Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Elizabeth e Philip, uma história de amor da realeza contada em 11 partes

31-5
314

Cada casamento tem seus próprios costumes, curiosidades e hábitos. E o de Elizabeth II, rainha da Inglaterra, com seu consorte, Philip, duque de Edimburgo, não foge à regra. Essa história que durou mais de sete décadas chegou a ter alguns elementos de contos de fadas. Mas é claro que, como em toda relação a dois, a vida de Elizabeth e Philip teve altos e baixos. E eles conseguiram lidar mesmo com as situações mais difíceis.

O Incrível.club fez uma compilação de alguns fatos engraçados sobre essa bela relação entre a rainha britânica e o seu príncipe grego.

1. Elizabeth começou o relacionamento contra a vontade do seu pai

Assim como a união do príncipe Charles com Diana passou por um momento de desaprovação familiar, o namoro entre Elizabeth II e Philip, duque de Edimburgo, teve de ser mantido em segredo, devido ao receio em relação aos sentimentos do pai da rainha.

Isso acontecia porque ele considerava o príncipe grego muito maduro para a sua filha e Elizabeth muito jovem para um relacionamento sério. No entanto, ela decidiu se casar com o amor de sua vida, com quem mais tarde começou uma belíssima família.

2. Philip encantou Elizabeth com sua personalidade

De acordo com a governanta de Elizabeth e Margaret, a mais velha das irmãs se apaixonou por Philip quando ambos eram jovens: ele, um adolescente de 18 anos, e ela, uma menina de 13.

Philip acompanhou as princesas em um passeio pela Royal Navy Academy e Elizabeth ficou impressionada com cada ação do garoto, desde comer uma quantidade incrível de camarão até brincar na rede na quadra de tênis. A futura rainha da Inglaterra via tudo rosa, quando se tratava das ações da sua paixão.

3. Um vestido de noiva pago com cupons

Embora não seja raro comprar um vestido de noiva a crédito, a situação econômica da Grã-Bretanha na época do casamento levou a Coroa a usar um método de pagamento mais incomum: cupons de racionamento. Para poder pagar os materiais do precioso vestido de Elizabeth, que tinha um véu bordado de quase 4 metros, foram utilizados ​​200 desses cupons.

4. Eles compartilharam uma tataravó

As famílias europeias compartilham ancestrais. Um exemplo disso foram Elizabeth e Philip, que sendo de nacionalidades completamente diferentes (ela britânica e ele grego/dinamarquês), eram descendentes da rainha Victoria.

Enquanto Elizabeth vivia como uma princesa e futura rainha da sua Nação, sendo estritamente treinada como herdeira do trono, Philip, embora fosse membro da aristocracia, teve uma infância e uma adolescência mais comuns.

5. Os casais daquela geração não demonstravam seu afeto em público

Embora muitos tenham testemunhado o amor à primeira vista de Elizabeth por Philip, os românticos das gerações mais novas podem se surpreender ao constatar que quase não há fotos do casal de mãos dadas.

Tradicionalmente, os casais britânicos da geração de Elizabeth e Philip tendiam a ser reservados em relação ao seu afeto, compartilhando momentos como esses somente na intimidade dos seus lares e mantendo uma distância adequada um do outro em público. Porém, são décadas de fotos de conversas animadas, sorrisos e até cobertores compartilhados por esse lindo casal!

6. Para Philip, ingressar na Corona britânica foi impactante

Em relação à sua carreira, Philip aspirava ter um posto militar. Inclusive caminhava nessa direção, até que, infelizmente, seu sogro, o rei George VI, faleceu.

Isso apressou a coroação de Elizabeth e levou Philip a abandonar sua carreira militar para servir como consorte da rainha, uma posição que frequentemente era restritiva e desconfortável. Porém, em suas próprias palavras, sempre buscou o lado positivo da situação.

7. Para que Philip pudesse se casar com Elizabeth, teve de renunciar à sua nacionalidade e se tornar britânico

A união de Elizabeth com Philip exigiu muitas mudanças, antes de ser aceita. Algumas delas requeriam sua renúncia dos seus títulos de nobreza na Grécia e aceitasse a nacionalização britânica. Por esse motivo, Philip perdeu seu título de príncipe. Mas o rei George VI compensou esse fato com os títulos de duque de Edimburgo, conde de Merioneth e barão de Greenwich.

8. O romance entre Elizabeth e Philip foi metade destino e metade planejado

A visita das princesas à universidade de Philip ocorreu justamente no momento em que houve um surto de catapora nos dormitórios, cujo percurso sofreu uma alteração.

auxiliar de campo do rei Edward VIII (tio de Elizabeth e rei por menos de um ano), o conde Louis Mountbatten, tio de Philip, parece ter se aproveitado da situação ao propor ao seu sobrinho que fosse acompanhante das princesas, iniciando um relacionamento duraria mais de 70 anos.

9. Graças à Elizabeth, Philip deixou para trás sua vida de cidadão comum

Embora fizesse parte da aristocracia grega, Philip passou por situações muito difíceis. Ele precisou se exilar da Grécia quando ainda era apenas um bebê e não teve acesso à fortuna da sua família (ou a uma riqueza equivalente à da monarquia britânica), assim, cresceu como um cidadão típico.

Encontrar o verdadeiro amor na herdeira do trono, que se apaixonou por ele à primeira vista e desafiou os desejos do pai de se casar com ele em um casamento espetacular, soa bastante familiar, não acha?

O fato de Elizabeth enxergá-lo como o príncipe encantado, tal qual em Cinderela, uma peça tradicional de Natal na Grã-Bretanha, acrescenta um toque quase mágico à história.

10. Elizabeth ficava tímida diante da sua paixão

Como muitas outras adolescentes, conversar com o garoto dos seus sonhos pode ser assustador. Philip se lembrou com nostalgia que Elizabeth se sentia assim. Ela ficava tímida e silenciosa diante do príncipe galã, e ele mencionou uma vez, quando falaram sobre seu primeiro encontro: “Você estava muito quieta, não conseguia arrancar uma palavra sua”.

Felizmente, depois disso, os dois começaram a trocar cartas, o que ajudou a princesa a se expressar, sem sofrer com seu nervosismo.

11. A privacidade pode ajudar a manter um casamento

Clarence House foi o lar temporário de Elizabeth e Philip, antes de se mudarem para Buckingham, e uma estratégia da classe alta britânica para garantir um relacionamento saudável e harmonioso sempre foi ter um quarto separado para cada um. Essa medida, como explicaram em entrevista à Vanity Fair, ajudava cada um a sentir que tinha seu próprio espaço pessoal.

Esse truque ajuda muitos casais em seu relacionamento, embora possa não ser algo que se esperaria dessa famosa história de amor da Grã-Bretanha.

O que podemos aprender com esse casamento de 70 anos, que começou como um conto de fadas, é que, quando você se compromete com alguém de coração, pode não apenas começar uma bela família, mas também superar quase todas as adversidades. Que tradição familiar existe em sua casa que poderia impactar seu futuro parceiro?

31-5
314
Compartilhar este artigo