Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração
Incrível

15 Casos em que maquiadores e figurinistas cometeram erros

5122
11k

Apesar de ser praticamente impossível criar um filme onde tudo saia perfeito, ainda assim os espectadores têm o direito de serem poupados de erros evidentes, tais como a discrepância óbvia entre o figurino e sua época ou o sumiço e surgimento de peças do vestuário. Alguns dirão que não se trata de erros críticos, embora queiram ver menos desses descuidos lamentáveis.

Nós, do Incrível.club, reparamos em alguns desses momentos. Caso tenhamos deixado passar alguma coisa, deixe suas observações nos comentários.

  • O figurinista Orry-Kelly, que trabalhou no figurino dos personagens da comédia musical Quanto Mais Quente Melhor, teve de estilizar as roupas de Marilyn Monroe na medida da silhueta da atriz, já que não existiam roupas femininas da década de 1920 que vestiam bem seu corpo. Os vestidos da famosa atriz foram feitos no estilo dos anos 50, enquanto as cenas do filme se passavam em 1929.

  • A maquiagem da Era Eduardiana era muito diferente de como a vemos no rosto de Rose no drama épico Titanic. Os lábios dela deveriam estar pintados com batom vermelho, enquanto a bochecha deveria estar toda corada, e sem nenhum rímel ou delineador preto, pois começaram a ser usados somente após 1916 (sendo que o Titanic naufragou em 1912).
  • No filme Doutor Estranho, os personagens realizaram uma operação cerebral sem máscaras cirúrgicas, o que seria impossível.
  • E aqui mais um exemplo de gafe nos padrões históricos com o simples e único objetivo de deixar a atriz deslumbrante. Cleópatra governou em 51-30 a.C., quando ninguém ainda se preocupava com moda ou tendências. Contudo, isso fez com que Elizabeth Taylor no papel da rainha egípcia fosse lembrada pelos telespectadores por muito tempo.
  • Já a sola deste sapato, no longa-metragem Alfa, não pode ser chamada de outra coisa senão um erro gravíssimo, porque a cena ocorre em uma era primitiva.
  • Angelina Jolie, no filme Alexandre, estava simplesmente deslumbrante, mas os erros aqui também não passaram despercebidos. Assim como os tecidos não eram costurados naquela época, uma mulher nobre jamais apareceria em público sem um cinto. O traje antigo grego era o chiton, um pedaço de tecido bem drapeado, preso ao ombro com um broche. Em cima do chiton as mulheres usavam peplos, que era um pedaço largo e comprido de tecido, também com belíssimos pregueados.
  • Em uma cena da trilogia Para Todos os Garotos que Já Amei, o cardigã da personagem principal, Lara Jean, estava virado do avesso, mas já na cena seguinte ela o vestia do lado correto.
  • Para a tristeza dos fãs de O Senhor dos Anéis, seus criadores cometeram um erro imperdoável. Quando se despede de Frodo, Sam está vestindo um colete, e já na próxima cena essa peça de roupa desaparece sem deixar rastro.

  • No filme Quem Quer Ser um Milionário?, como em um passe de mágica, um enfeite desaparece e depois ressurge no rosto da atriz.
  • Na comédia romântica O Lado Bom da Vida o protagonista interpretado por Bradley Cooper, sentado no chão, prende seus tênis com fita adesiva. Já na cena seguinte, a fita adesiva simplesmente some, e a personagem de Jennifer Lawrence aparece enrolando sozinha a fita em volta do tênis dele.
  • Em Batman: O Cavaleiro Das Trevas, o Coringa muda instantaneamente a cor do cabelo de castanho para verde.
  • Samwell Tarly, em Game of Thrones, aparece em cena mostrando sem querer uma parte do seu próprio casaco com um botão pulando para fora.
  • Os figurinistas do filme Maria Antonieta trabalharam duro para reproduzir a atmosfera da época, mas definitivamente não existia tênis no século XVIII. Além disso, faltaram mais aquelas rendas chiquíssimas, características do estilo rococó.

  • As cenas do drama Memórias de uma Gueixa têm muitas imperfeições, mas repare bem no cabelo de uma gueixa adulta, também conhecida como geiko. O verdadeiro penteado geiko envolvia o trabalho complexo, que levava de 5 a 6 horas, de um especialista. Mas para a decepção dos fãs, os penteados que foram apresentados no filme não tinham nada a ver com o original.
  • Em Era uma Vez em... Hollywood, o personagem de Brad Pitt usa um relógio Citizen 8118 Bullhead, que foi criado em 1970, enquanto o filme ocorreu no ano de 1969.

E qual é o seu palpite? Realmente vale a pena se incomodar com esses errinhos de figurinos ou eles não atrapalham em nada os filmes? Comente!

5122
11k
Compartilhar este artigo