9 Mitos sobre os vikings, que acreditamos por causa do cinema

Todos nós temos memórias afetivas de alguns personagens marcantes do cinema. E caso se trate de um personagem histórico, acreditamos que a imagem na tela nos mostra sua aparência e comportamento reais. Graças ao cinema, por exemplo, muitas pessoas estão convencidas de que os vikings eram verdadeiros bárbaros, desleixados e imundos, e que usavam tranças elaboradas.

Nós, do Incrível.club, descobrimos como eram os vikings na vida real, e decidimos desmascarar alguns mitos comuns sobre esse povo lendário. Descubra você também!

Mito nº 1: Usavam capacetes com chifres

A primeira imagem de um viking usando capacete com chifres apareceu em 1825 em uma edição do livro “A Saga de Frithiof”, a antiga saga islandesa. Porém, na vida real, os guerreiros escandinavos deixavam a cabeça descoberta ou usavam capacetes simples de couro ou de metal com proteção facial. E os chifres eram usados como copos nas festas e também como um meio de comunicação com os clãs vizinhos.

Mito nº 2: Eram imundos e desleixados

Os arqueólogos encontraram vários itens de higiene dos vikings: pinças, pentes, limpadores de ouvido, palitos de dente. O cronista inglês medieval John de Wallingford descreveu-os como galãs que penteavam o cabelo todos os dias, tomavam banho uma vez por semana e mudavam de roupa com frequência. A barba dos homens podia ser de qualquer comprimento, mas era sempre limpa e bem cuidada.

Além disso, os vikings adoravam as roupas coloridas com estampas e valorizavam os tecidos delicados como a seda. O azul e o vermelho eram as cores mais populares do guarda-roupa masculino, mas os arqueólogos afirmam que as roupas dos vikings eram tingidas de todas as cores.

Mito nº 3: Trançavam o cabelo

Os homens deixavam franjas longas e mantinham o cabelo curto na parte de trás da cabeça. Aliás, eles prestavam atenção às tendências de penteados. Por exemplo, teve uma época em que no norte da Europa os loiros eram considerados mais atraentes, e, então, os vikings de cabelo escuro descoloriam os cabelos e barba usando um sabão com alto teor de soda cáustica.

Mito nº 4: Os homens eram altos e musculosos

A nutrição naquela época não era muito boa, então as crianças cresciam mais lentamente do que agora, e as pessoas eram baixinhas. A altura média de um homem era de 171 cm, e a de uma mulher 158 cm. Devido ao trabalho físico as pessoas eram musculosas. No entanto, o trabalho duro também levava a problemas nas articulações e nos dentes.

Os rostos dos homens e das mulheres eram muito parecidos. O rosto masculino era ligeiramente feminino e o rosto feminino era um pouco mais masculino, com mandíbulas e arcos de sobrancelhas bem pronunciados. É por isso que os arqueólogos às vezes enfrentam dificuldades para determinar o gênero dos vikings a partir dos encontrados restos mortais.

Tanto as mulheres quanto os homens usavam um tipo de delineador conhecido como kohl. Era um pó feito de antimônio esmagado, amêndoas queimadas, chumbo, cobre oxidado, ocre, cinza, malaquita e o mineral crisocola. Esse tipo de “maquiagem” foi considerado bonito, além de ajudar a proteger os olhos dos raios solares que se refletiam da neve.

Mito nº 5: Todo escandinavo medieval era um viking

A palavra “viking” vem da palavra nórdica antiga “vikingr”, que significa “invasor”. No idioma anglo-saxão existia uma palavra parecida, “wicing”, que originalmente significava apenas “pirata”, mas com o tempo tornou-se o nome para os saqueadores nórdicos. Então, nem todos os escandinavos eram vikings.

Geralmente os vikings eram jovens famintos de riqueza e aventuras. Portanto, eles não tinham um estado centralizado e organizado e não viviam apenas na Escandinávia. Os arqueólogos encontram vestígios da cultura viking em todo o mundo.

Mito nº 6: Navegavam em barcos decorados com cabeças de dragão

A única evidência disso é o graffiti escandinavo nas paredes da Basílica de Santa Sofia em Istambul. As imagens retratam uma frota de barcos com cabeças de dragão. Porém, as evidências arqueológicas são ambíguas.

Um único navio que supostamente era decorado com cabeça de dragão foi encontrado na Dinamarca. A decoração não permaneceu em sua totalidade, sobreviveu apenas a “crina do dragão”, feita de ferro, mas também há um espaço onde podia ter sido localizada a cabeça.

Mito Nº 7: Eram os únicos habitantes da Escandinávia medieval

A Escandinávia era habitada não só pelos vikings, mas também pelos nômades sámi, também conhecidos como lapões, que viviam no Extremo Norte — da Noruega, Suécia, Finlândia e partes da Rússia. Os noruegueses chamavam esse povo de finnars. Entre os nórdicos e os sámis havia intercâmbios comerciais e até uniões matrimoniais.

Mito nº 8: Passavam o tempo todo atacando e saqueando

Cristóvão Colombo (imagem à esquerda) e Leif Eriksson (imagem à direita).

Os vikings de fato se tornaram famosos por algumas invasões brutais. Por exemplo, um ataque dos vikings destruiu o monastério da ilha de Lindisfarne, ao largo da costa nordeste da Inglaterra. Os monges residentes foram mortos e os nórdicos levaram todos os tesouros da igreja.

Apesar disso, os guerreiros nórdicos também eram comerciantes, viajantes e exploradores. Eles organizavam as expedições marítimas não apenas para a Europa, mas também para a Rússia, Ásia Central e algumas regiões da África.

Os arqueólogos também encontraram evidências da chegada dos escandinavos na América do Norte. O primeiro europeu a chegar ao Novo Mundo pode ter sido o navegador Leif Eriksson. Então, é provável que a América tenha sido descoberta muito antes do que por Cristóvão Colombo, no século XI.

Mito nº 9: Nunca ficavam parados

Na segunda metade do século ХХ a comunidade arqueológica ficou impressionada com as evidências trazidas pelas escavações na área de Coppergate, na cidade inglesa de York. Embaixo de uma cafeteria, em bom estado de conservação, foram encontradas e desenterradas casas dos vikings, suas roupas e utensílios domésticos. Desde então, os pesquisadores mudaram sua opinião sobre os vikings e passaram a considerá-los como pessoas que dedicavam bastante tempo aos cuidados do lar e da família.

Você gosta de como os vikings são retratados nos filmes? Em quais mitos você acreditava antes de ler o artigo, e quais deles sempre levantavam suspeitas? Deixe o seu comentário!

Compartilhar este artigo