Nas escolas da Dinamarca as crianças têm uma aula que ensina o que é a empatia

A educação é um dos aspectos mais importantes no crescimento e no desenvolvimento de uma criança. Grande parte dos valores que os jovens adquirem vem de casa, mas é importante saber que a escola tem um papel fundamental nessa dinâmica. Na Dinamarca, por exemplo, as crianças têm a oportunidade de aprender o que é a empatia dentro da sala de aula, com o objetivo de que elas se transformem em adultos felizes, tolerantes e aptos a transmitir os mesmos valores às próximas gerações.

O Incrível.club acha que é muito importante que as crianças aprendam desde cedo o que é empatia; além disso, ser empático é importante para reconhecer e entender os sentimentos das outras pessoas para que a sociedade continue a se desenvolver de maneira positiva. Nesse sintido, consideramos que o sistema da Dinamarca é um modelo a seguir.

O que há por trás da felicidade na Dinamarca

Segundo o Relatório de Felicidade Mundial (World Happiness Report), a Dinamarca é considerada um dos países mais felizes do mundo. Provavelmente, a educação oferecida às crianças desde cedo tem uma grande participação nessa posição, já que no país é obrigatório que as crianças de 6 a 16 anos estudem e tenham uma aula em que elas aprendem o que é a empatia.

Uma aula para aprender a compreender os outros

A professora e escritora dinamarquesa Iben Sandahl é a fundadora do The Danish Way, e em sua publicação entitulada Class time (Tempo de aula) ela indica que oferecer um espaço para que os alunos possam se comprometer com o seu desenvolvimento mental é fundamental para melhorar a compreensão e a aceitação deles mesmos e das pessoas com quem eles convivem. Toda semana, as crianças têm essa aula, que dura uma hora. Ao aprender sobre empatia, eles adquirem uma visão mais ampla do bem-estar tanto na escola como na vida em geral.

Além disso, Iben afirma que essa aula tem muitos propósitos, mas o mais importante é que as crianças se sintam cômodas e estejam em um ambiente em que se sintam suficientemente confiantes para falar sobre os seus problemas. Um dos aspectos fundamentais é que todos mostrem respeito. Depois de expressar os seus sentimentos, a criança recebe ideias de seus companheiros para resolver o conflito que está vivendo e, assim, entender que tudo vai dar certo. Segundo a autora, o método existe desde 1993 no sistema educacional da Dinamarca e foi pouco a pouco se firmando como uma outra matéria obrigatória dentro da grade horária.

A metodologia para ensinar empatia

Na tentativa de encontrar a razão por trás da felicidade dos dinamarqueses, as autoras Iben e Jessica Alexander lançaram um livro que indagava e tentava compreender de uma maneira mais profunda a maneira como a empatia era ensinada às crianças. Elas perceberam que a chave não estava apenas na escola, no sistema social ou no governo, mas na infância e na relação com os pais, que são fundamentais nessa dinâmica. Ao criar crianças felizes e emocionalmente seguras, os pais dão a oportunidade de que os seus filhos sejam adultos capazes de replicar a mesma felicidade e de compartilhar os mesmos valores para os seus filhos.

A importância da empatia

Como afirmado no livro, a maneira como os pais criam os seus filhos não é a única razão por trás da felicidade dinamarquesa, mas é bastante importante. Existem outros fatores que contribuem para essa situação, como permitir que a criança brinque ao aprender. Além disso, é importante dar espaço para que ela descubra como se comportar em uma negociação e aprenda a se sentir cômoda com as outras pessoas.

Em uma entrevista, Jessica Alexander reafirmou a importância da brincadeira no processo de autoconhecimento e de entendimento do outro. Afinal de contas, não importa se uma criança é muito boa em uma determinada área, se ela não consegue empatizar com as outras pessoas é provável que ela não chegue tão longe. Sem dúvida nenhuma, é importante ensinar às crianças a importância da empatia, do companheirismo e do trabalho em equipe.

O que acha do sistema educacional da Dinamarca? Você acha que esses conceitos deveriam ser implantados em outros países? Compartilhe a sua opinião nos comentários.

Compartilhar este artigo