Incrível

15 Fatos e histórias sobre o McDonald’s que vão fazer você olhar para o restaurante com outros olhos

O primeiro restaurante de fast food do mundo, chamado White Castle, foi inaugurado em 1921 no estado americano do Kansas. Nele, vendiam-se hambúrgueres a um preço muito baixo, o que, enquanto chamava a atenção do público, também causava certa desconfiança. Para acabar com as dúvidas, o dono do estabelecimento resolveu usar uma estratégia de marketing: ele contratou pessoas que usavam jalecos brancos para entrar no restaurante, e isso daria a ideia de que até os médicos comiam aqueles hambúrgueres. Nos anos 40, apareceu o primeiro concorrente do White Castle, o McDonald’s, que praticamente tomou conta do mercado de comidas fast food instantaneamente e se tornou uma das marcas mais famosas do Planeta.

Nós, do Incrível.club, já escrevemos diversas vezes sobre algumas curiosidades do McDonald’s, mas desta vez resolvemos ir um pouco mais fundo na história do restaurante para tentarmos entender qual é o real motivo de tanto sucesso. Acompanhe!

Contexto histórico

McDonald’s foi fundado pelos irmãos Richard e Maurice McDonald em 1940. Após 14 anos, o empresário Ray Kroc comprou um direito exclusivo de vender franquias da rede, sistema pelo qual funcionam 80% dos restaurantes da marca. Em 1959 o número de estabelecimentos atingiu a marca dos 100, e após alguns anos, Kroc pagou 2,7 bilhões de dólares aos fundadores para se tornar o único proprietário do negócio.

No início da década de 60, a empresa de Kroc criou um logotipo, que mais tarde se tornou um dos símbolos mais conhecidos no mundo — a letra “M” amarela. A empresa também apresentou para o público o seu mascote oficial — o palhaço Ronald. Além disso, em 1963 houve a celebração da venda do hambúrguer de número 1 bilhão.

Hoje, há mais de 38 mil restaurantes McDonald’s espalhados pelo mundo.

Foco em si mesmo

Apesar de muitas empresas concorrentes tentarem muitas vezes competir com o McDonald’s de alguma forma, a “McEmpresa” raramente responde a tais estratégias. A rede mais famosa de fast food do mundo nunca inicia embates publicitários, justamente pelo fato de que ela não precisa mostrar superioridade: isso já é óbvio.

Se a criança gosta, a mãe também gosta

Graças ao McLanche Feliz, a empresa se tornou uma das maiores vendedoras de brinquedos do mundo. De acordo com estatísticas, todos os anos são vendidos mais de 1,5 bilhão de brinquedos — e isso é até mais do que as gigantes Mattel e Hasbro vendem.

Há alguns anos, a empresa conduziu uma pesquisa e descobriu que mais de 80% das crianças de 6 a 7 anos escolhem o McDonald’s dentre todas as redes de fast food: isso simplesmente porque elas preferem receber um brinquedo com a comida. Em 2014, a empresa gastou mais de 3 bilhões de dólares em obras nos restaurantes com o objetivo de aumentar a área recreativa para as crianças, o que visava atrair ainda mais os pequenos para o estabelecimento, junto de seus pais.

Sem descontos

Embora o McDonald’s diminua o preço de determinados pratos ou ofereça combos com valores reduzidos na seção de “McOfertas”, você nunca verá a palavra “desconto” em apenas um produto. Isso é devido ao fato de que “descontos” são associados a produtos de menor qualidade e, por isso, poderiam causar um questionamento sobre a qualidade dos hambúrgueres ou nuggets que estão sendo vendidos.

Eles transformaram fast food em ciência

Em 1962, a corporação McDonald’s inaugurou a Universidade Hamburger, cujas filiais existem no mundo inteiro. A universidade tem como objetivo a formação de diretores e gerentes para que, independentemente da profissão que tenham, possam trabalhar em qualquer filial da empresa em qualquer parte do mundo. Isso não só ajuda a reforçar o alto nível dos funcionários de gestão, mas também mantém os padrões de qualidade em todos os estabelecimentos, seja nos Estados Unidos, no Brasil ou, até, nas Filipinas.

Política de preços

O preço dos pratos no McDonald’s não são necessariamente baratos, mas também não são elevados. Encontrando um meio-termo, a empresa conseguiu matar 2 coelhos com uma cajadada só: preços demasiadamente baixos causariam preocupação sobre a qualidade dos produtos; e preços altos demais afastariam uma parte significativa dos consumidores de média e baixa renda.

Conveniência e conforto

Antes, o objetivo era providenciar um local para os clientes comerem rapidamente e liberarem seus lugares para o próximo da fila. Hoje, no entanto, a estratégia está mudando: já podemos usar Wi-Fi de graça nos restaurantes, foram colocadas tomadas para carregar o celular, e as cadeiras de plástico estão sendo substituídas por sofás bastante confortáveis.

Mesmo sabor e aroma

Certamente, muitas pessoas reconhecem o cheiro marcante que podemos sentir a dezenas de metros do restaurante. A própria empresa do McDonald’s nunca confirmou ou desmentiu as especulações sobre uma possível pulverização de aromas nas áreas perto dos restaurantes. Mas o que importa é que sentimos sempre o mesmo cheiro, independentemente do país onde se está o restaurante. Além disso, o sabor dos pratos também é o mesmo, embora não muito específico, é ainda assim muito memorável, e sentimos em cada prato.

Se você pedir uma porção de batatas fritas, seja na Itália ou na China, o sabor será exatamente o mesmo. Dessa forma, a empresa consegue dar aos clientes viajantes a sensação de “estar em casa”, independentemente do país que estejam visitando.

Reconhecimento imediato

O “M” gigante e amarelo, identificado por qualquer pessoa que já esteve no McDonald’s, é considerado o símbolo mais reconhecido do mundo. Em uma pesquisa, por exemplo, apenas 54% das pessoas reconheceram a cruz católica, ao mesmo tempo que 90% dessas mesmas pessoas reconheceram o emblema da rede de fast food.

Muitos certamente conhecem o slogan “Amo muito tudo isso” (em inglês, “I’m lovin’ it”), que surgiu em 2003 e se tornou tão popular que agora é usado em conversas do dia a dia. Vale notar que o slogan em inglês contém erros gramaticais, mas isso pode ser um dos fatores que o fez ficar tão famoso e relevante.

Outro símbolo da empresa, o palhaço Ronald McDonald, é o segundo personagem de ficção mais reconhecido entre os estudantes americanos, atrás apenas do Papai Noel.

Acompanhar as tendências

A empresa reage muito rapidamente a todas as mudanças do mercado, e o McDonald’s não tem medo de implementar ideias “emprestadas” de seus concorrentes: após a queda acentuada de vendas em 2016, por exemplo, a empresa introduziu a entrega a domicílio, que já havia sido implementada por outras redes de fast food.

No entanto, o McDonald’s também não se abstém de usar métodos que podem ser considerados ultrapassados. Em muitos restaurantes da rede pelo mundo, garçons começaram a trabalhar, mas, de uma forma geral, há a tendência de automatização do serviço para que os clientes façam seus próprios pedidos nas máquinas de autoatendimento. A estratégia-chave do McDonald’s é proporcionar o máximo de conforto e conveniência possível para seus clientes e, segundo a empresa, o lucro dessa automatização irá exceder significativamente o custo dos salários dos garçons.

Capacidade de se adaptar

As filiais do McDonald’s operam em mais de 100 países. Embora o menu básico seja o mesmo em qualquer lugar, — você sempre pode pedir “Big Mac” com batatas fritas e uma bebida —, o resto do menu tem sempre alguns pratos adaptados às tradições da cozinha local.

Por exemplo, em Israel são servidos pratos kosher, e na China os hambúrgueres com carne de frango não são feitos a partir do peito de frango (como no Ocidente), mas sim da carne da coxa do animal, que é a preferência dos chineses. Em restaurantes no Japão, também, os hambúrgueres e as porções de batatas fritas não são tão grandes como estamos acostumados — simplesmente porque tradicionalmente os japoneses estão acostumados a comer porções menores de comida do que os ocidentais.

Eles sabem o que vamos pedir

Em março de 2019, a empresa adquiriu uma startup israelense que permite à inteligência artificial prever os desejos dos clientes, dependendo do clima, da hora do dia e do tamanho da fila. Além disso, em um futuro próximo, o McDonald’s planeja introduzir uma tecnologia de reconhecimento de automóvel, que permitirá lembrar da escolha de um determinado cliente que usar o serviço de Drive Thru.

No lugar certo, no momento certo

Apesar de 90% dos restaurantes McDonald’s serem franqueados, a localização de uma futura franquia é determinada pelos funcionários da corporação. Além disso, são eles que normalmente assumem os gastos com a construção do estabelecimento. Os locais escolhidos são geralmente áreas com grande fluxo — esquinas de ruas, cruzamentos em grandes avenidas ou uma área com alto fluxo de pedestres.

A empresa também é valorizada por conta de suas exigências: de acordo com os seus termos, somente uma pessoa com impecável reputação em comércio pode se tornar proprietária de uma das franquias. Além disso, imediatamente após a inauguração de uma franquia, o proprietário do estabelecimento deverá comparecer a todos os programas de caridade do McDonald’s em sua área, e eles não são poucos. Isso porque a empresa aloca grande parte do tempo para projetos beneficentes, visando ajudar pessoas que realmente precisam.

Bônus: histórias de clientes

  • Uma vez recebi um pedido de um cheeseburger triplo, mas sem pão, carne ou recheio. Eu achei aquilo estranho e verifiquei mais de uma vez, mas acabei entregando para o cliente uma caixa de cheeseburger triplo vazia. Ele disse apenas que tinha um motivo pessoal para ter feito aquele pedido, mas não disse qual era. © Ryan Turner / Quora
  • Eu cresci em uma cidade pequena, na qual não havia nenhum McDonald’s. Certa vez fui para uma cidade grande e decidi comer no McDonald’s pela primeira vez. Sempre escutei dizer que o banheiro do restaurante era muito limpo, grande e iluminado. Quando estava saindo do banheiro, vi um papel pendurado na parede com uma lista de nomes e assinaturas. Eu não sabia na época que aquilo era o gráfico de limpeza do banheiro, então fiz a primeira coisa que me veio à cabeça: escrevi meu nome, a data e assinei. Agora dou risada toda vez que me imagino sendo um dos funcionários. © ctin / Pikabu

Qual restaurante que trabalha com fast-food você prefere? Ou não gosta de comer esse tipo de comida? Comente!

Imagem de capa Ryan Turner / quora