10+ Remakes de sucesso que quase ridicularizaram o original

Arte
há 11 meses

Boas ideias e, acima de tudo, bons roteiros, são tesouros que não valem a pena desperdiçar. É isso que os diretores de Hollywood consideram ao refilmar versões novas e populares (e outras nem tanto) de filmes de seus colegas.

Os remakes são sempre um risco: eles podem parecer melhores do que o original ou receber avaliações ruins dos espectadores e críticos. Mas também há filmes que nem sequer suspeitamos que não fossem os originais, como Deixe-me Entrar ou Sete Homens e um Destino.

Incrível.club abrirá um pouco o véu dos mistérios e lhe dirá que filmes icônicos de Hollywood não foram os primeiros da história.

Mortos que Matam (1964)
Eu Sou a Lenda (2007)

O filme original é famoso por sua excelente encenação: mesmo sem efeitos especiais, ele parece bastante convincente. Este filme tem outro significado do remake. Os dois são relativamente difíceis de comparar. A versão de 1964 tem muito mais em comum com o livro original.

Em 2007, o filme se tornou uma saturação de terror dinâmico com o heroico Will Smith, que tenta salvar o planeta inteiro. É uma versão muito boa, mas representada com um gênero e estilo completamente diferentes. Recomendamos ver as duas versões.

Os Sete Samurais (1954)
Sete Homens e Um Destino (1960)

Estes dois filmes, por direito, são considerados icônicos. No entanto, se você valoriza a visualização da versão original de um filme, obrigatoriamente deve ver Os Sete Samurais.

O filme Sete Homens e Um Destino já era muito popular quando o escândalo aconteceu: descobriu-se que, sem autorização, eles eram literalmente baseados no filme japonês original. Os criadores só mudaram o samurai para caubóis e transportaram a ação do filme para o Velho Oeste. No entanto, os diretores se acertaram e agora podemos ver as duas versões.

O Dia em que a Terra Parou (1951)
O Dia em que a Terra Parou (2008)

remake não superou o original, mas, assim mesmo, acabou sendo mais do que um simples filme. Trata-se do mesmo, mas sem pressa, sem dinamismo e com efeitos especiais baratos, que manteve
a ideia original: “Se a Terra morre, a humanidade também, mas se você destruir a humanidade, a Terra sobrevive”.

Ring — O Chamado (1998)
O Chamado (2002)

Em 1998, a versão original foi filmada no Japão e, desde então, tem sido popular em todo o mundo. Apenas 4 anos depois, foi feito novamente, mas em Hollywood, e a nova versão agradou os espectadores da mesma forma.

Apesar de ser quase o mesmo enredo, mudou-se a atmosfera. Na versão japonesa, o cotidiano dos personagens é mais claro e o contexto mais acolhedor. Na versão norte-americana, uma atmosfera deprimente espera por você, com um cenário frio e de muito mais medo.

Brothers (2004)
Entre Irmãos (2009)

A versão original é um filme sobre conflitos interpessoais. Recebeu um prêmio do público no Sundance Festival. Cinco anos depois, foi reapresentado nos EUA, conservando o sentido e a ideia, mas com um caráter antimilitar reforçado.

Conflitos Internos (2002)
Os Infiltrados (2006)

Os Infiltrados, filmado por Martin Scorsese, é considerado um dos melhores remakes da história do cinema por um grande número de espectadores e críticos.

O filme original, de origem asiática, é apenas o começo da trilogia. Também ganhou prêmios e ficou bastante famoso. Recomendamos ver as duas versões.

Tudo por Ela (2008)
72 horas (2010)

O filme original, francês, fala sobre a esposa do personagem principal, que é acusada de assassinato. Seu marido não acredita que ela seja culpada e, com todos os métodos possíveis, tenta salvar sua amada esposa da prisão.

remake, em geral, não recebeu críticas ruins, mas os espectadores gostaram mais da versão francesa. Entre as coisas que mais gostaram estão a atmosfera e seu charme irresistível. Pessoalmente, recomendamos que você compare os dois filmes e escolha seu preferido.

Deixe Ela Entrar (2008)
Deixe-me Entrar (2010)

Ambos os filmes foram feitos tomando como base o mesmo romance. No livro, a ação acontece nos anos 80. Numa cidade pequena, vive um adolescente marginalizado entre seus companheiros. Lá chega uma família: uma menina e seu pai. Mas ela se comporta de maneira muito estranha: não vai à escola, não tem medo do frio e sai de casa apenas à noite.

O relacionamento do garoto com sua nova vizinha constrói o enredo do filme. Mesmo assim, há diferenças entre as duas produções: a versão americana, de 2010, é mais detalhada e muitas cenas são mais bonitas, enquanto a sueca (2008) tem uma atmosfera mais anos 80 e conservou mais do livro original.

Godzilla (1954)
Godzilla (2014)

O filme original e o remake merecem ser vistos. Neles há diferenças significativas: assim, por exemplo, no filme dos anos 50 o monstro tinha aproximadamente 50 metros de altura, e no do século XXI o animal chega a 100 metros.

O filme original levantou mais questões sobre a justificativa de testes nucleares (cujos resultados, de acordo com o enredo, levaram à mutação do monstro). A versão de 2014 é mais simples: o lagarto acordou após de muitos anos de hibernação e não descarregou sua ira nas pessoas, mas colocou-se ao lado delas. Além disso, os principais momentos do filme original também foram preservados.

Os Homens que não Amavam as Mulheres (2009)
Millennium — Os Homens que Não amavam as Mulheres (2011)

Este é outro caso em que o remake praticamente não perde nada ao original. A versão sueca foi filmada em clipes pelo diretor, e isso mostra a qualidade e a beleza de cada cena. Noomi Rapace em nenhum momento perde para a ilustre Rooney Mara no personagem da heroína principal.

Ambas as versões foram calorosamente aceitas pelos críticos e espectadores. Se você quiser conhecer a história mais próxima da prosa de Stieg Larsson, então veja a produção original.

Yojimbo — O Guarda-Costas (1961)
Por um Punhado de Dólares (1964)

Ambos os filmes são bons, apesar de terem sido filmados em diferentes culturas e estilos. No remake, o enredo nos leva ao Oeste Selvagem, o que o tornou um dos melhores clássicos do gênero. Já o original parece mais crível: não há nem atmosfera clássica nem heróis fantásticos.

No entanto, ambas as versões são boas. Se você gosta dos clássicos de faroeste (e, claro, de Clint Eastwood), assista ao filme de 1964. A versão asiática é mais indicada para pessoas reflexivas.

Bônus: o personagem de Clint Eastwood no filme Por um Punhado de Dólares tornou-se o protótipo de Pistoleiro, o personagem principal da saga A Torre Negra, de Stephen King

Qual desses filmes você viu? Se viu algum deles, gostou mais do original ou do remake?

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados