentos para alugar do meu bairro um anúncio muito original”

Todos têm aquilo que merecem

Estava sentada na varanda conversando com meu marido quando escutamos umas vozes da varanda ao lado: “Vão conversar ainda por muito tempo? Vou ligar para a proprietária de vocês, hein!” Honestamente, fiquei sem reação. Pagamos por um apartamento, onde não podemos andar, conversar ou abrir a porta.

Depois de um dia, a proprietária chegou e fomos conversar com os vizinhos. Eu disse que estava planejando pegar uma hipoteca com meu marido e, se não nos deixassem em paz, compraríamos aquele apartamento. Depois que tivesse os direitos absolutos sobre o imóvel, teria uma cambada de crianças, adotaria mais um cachorro (talvez dois) e também compraria um piano, pois sempre foi o meu sonho aprender a tocar.

E adivinhem só? Funcionou! Já passou uma semana e ninguém veio nos perturbar ou reclamar de nada. © qreativnay / pikabu

Criatividade é tudo

Queremos saber de você, já esteve em situações similares com inquilinos ou proprietários? Compartilhe suas experiências!