12 Características italianas que são distintas no Brasil e podem nos deixar de queixo caído

Como diz o ditado “quando em Roma, faça como os romanos”, a maneira mais rápida de se entender uma cultura é viver como os habitantes locais dela ou estudar sobre seus hábitos, pois como em qualquer lugar do mundo, a Itália também possui suas próprias características, costumes e tradições que a tornam curiosa, singular e diferente aos olhos dos brasileiros, ou dos turistas, de um modo geral.

Para melhor demonstrar as particularidades da cultura italiana, nós, do Incrível.club, fizemos uma lista com 12 curiosidades e diferenças culturais entre o Brasil e a Itália, de maneira a desvendar algumas singularidades e explicar as impressões gerais deste país localizado a sul da Europa. Confira!

1. Não há assentos e filas preferenciais para idosos

Na Itália em geral, os assentos preferenciais, quando existem, são muito respeitados. Uma questão que pode causar certa estranheza para os brasileiros é que na Itália os assentos e filas preferenciais são destinados a grávidas e pessoas com alguma deficiência física. Ou seja, é muito comum ver idosos em transportes públicos viajando de pé ou esperando em filas extensas nos mercados.

Um motivo que talvez possa explicar esse comportamento é a alta expectativa de vida dos italianos. Por lá, a população idosa é bem ativa. Muitos andam de bicicleta e ainda dirigem. Por fim, no caso dos transportes públicos, cabe o bom senso da pessoa que está a ocupar o lugar preferencial em dar vez ao idoso — algo que no Brasil é bastante comum, certo?

2. Não comem alimentos salgados no café da manhã

A “refeição mais importante do dia” dos italianos é doce e leve. Ao contrário do Brasil, na Itália não se come nada salgado. Um cornetto (brioche) com geleia, juntamente com um expresso ou um cappuccino, torna-se a alegria de muitos italianos que adoram tomar o café da manhã na sua pastelaria preferida ou na cafetaria mesmo à porta do escritório.

3. Água potável nas torneiras e fontes

Água potável gratuita é um direito humano na maioria dos países desenvolvidos, e a Itália não é exceção. Graças às montanhas, a água potável é abundante e relativamente disponível por todo o território nacional. Uma alternativa à engarrafada provém de fontes públicas que podem ser encontradas em todas as cidades e vilas.

Essa água é potável, pois é controlada periodicamente, e fica prontamente disponível em torneiras e bebedouros, como em Roma, por exemplo. No entanto, algumas áreas rurais da Itália podem ter água que não é segura para beber. Se houver um sinal dizendo “acqua non potabile”, significa que ela não é segura para ser ingerida. Que organização, hein? No Brasil, contudo, contamos com o melhor sistema de purificação de água do mundo, o filtro de barro, tipicamente tupiniquim: clássico!

4. Fitas nos nascimentos e casamentos

Os italianos sabem como ninguém anunciar os nascimentos e casamentos: eles usam enfeites de fitas para contar a novidade. Quando nasce um bebê, normalmente, o adorno é colocado na porta da casa com o nome da criança. O mais simples inclui um par de fitas grandes — rosa ou azul — amarradas em um enorme laço.

Mas a fofura não para por aqui. Enquanto no Brasil, nos casamentos, depois da cerimônia, jogamos arroz nos recém-casados, em algumas regiões da Itália, os noivos cortam um tronco em dois com uma serra de cabo duplo. Isso simboliza a parceria do casal. Outra boa tradição é amarrar uma fita na frente da igreja. Ela representa a noiva e o noivo “dando o nó”.

5. Patrimônio da Humanidade

A Itália é o país com mais locais que são declarados patrimônios da humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), com 58 locais — já o Brasil possui 23 locais.

Esse reconhecimento inclui os centros históricos de Roma, Nápoles, Florença, Veneza e sua lagoa, bem como áreas arqueológicas como as ruínas de Pompeia e Herculano e a cênica Costa Amalfitana. Em uma entrevista, a diretora de Marketing e Promoção da Agência Nacional Italiana do Turismo (Enit), Maria Elena Rossi, explica que “o fato de 60% [dos locais] serem acessíveis por trens regionais faz ainda com que o turismo slow seja apreciado e valorizado. Os sítios estão distribuídos por todo o território nacional, e é inegável o potencial de crescimento para cada região.”

6. Falam através de gestos

Esse é um hábito muito retratado, às vezes de forma exagerada, em filmes ou seriados com personagens italianos. A verdade é que os italianos realmente usam os gestos para complementar suas opiniões e ideias. Porém, essa gesticulação pode variar dependendo de qual parte da Itália você está visitando. Enquanto estiver no país, não se assuste se notar pessoas acenando com as mãos e trocando vigorosos gestos enquanto falam umas com as outras, pois estes são apenas exemplos da comunicação não verbal italiana clássica.

Por exemplo, nessas duas cenas acima que escolhemos, retiradas do filme Comer, Rezar, Amar, as duas mulheres estão fazendo referência a dois gestos muito comuns entre os italianos. No primeiro caso, você pode usá-lo depois de comer uma ótima refeição, já no segundo, quando pretende dizer que está chateado com alguém e, por isso, essa pessoa pode estar “em apuros”. No Brasil, um dos gestos mais famosos para os estrangeiros, no entanto, é o costume que temos de abraçar em diversas ocasiões.

7. Não existem ralos numa casa italiana

No Brasil, jogar baldes de água para limpar a casa é uma prática quase obrigatória (quem nunca?). Já na Itália é impensável fazer isso, pois não existem ralos numa residência italiana, a não ser nas pias, bidês e banheiras. Então, se você está pensando em se mudar para alguma cidade italiana e não quer inundar sua casa, não arrisque lavar o banheiro da mesma forma como fazia no Brasil.

Outra disparidade, mesmo que não exorbitante, mas interessante de pontuar, é que quase todos os banheiros italianos são equipados com o vaso sanitário comum e ao lado, um bidê. Essa combinação chegou a ser bastante usada no Brasil, por volta dos anos 80, mas a moda passou rápido e agora essas peças combinadas são raramente encontradas nos sanitários brasileiros atuais.

8. São seletivos com amizades

Os brasileiros costumam e gostam de fazer amizades facilmente. Em qualquer ponto do mundo, somos conhecidos por sermos muito “abertos”. Por sua vez, os italianos são mais criteriosos quando o assunto se trata de amizade.

Na Itália, amizades não são brincadeira. Quando duas pessoas são amigas, elas se esforçam muito seriamente para manter contato, não importa a distância. Portanto, se fizer um amigo por lá, saiba que será para sempre.

9. O escorredor de louça fica dentro do armário

No Brasil, há cozinhas projetadas com o escorredor de louças dentro do armário, mas ainda assim usamos esse acessório da forma mais tradicional possível (como demonstrado na imagem acima).

O que pra gente ainda é uma novidade, para os italianos é praticamente uma regra. A ideia é bastante simples. Depois de lavar os pratos e as canecas, potes e panelas, você os enxagua rapidamente e os coloca no armário, onde podem pingar diretamente sobre a pia.

10. A identificação nos interfones é feita com o sobrenome do morador

No Brasil, usa-se apenas os números para identificar as casas. Na Itália, na identificação dos interfones ou das campainhas dos prédios não se vê o número do apartamento e sim, normalmente, sobrenome + nome ou, simplesmente, só o sobrenome do morador. Os funcionários dos correios, os entregadores de pizza ou até mesmo as visitas vão se orientar pelo sobrenome que estiver ali.

11. O “riposo” italiano

A famosa sesta italiana compreende um período de 3 a 4 horas em que as lojas fecham todos os dias na hora do almoço para que as pessoas descansem um pouco. Os estabelecimentos reabrem só à tarde.

Digamos, então, que se você é dono de uma loja possivelmente abrirá as portas por volta das 9h até 12h30. Vai para casa, cozinha, come, descansa um pouco e volta ao trabalho por volta das 15h30, e finalmente fecha o dia aproximadamente às 19h. No Brasil, nós não temos esse costume, certo?! É comum que tenhamos até, no máximo, uma hora de descanso para o almoço, ou um pouco mais.

12. A salada é o último prato de uma típica refeição italiana

Uma última curiosidade que pode surpreender os brasileiros, é que a estrutura de refeição mais tradicional italiana consiste em muitos pratos, com a salada por último. Ao contrário do Brasil, onde ela geralmente é consumida em simultâneo com a refeição principal.

Mas existe uma explicação viável para esse hábito. Por vezes, depois de comer, o gosto da refeição pode permanecer na boca por algum tempo. Se estiver bebendo algo ou optar por comer uma sobremesa, os sabores podem ser alterados, então para os italianos, uma excelente maneira de evitar isso é limpando o palato com uma salada fresca.

Você conhece a Itália? Vivenciou algumas dessas curiosidades que mencionamos nesse artigo? Conte aqui nos comentários o que mais sabe ou gostaria de saber sobre esse país.

Compartilhar este artigo