É por isso que a Terra tem mais de uma Lua

Curiosidades
há 6 meses

Você já se perguntou por que a Terra não tem anéis? Os gigantes gasosos Júpiter, Saturno, Urano e Netuno os têm, mas os planetas rochosos Mercúrio, Vênus, Terra e Marte não. Duas teorias diferentes explicam como os sistemas de anéis se desenvolveram.

A primeira diz que os anéis podem ter se formado a partir de detritos que datam do momento em que um determinado planeta estava se formando. Ou, como diz a segunda, eles podem ser os restos de uma lua destruída em uma colisão ou pela atração gravitacional de seu planeta-mãe. Os cientistas ainda não sabem porque os gigantes gasosos têm anéis, mas acreditam que pode ser porque se formaram no Sistema Solar externo. Planetas rochosos se formaram na área interna do nosso Sistema Solar, e por isso estavam mais protegidos de possíveis impactos e colisões que poderiam ter formado anéis ao seu redor. Ou a razão é que planetas maiores têm um volume maior, o que permite que um sistema de anéis permaneça estável.

Alguns cientistas acreditam que o nosso planeta TINHA um sistema de anéis há muito tempo. Em seu estágio inicial, um objeto do tamanho de Marte atingiu a Terra, e isso provavelmente resultou em um denso anel de detritos. Mas esse sistema de anéis logo se aglutinou — e foi assim que a nossa Lua se formou.

Há mais de 10 anos, em 2011, os astrônomos encontraram uma enorme nuvem de vapor de água a cerca de 12 bilhões de anos-luz do nosso planeta. Esta nuvem é a fonte de água mais antiga que conhecemos. Data de quando o universo tinha apenas 1,6 bilhão de anos. Atualmente tem 13,8 bilhões de anos. Esta nuvem incomum também é a maior fonte de água que conhecemos. Ela contém 140 trilhões de vezes a quantidade de água que a Terra contém em seus oceanos. É gigante. O interessante é que essa nuvem de vapor está meio que “alimentando” um buraco negro. Pode conter gases como monóxido de carbono em quantidade suficiente para ajudar esse buraco negro a crescer até seis vezes mais do que o seu tamanho atual.

Todos sabemos que a Terra tem uma lua, mas tem outros 2 asteroides, 3753 Cruithne e 2002 AA29 bloqueados em ressonância orbital com o nosso planeta. O primeiro, na realidade, não circula ao redor da Terra, mas tem algum tipo de órbita sincronizada com o planeta, e é por isso que parece que está seguindo a Terra em uma órbita estável, enquanto tem seu próprio caminho específico ao redor do sol. O outro, 2002 AA29, segue uma órbita em ferradura ao redor do nosso planeta. Seu caminho específico aproxima esse asteroide de nós a cada 95 anos.

Você deve pensar que Netuno é um lugar extremamente frio e escuro. Afinal, é um gigante de gelo a 4,5 milhões de quilômetros de distância do sol. Não há muita luz solar lá, então o meio-dia em Netuno é semelhante ao crepúsculo em nosso planeta. Esse gigante de gelo parece estar criando seu próprio calor — para ser mais precisa, 2,6 vezes mais calor do que recebe do sol. Isso provavelmente tem a ver com a pressão perto do núcleo do planeta. Ela aumenta e libera hidrogênio, que mantém o centro de Netuno a uma temperatura extrema de 5.150 °C, mas sua atmosfera ainda é bastante fria. Varia entre cerca de −150 °C a −200 °C.

Qual é a forma que você vem à sua mente a quando alguém menciona tempestades? Provavelmente ovais longas de furacões e tornados cônicos. Isso é algo que vemos na Terra. No polo norte de Saturno, tem uma tempestade que dura pelos menos os últimos 40 anos. E tem uma forma hexagonal. Essa forma tão estranha provavelmente tem algo a ver com o gás turbulento de Saturno, ou talvez até mesmo com “jatos zonais” que se estendem por muitos quilômetros até uma região de pressão extremamente alta.

Você já se perguntou porque os planetas não brilham, enquanto as estrelas brilham? Se você estivesse lá fora, no espaço, não as veria cintilando. A razão pela qual vemos estrelas cintilando é devido à atmosfera da Terra. A luz do tamanho de um alfinete proveniente de uma estrela atinge a atmosfera. A atmosfera então a refrata, o que faz com que a luz faça um zigue-zague.

Isso é o que percebemos como brilho. Planetas parecem muito maiores para nós do que apenas alfinetes. E, sim, a luz deles zigue-zagueia depois de atingir a atmosfera também. Mas esses movimentos se cancelam, e é por isso que não vemos a cintilação, mas apenas um brilho constante.

Em algumas regiões, você pode esperar grandes mudanças de temperatura. Por exemplo, em Montana, onde, em um único dia, as temperaturas foram de de −48 °C para 7 °C. Parece muito, mas ainda não é nada em comparação com Mercúrio, onde as temperaturas tendem a variar mais do que 540 °C em um único dia. Elas atingem cerca de −170 °C à noite e eventualmente sobem para 430 °C durante o dia. Imagine o guarda-roupa que você precisaria preparar para uma única visita de 24 horas a Mercúrio.

Por que a atmosfera do nosso planeta natal não desaparece no vácuo do espaço? Mesmo que não possamos vê-las, as moléculas de gás e vapor que formam a nossa atmosfera têm massa. Assim sendo, todas essas moléculas sentem a atração gravitacional da Terra — assim como nós. Elas poderiam escapar, é verdade, se tivessem energia suficiente. Por exemplo, se nosso planeta estivesse mais perto do sol, a atmosfera seria mais quente e suas moléculas poderiam fugir mais facilmente. Mas, felizmente, a Terra está na distância certa do Sol e tem massa suficiente para manter sua atmosfera no mesmo lugar.

Quando você pensa em vulcões, provavelmente imagina lava quente e derretida saindo deles. Pelo menos, é assim que funciona na Terra. No espaço, os vulcões podem vomitar metano, água ou até amônia. Lá em cima, um vulcão também pode vomitar materiais específicos que congelam à medida que entram em erupção. Então eles se transformam em vapor congelado e algum tipo de “neve vulcânica”.

É uma coisa comum nas luas de Júpiter Europa e Io, em Plutão e na lua de Saturno, Titã. Eles são chamados de criovulcões, e Io tem alguns extremamente ativos. Lá, você veria centenas de aberturas cuspindo vapor congelado que tendem a se estender por cerca de 400 quilômetros — e os veículos da NASA até capturaram algumas erupções em tempo real!

BAM! Planetas, luas, asteroides, cometas, estrelas — todos eles podem colidir. E galáxias também. Nossa galáxia, a Via Láctea, fica a 2,5 milhões de anos-luz de Andrômeda, nossa vizinha galáctica mais próxima. Os astrônomos acreditam que a Via Láctea está em uma rota de colisão que destruirá ambas as galáxias em um futuro distante. Ou pelo menos, as galáxias como as conhecemos. As duas galáxias estão indo cada vez mais rápido uma em direção à outra, à alta velocidade de 402.000 km/h. Será caótico e, muitos planetas e estrelas não sobreviverão à colisão. Eventualmente, essas duas entidades massivas se fundirão e se transformarão em uma galáxia completamente nova e irreconhecível. Aqui está um pequeno conforto — os cientistas assumem que isso não deve acontecer por mais 4 bilhões de anos.

Caso você queira fundir duas peças de metal, já sabe que a única maneira de fazê-lo é aplicar calor para que essas peças possam atingir seus pontos de fusão. No espaço, você não precisa de calor para fazer isso. Ou, na verdade, não precisa fazer nada. Chamamos isso de soldagem a frio, e tal fenômeno acontece quando você desliza as peças de metal umas sobre as outras. Nesse caso, elas desgastam suas camadas de óxido protetoras. Na Terra, essas camadas impedem que elas se fundam, mas no espaço, esse tipo de proteção desaparece. É por isso que os elétrons de um pedaço de metal simplesmente fluem para o outro pedaço. E taã-dã, sem nenhum esforço!

Os cientistas costumavam acreditar que a Terra era o único planeta do nosso Sistema Solar onde acontece atividade tectônica. Tectonicamente ativo significa que placas sob a crosta estão se movendo. Este processo libera calor que, então, deforma a superfície terrestre e leva ao seu encolhimento, mas agora sabemos que isso acontece em outros planetas também.

Mercúrio também está encolhendo, e os cientistas descobriram isso em 2016, quando a nave espacial MESSENGER orbitou o planeta e enviou alguns dados importantes. Ela revelou haver formas de relevo semelhantes a penhascos conhecidas como escarpas de falha na superfície de Mercúrio. Como essas falhas são relativamente pequenas, elas provavelmente não se formaram há muito tempo. Isso significa que Mercúrio ainda está contraindo, mesmo 4,5 bilhões de anos após a formação do nosso Sistema Solar.

A Grande Mancha Vermelha de Júpiter também está encolhendo. É uma enorme tempestade na superfície do planeta. É avermelhada, um pouco oval e com mais de 16.360 quilômetros de largura. Sim, é grande o suficiente para engolir a Terra. E agora está lentamente encolhendo há alguns séculos. A Grande Mancha Vermelha é apenas uma das muitas tempestades de alta pressão que ocorrem em Júpiter, devido a todos os gases presentes lá — algo que classifica Júpiter como um gigante gasoso. Mas só porque está encolhendo não significa que a Grande Mancha Vermelha vá desaparecer tão cedo. Ela está ficando ainda mais alta.

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados