Incrível
Incrível

Como o estresse pode afetar o gênero do seu futuro bebê

As chances de uma mulher engravidar são de, em média, 31% se a tentativa ocorrer um dia antes da ovulação e de 33% quando acontece durante a ovulação. Porém, estudiosos descobriram outro aspecto que também pode afetar os rumos da gravidez.

Incrível.club encontrou uma pesquisa muito interessante envolvendo a tendência a ter um filho ou uma filha. E é disso que este artigo trata. Para descobrir mais, continue lendo.

O estresse também pode afetar o gênero do seu futuro bebê

A taxa “natural” de nascimentos é de cerca de 105 meninos para 100 meninas. Só que apenas um terço das mulheres que vivenciaram momentos de estresse, envolvendo o aumento das taxas hormonais e de açúcar no sangue, o ganho de peso corporal ou até mesmo marcadores inflamatórios tiveram filhos homens, segundo os pesquisadores.

Especialistas observaram que as mulheres que passaram por situações de estresse tenderam a ter mais meninas. Os responsáveis pelas análises não consideram esses resultados algo definitivo, que tenha um peso de 100% na definição do gênero da criança. Mas afirmam ser essa uma questão a se levar em conta durante a gravidez.

O estresse físico tem mais impacto

O estresse físico e o emocional podem reduzir as chances de a mulher ter um menino. E o gênero masculino é mais vulnerável a ambientes gestacionais adversos. Há pesquisas apontando que fetos do gênero masculino tendem a sobreviver menos.

Depois de uma observação cuidadosa, os estudiosos notaram que, em média, 56% das mulheres saudáveis deram à luz bebês do gênero masculino. Entre mulheres psicologicamente estressadas, a taxa foi de 40%. Já em meio àquelas fisicamente estressadas, o índice de bebês meninos foi de apenas 31%.

O apoio social é importante no planejamento da gravidez

Quanto mais apoio a mulher recebe, maiores são as chances de ela ter um bebê do gênero masculino, de acordo com as conclusões obtidas por pesquisadores após diversos estudos.

Três diferentes aspectos do apoio social foram identificados como importantes para que a futura mãe se sinta menos estressada:

  • Ter pessoas com quem conversar
  • Ter gente com quem conviver
  • Ter pessoas com quem contar se precisar de ajuda

Mas é claro que esse apoio é fundamental durante a gestação, independentemente do gênero da criança.

O estresse físico, como mostramos, foi apontado como um fator de enorme peso no gênero do futuro bebê, mas o apoio social exerce uma enorme influência biológica na saúde da mãe, podendo gerar efeitos impactantes. O importante é que a mulher se sinta segura e tranquila, e é bom colocar em prática técnicas de relaxamento para evitar o excesso de estresse durante a gravidez.

Você já tentou planejar o gênero do seu futuro bebê? Se pudesse escolher, o faria? Lidou com momentos de estresse durante a gravidez? Deixe um comentário com suas experiências!

Compartilhar este artigo