Incrível
Novo Popular
Inspiração
Criatividade
Admiração

10 Coisas que aprendi em minha primeira viagem à Holanda

Olá! Meu nome é Carolina, e, nos últimos anos, tive a oportunidade de conhecer mais de 15 países. Viajar ou fazer um mochilão é um estilo de vida que nos permite aprender e compartilhar culturas, arte e gastronomia. Também é uma oportunidade para crescer, amadurecer, fazer novos amigos e viver de maneira intensa. Sem dúvida, de todos os lugares que já conheci, a Holanda é aquele para o qual mais desejo voltar. Amsterdã é uma grande urbe multicultural, cheia de enormes bairros e ruas com personalidade, arquitetura apaixonante e um clima agradável o tempo todo. É claro que o fato de eu ter me sentido dessa forma não significa que a experiência será a mesma para outras pessoas. Mas é muito provável que a maioria se apaixone até mesmo através das fotos e relatos de outros viajantes.

Hoje, de forma exclusiva, compartilharei com os leitores do Incrível.club 10 coisas surpreendentes que ninguém me contou sobre a Holanda, mas que eu pude descobrir e viver pessoalmente.

1. Mais de 50 museus para conhecer

Algo que me surpreendeu em Amsterdã é a rica cultura artística que a cidade possui. Quando decidi fazer a viagem, me preparei durante um ano. Por exemplo, comprei antecipadamente todas as entradas dos museus que visitei. Eu havia lido recomendações de não esperar chegar aos locais para compras as entradas, que podem se esgotar completamente.

Por isso, ordenei em um itinerário tudo o que faria a cada dia, e quanto gastaria para isso, considerando passagens de trem, metrô, comida e alguns mimos. Apesar de as entradas para os 50 museus disponíveis não serem tão econômicas, vale a pena o investimento. Particularmente, recomendo o museu de Vincent van Gogh, que tem 5 andares. Se você deseja comprar lembranças do artista, não se preocupe. O lugar tem sua própria loja.

2. Amabilidade natural

Algo que você não poderá evitar durante uma viagem é conversar com os habitantes do lugar. Eu costumo fazer isso porque me permite conhecer profundamente como eles são e que coisas são importantes para eles. Gosto de saber como é a educação, a saúde e o respeito com as demais pessoas. Os holandeses são amáveis e simpáticos, e, se percebem que você fala um idioma diferente, podem te surpreender falando ou entendendo muito bem o que você diz. Isso não quer dizer que estejam te tratando como um amigo, apenas que são bastante receptivos.

Casualmente, quando ia até o Museu de van Gogh, não sabia o caminho. Uma senhora se aproximou e, em inglês, me perguntou se precisava de algo. Ao respondê-la, me disse: “Você consegue falar em espanhol? Pois eu também!”. Me senti aliviada porque ela podia me entender no idioma que eu mais domino e me contou que sabia falar porque viveu muitos anos em Barcelona. Além disso, me deu as instruções necessárias para que eu seguisse meu caminho e não me perdesse mais. Foi um momento muito importante, que me permitiu manter minha confiança e segurança em relação aos holandeses.

3. O perigo das bicicletas

Quando cheguei à cidade, precisei aprender a ficar alerta todo o tempo, cuidando a cada passo, porque são infinitas as possibilidades de ser atropelado por um ciclista. O mais louco é escutar as buzinas sem parar ou os gritos dizendo “Cuidado!”. Amsterdã é a capital mundial desse meio de transporte, mas isso tem um lado obscuro: os atropelamentos. A cidade tem uma taxa mais alta de acidentes ocasionados por bicicletas do que por carros.

4. Um povo com cheiro de chocolate

Durante os dias da minha viagem, decidir pegar um trem até Zaanse Schans, que fica cerca de uma hora de Amsterdã. Esse lugar apresenta um excelente panorama para descobrir o lado mais típico do país. Lá há, surpreendentemente, pessoas que utilizam os tamancos de madeira, vivem em moinhos e fabricam chocolates artesanais. E, como se fosse pouco, há grandes campos para caminhar e pegar um ar, junto com opções de passeios pelo lugar de bicicleta ou de barco.

5. Tomar uma bebida a −10 °C

Bar de Gelo é um lugar completamente diferente, onde experimentei o que é estar em um cômodo com paredes, piso e teto feitos de gelo. A entrada para o estabelecimento não é muito cara, e inclui serviço de bebidas, uma foto de lembrança e a entrega de um casaco para proteger-se dos −10 ºC em seu interior. A atenção é boa, há pessoas que falam vários idiomas, mas o espaço pode acabar sendo pequeno quando há muita gente. Sem dúvidas, a atitude mais extrema que se pode tomar nesse bar é tentar tirar uma foto com as mãos congeladas.

6. Mudança climática inesperada

Algo interessante e que me agradou muito na cidade é sua mudança climática de forma repentina. Lembrei muito do Brasil, onde de dia pode fazer sol e, de repente, chove. No entanto, a diferença é que na Holanda faz muito frio, e não é um lugar tropical. Por isso, é importante estar preparado com casaco ou guarda-chuva a todo o momento. Além disso, o cenário depois da chuva é lindo e vale a pena fotografar.

7. Comer frutas tropicais é uma experiência única

A América Latina tem a vantagem de contar com uma variedade de frutas como a manga, o morango e o maracujá, por exemplo. Na Holanda, é difícil encontrar esses produtos e sua qualidade não é tão natural como a que encontramos nas feiras ou em comércios da nossa região. Pude perceber isso quando fui comprar uma manga: ela não estava muito boa e, além disso, tirou a graça de lavá-la e descascá-la, como eu costumo fazer. Afinal, a fruta já vinha descasada, cortada e em um copinho com um garfo. Foi surpreendente para mim.

8. Alojamento disponível em qualquer lugar

Em Amsterdã e em suas proximidades, há muitas opções de alojamento, como hotéis, barcos e até estúdios musicais. Sim, você leu bem...estúdios musicais, e eu estive em um desses! Foi muito interessante estar em um lugar assim, porque você se conecta de uma forma diferente com algo que gosta e que é tão universal como a música. Além disso, também pode assistir a ensaios de bandas (o Misfits até gravou um disco lá), e tocar o instrumento de que gosta. Super recomendado!

9. Canais e pontes em toda a cidade

Amsterdã possui 75 quilômetros de canais, que somam mil pontes e que podem ser percorridos a pé, de bicicleta, de carro ou até em pequenos cruzeiros. Optei pelo barco, com a empresa Lovers Canal Cruises, e foi uma experiência muito boa. O passeio percorre todos os canais durante uma hora, durante a qual são apresentadas informações sobre a cidade, sua fundação e seus barcos. Dizem que o inverno é um excelente período para patinar sobre o gelo, já que a água dos canais se congela.

10. Comidas que você precisa provar

Os holandeses têm muitas tradições culinárias, como a sopa de ervilhas ou os arenques crus com cebolas e pepinos doces. Também têm infinitos locais de venda de batatas fritas acompanhadas de molhos e carnes deliciosos. Algo que você também encontrará a preço muito econômico são os stroopwafels, um waffle circular tão crocante quanto um biscoito, que é comido tomando café preto porque é muito doce. Sem dúvida, a gastronomia do lugar é muito rica e possui bastante variedade para todos os gostos.

E você, o que tem para contar sobre suas viagens? Que tipos de lugares incríveis já descobriu e poderia compartilhar conosco? Deixe seu comentário!