Incrível
Incrível

17 Itens que em vez de guardados no armário deveriam ser descartados

Embora a faxina seja uma excelente oportunidade para jogar fora coisas velhas, muita gente ainda se apega a certos itens e prefere mantê-los nos armários na esperança de um dia usá-los. E, dessa maneira, as quinquilharias vão ficando em nossa vida e ocupando nosso espaço. Diante disso, sempre fica a pergunta: mas, afinal, o que é preciso guardar e o que deve ir para o lixo?

Nós, do Incrível.club, também não somos experientes no assunto. Por isso, alguns integrantes da equipe resolveram fazer o teste da arrumação do armário. Confira o que eles aprenderam!

Medalhas e troféus

Muitos ainda guardam medalhas de participação em competições esportivas realizadas há décadas, muitas vezes na pré-escola. À parte a questão da memória afetiva (questão bastante subjetiva), os materiais, em si, não têm grande valor e o visual muitas vezes é de gosto duvidoso. Mas a coisa muda de figura no caso de um atleta profissional. Além de ser uma espécie de “currículo”, esses troféus e medalhas muitas vezes são feitos de material valioso.

Louças

Gosto realmente não se discute. Louça de porcelana chinesa ou tcheca deve, sim, ser guardada com cuidado. Ou, dependendo da situação, vendida (já que os preços podem ser altos). Já a louça velha de cerâmica ou de vidro, que costumava estar presente em muitas casas e tinha a função exclusiva de servir os hóspedes, pode ser descartada sem medo.

Brinquedos antigos de plástico

Muitos dizem que o plástico costumava ser de melhor qualidade antigamente. No entanto, pesquisas da Universidade de Plymouth mostraram que muito do material que era usado para fazer esses brinquedos poderia ser tóxico, contendo elevados teores de cádmio ou chumbo, por exemplo. E isso, evidentemente, significa risco à saúde das crianças.

Cristais

Em diversas casas, víamos conjuntos de cristais: copos, taças e saladeiras, entre outras peças. No dia a dia, porém, poucas pessoas os usavam. As peças eram colocadas nas mesas apenas em feriados ou comemorações. Hoje esse tipo de louça certamente já deixou de representar sofisticação. Melhor destino para elas: a reciclagem.

Edições antigas de revistas e recortes de jornais

Guardar revistas e recortes de jornais era uma prática comum há algumas décadas. Na era da tecnologia digital, porém, fotos e textos podem ser encontrados na Internet em poucos cliques. Por isso, talvez seja a hora de se despedir das coleções de papel escondidas no fundo do seu armário. Elas também podem ganhar uma nova vida com a reciclagem.

Livros desatualizados

“A saúde do seu bebê”.

Não vale a pena ocupar o espaço da sua casa com livros escolares antigos, dicionários velhos ou materiais com informações desatualizadas. O melhor é levar esses exemplares a uma biblioteca ou mandar para a reciclagem.

Conjuntinhos e lingeries

Nossas mães e avós, provavelmente, já compraram roupas íntimas sofisticadas ou conjuntinhos requintados que eram guardados para algum “momento especial”. Mas se esses conjuntos foram comprados há cinco anos ou mais, talvez esse momento especial não ocorra. Então, pode ser a hora de dar adeus a essas peças. Tenha em mente que os tecidos usados podem não ter uma vida útil muito longa ou que seu estilo pode ter saído totalmente de moda.

Vestidos de noiva

Muitas mulheres têm dificuldade de dizer adeus ao vestido de noiva. Afinal, essa é uma recordação de um dos momentos mais marcantes da vida de qualquer garota. Contudo, é preciso encarar duas realidades. A primeira: tais peças ocupam muito espaço no guarda-roupa. A segunda: tecidos brancos amarelam facilmente com o tempo e perdem o brilho. Sem contar que, mesmo que seu casamento dure, dificilmente o vestido será usado novamente.

Joias de ouro maciço

Anéis de ouro com pedras enormes, correntes e braceletes espessos são passados por gerações e geralmente têm espaço naquela “caixinha da vovó para um dia de necessidade”. Acreditava-se que, em situações de imprevisto, tais peças poderiam ser penhoradas para ajudar nas finanças da casa. No entanto, muitas dessas joias, mantidas há anos naquela gaveta secreta, podem ser comercializadas por valores até 10 vezes abaixo dos originais. Por isso, não vale a pena vendê-las se forem recordações de pessoas queridas ou se você realmente gostar de usá-las. O que devemos lembrar é que não adianta mantê-las na gaveta com a esperança de que um dia gerarão uma fortuna. Há, ainda, a opção de dar de presente a um ente querido.

Potes

Muitas vezes, potes de vidro são adquiridos em grandes quantidades e armazenados por anos. Se tiver algum na cozinha e que esteja sem uso há bastante tempo, não pense duas vezes: é hora de doar ou mandar para a reciclagem. Lembre-se: eles não são caros.

Travesseiros de pena e conjuntos de fronhas

Há grandes chances de você ter um travesseiro de penas velho em casa, assim como as fronhas que o acompanhavam. Com o passar dos anos, penas muitas vezes atraem ácaros, que são prejudiciais à saúde. Por isso, não tenha dó de substituí-los.

Toalhas de mesa

Aquela toalha de mesa branca, que serve mais como uma decoração para receber visitas, passa boa parte do tempo no armário. Depois de alguns anos de uso, essas peças começam a apresentar manchas amareladas devido ao longo período de armazenamento. E o que acontece nessas horas? Muita gente, em vez de jogar fora, prefere esconder as toalhas novamente na gaveta. Então aqui vai a dica: se não for usar a toalha nem como um pano de chão, é melhor colocá-la direto na lata de lixo.

Bonecos de gesso

Talismãs de gesso ou cerâmica para atrair felicidade ou sorte muitas vezes são usados como decoração. A realidade, porém, é que, se eles não foram muito bonitos, o melhor é se desfazer. Afinal, geralmente não valem muito e acabam servindo apenas como acumuladores de poeira.

Pulseiras de cobre

Antigamente era comum usar pulseiras de cobre. Acreditava-se que elas eram capazes de reduzir o inchaço nas articulações e diminuir a pressão arterial. Bem, se você, de fato, tem esse tipo de problema, o melhor é consultar um médico.

Trabalhos escolares de crianças

Maquetes escolares, artesanatos com papel, isopor e cola e outros trabalhos infantis só são fofos enquanto a criança ainda está pequena. Ao crescer, todos esses “trabalhos artísticos” acumulam poeira, se quebram e não têm valor material. Sim, sabemos da memória afetiva que esse tipo de recordação costuma evocar. Se é assim, o melhor é tirar uma foto e descartar os trabalhos!

Quadros de metal

Pinturas em relevo metálico já foram consideradas excelentes decorações. Afinal, os artesãos precisavam ter grande habilidade para produzir essas peças. Nos dias de hoje, no entanto, essa técnica já está ultrapassada.

Restos de papel de parede

Muita gente guarda pedaços de papel de parede que sobraram de uma reforma, na esperança de que, um dia, esses pedaços sejam úteis caso o papel se rasgue ou manche, por exemplo. Mas sejamos francos: quando acontecer, talvez você nem se lembre que tem essa “peça de emergência”. Ou quem sabe prefira trocar todo o papel. Então, não tenha pena de descartar essas sobras.

O que mais você adicionaria a esta lista de coisas desnecessárias, das quais precisamos nos livrar? E quais os itens dos quais é mais dificil desapegar? Deixe sua opinião.

Compartilhar este artigo