Incrível
Novo Popular
Inspiração
Criatividade
Admiração

15 Mitos sobre os tubarões em que devemos parar de acreditar

----
845

Você é o tipo de pessoa que, quando vai à praia, fica olhando para os lados para ver se há algum tubarão por perto? Se esse for o seu caso, é importante saber que existem muitos mitos sobre esses predadores marinhos, a maioria deles sem muito fundamento. Na realidade, sabemos muito pouco sobre os tubarões e muitas das informações que nos chegam são falsas, propagadas, sobretudo, por produções do cinema.

O Incrível.club juntou os mitos mais comuns sobre os tubarões. Como nunca sabemos o dia de amanhã, é melhor prestar atenção.

Mito 1: os tubarões detectam uma gota de sangue a quilômetros de distância

É verdade que os tubarões têm um olfato muito desenvolvido. Na realidade, algumas espécies podem sentir o cheiro de sangue a uma distância de até 400 m. Assim como nós, eles possuem fossas nasais embaixo do focinho que servem para identificar centenas de “aromas” na água. Mas isso não significa que um tubarão sempre vai atacar se sentir cheiro de sangue. O mais provável é que ele não faça isso.

Vamos supor que você esteja nadando e machuque o pé. Para que o cheiro de sangue chegue até um tubarão ele precisa viajar a uma grande velocidade, e isso depende das correntes marítimas. Além disso, o tubarão precisa identificar o cheiro e decidir se ele é ou não é atrativo. E isso é impossível de acontecer se o animal estiver a muitos quilômetros de distância. Portanto, nade tranquilamente até a praia para fazer um curativo.

Mito 2: os tubarões gostam de carne humana

Existe a crença de que os tubarões adoram carne humana e que se você estiver nadando e vir um na sua frente ele vai direto para a sua barriga. Esse é um erro. Cada tipo de tubarão tem um tipo de gosto e eles variam muito.

tubarão-limão, por exemplo, adora comer moluscos, peixes pequenos e alguns tipos de pássaros que ficam perdidos no oceano, mas não gosta de carne humana. Portanto, embora possua um olfato que permite detectar o cheiro de sangue a vários quilômetros de distância, isso não significa que o tubarão vai necessariamente querer comer carne.

Mito 3: os tubarões caçam os humanos de propósito

Se um tubarão ataca um nadador, ele geralmente não faz isso de propósito. Em geral, isso acontece por casualidade ou por confusão. Muito provavelmente o animal pensou ver um lobo marinho ou uma foca. Uma outra razão é a curiosidade. Se algo na água chamar a atenção do tubarão, talvez ele se aproxime para mastigar um pouco e ver se vale a pena continuar comendo.

Mito 4: se um tubarão para de nadar, morre

Para entender por que esse mito não é totalmente verdadeiro, é preciso aprender duas coisas sobre a maneira de respirar do tubarão. Eles têm dois modos de obter oxigênio. O primeiro se chama bombeamento bucal — o animal usa os músculos das bochechas para tirar a água da boca e a expulsa com as brânquias. Graças a esse método de respiração, esses gigantes podem ficar quietos, descansando no fundo do mar.

O segundo modo se chama ventilação ram. Para que as brânquias obtenham o oxigênio da água, o tubarão deve se manter em movimento. Talvez seja por isso que as pessoas imaginem que, se fica parado, ele para de respirar e morre. Das 400 espécies de tubarões que existem no oceano, apenas 20 usam a ventilação ram.

Mito 5: os tubarões podem saltar acima da superfície da água

Nunca faltam cenas de tubarões saltando e ultrapassando a superfície da água em filmes. Uma imagem assim é rara de ver na natureza. Na realidade, apenas o tubarão branco pode saltar até 2,5 metros acima do nível do mar e faz isso para caçar. Para ver uma cena como essa, você teria de viajar pela costa da África do Sul, porque esse fenômeno só ocorre por lá.

Mito 6: as medusas são um bom esconderijo

Talvez você já tenha escutado de algum mergulhador que uma boa estratégia para escapar do ataque de um tubarão é se esconder entre as medusas. Uma má decisão. Os tubarões não têm medo das medusas porque a sua pele é grossa demais para sentir qualquer coisa. Embora tenham olhos sensíveis, eles podem cobri-lo com uma membrana especial se necessário. Se você der de cara com um tubarão enquanto estiver mergulhando, a última coisa que deve fazer é fugir na direção de medusas porque quem vai acabar machucado é você.

Mito 7: todas as espécies de tubarão são predadoras

Nem todos os tubarões caçam para sobreviver. O tubarão-baleia, por exemplo, parece assustador pelo tamanho — chega a 12 metros; contudo, ele se alimenta de plâncton, que filtra com as brânquias modificadas. Outra espécie, o tubarão-lixa, se alimenta de lagostas, raias e ouriços do mar.

Mito 8: se não há ataques, a costa é livre de tubarões

Em todos os oceanos  tubarões. O mesmo acontece em águas profundas ou costeiras, em estuários e até em determinados rios. Não ver um tubarão não significa que não haja tubarões na região. O que ocorre é que muito provavelmente eles estão escondidos.

Mito 9: todos os tubarões são iguais

Peça a uma criança que desenhe um tubarão. Muito provavelmente você vai receber um desenho com a típica imagem de um peixe com barbatanas, dentes ameaçadores e um aspecto furioso.

Como já dissemos, existem por volta de 400 espécies de tubarões, dos mais variados tipos e tamanhos. As menores medem 20 cm e vivem em águas profundas. Outras são enormes, que é o caso do já citado tubarão-baleia.

Mas nem todos eles têm dentes afiados. O tubarão-cornudo tem os dentes em forma de molares, que servem para triturar os cascos das tartarugas. Já o tubarão-peregrino praticamente não tem dentes; ele se alimenta de outra forma.

Mito 10: os tubarões são cruéis

reputação dos tubarões é de animais ferozes, implacáveis e sanguinários. Mas é possível assustar um tubarão e fazer com que ele vá embora. Se você encontrar um, tente se mostrar agressivo e nade na direção dele. É muito provável que ele fuja. Claro que a natureza nem sempre é completamente previsível, mas isso é o que os especialistas recomendam. A maioria dos ataques a humanos aconteceu porque o nadador estava distraído e não viu o tubarão chegar. Lembre-se: a sua reação importa e muito nesses casos e o principal é não entrar em pânico.

Mito 11: os tubarões nadam na superfície

Outra ideia em que muitas pessoas acreditam se baseia nas cenas de filmes em que um tubarão aparece nadando na superfície. Na verdade, a maioria prefere águas profundas. É lá que eles encontram melhores condições para se alimentar.

Mito 12: os tubarões só mordem de lado

Essa ideia é uma grande mentira. Os tubarões podem atacar e morder de qualquer ângulo. Por isso, é sempre importante tomar cuidado.

Mito 13: os tubarões vivem milhares de anos

Tubarão da Groenlândia

Algumas pessoas desinformadas acreditam que os tubarões podem chegar a viver mais de mil anos. Na realidade, a média de vida de um tubarão é de 70 anos. Contudo, para toda regra existe uma exceção. O tubarão da Groenlândia vive entre 300 e 500 anos. Os segredos da sua longevidade são a água gelada e seu enorme tamanho. Essa combinação faz com que seu metabolismo seja extremamente lento e é por isso que o animal demora tanto para envelhecer.

Mito 14: os tubarões têm língua

Outro mito criado por culpa dos filmes. O que os tubarões têm é um órgão semelhante à nossa língua, chamado de basihyal. É uma parte da cartilagem frontal que vai do peito até a boca e serve para segurar o esqueleto. Mas ele não participa no processo de alimentação.

Mito 15: os tubarões podem nadar para trás

Os produtores de filmes realmente enfiaram ideias irreais na cabeça das pessoas. É muito comum vermos cenas em que o tubarão nada para trás, com medo de cair em alguma armadilha. A anatomia do tubarão não deixa ele fazer isso. Ele se impulsiona apenas para a frente com ajuda do rabo e das barbatanas, mas não é capaz de nadar para trás.

Você conhece algum outro mito sobre os tubarões? Já teve a oportunidade de ver um ao vivo no mar? O que fez? Compartilhe a sua história nos comentários.

----
845