Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

12 Cidades onde o sol quase nunca aparece

----
25k

Do ponto de vista científico, o sol brilha sem parar, mesmo que nem sempre o possamos ver porque seus raios se perdem no meio das nuvens. O poder do astro-rei é impressionante porque, além de esquentar, faz com que nos sintamos melhores, com mais vida e muito mais bem dispostos.

Infelizmente, nem todo mundo tem a sorte de poder ver o sol todos os dias. Algumas cidades do mundo já se acostumaram a não esperar que o sol apareça. É por isso que, quando as nuvens vão embora e os primeiros raios aparecem, as pessoas ficam super felizes, como se estivessem em uma festa. Mas o que será que as pessoas que moram em lugares onde quase nunca há sol podem fazer?

Alguns metereologistas medem a luz solar com equipamentos especiais. O dispositivo captura o período de sol em diferentes localidades.

Com base nesses estudos, trazemos uma lista com as cidades que menos veem a luz do sol no mundo. No final, colocamos um bônus que mostra o que uma cidade fez para conseguir reverter a eterna escuridão.

Londres, Reino Unido

Aproveita a luz do sol aproximadamente 68 dias por ano.

Sim, Londres é uma cidade cinza e chuvosa, mas da lista que trazemos hoje ela é a que aproveita mais a luz. Também não vamos dizer que a capital britânica seja o lugar onde mais chove da Europa, mas as nuvens definitivamente adoram essa metrópole. Quando o sol vem, vem e fica por alguns dias. Talvez para que as pessoas se sintam um pouco melhores.

Juneau, Estados Unidos

Aproveita o sol aproximadamente 67 dias por ano.

Não dava para esperar outra coisa da capital do Alasca. Mais de 90% de toda a superfície se destaca pela natureza selvagem, com montanhas e uma floresta praticamente intacta. Embora tenha uma área urbana muito grande, a natureza e a falta de luz explicam o fato de ela ser tão pouco habitada.

Colônia, Alemanha

Aproveita o sol aproximadamente 65 dias por ano.

Colônia é um importante centro cultural e histórico da Alemanha. Sua arquitetura, gótica, muito conhecida pela catedral, os museus e o carnaval mais famoso do país, tornam a cidade muito ativa e agitada. A desvantagem são os poucos dias de sol.

Birmingham, Reino Unido

Aproveita o sol aproximadamente 62 dias por ano.

Birmingham é uma das maiores cidades do Reino Unido e o sol realmente é um visitante muito pouco comum na região. O clima é úmido e não muda muito. Os quase 2 milhões de habitantes já se acostumaram a viver assim. Por isso que um dia de sol é motivo para muita festa, razão para sair na rua e adiar qualquer outro projeto.

A informação passada aos turistas é que na região não faz muito frio, mas o clima é super úmido. Não obstante, isso não é motivo para recusar uma boa diversão: a cidade oferece uma quantidade enorme de museus, monumentos, um lindo jardim botânico e festivais de música. Quase não há tempo para sentir saudade do sol.

Kiruna, Suécia

Aproveita o sol aproximadamente 61 dias por ano.

O significado do nome da cidade é 'perdiz branca', e ela é um lugar mágico. Sempre foi relacionada com lendas e dizem que lá está a pedra filosofal. O mistério da cidade está na sua proximidade com o Círculo Polar Ártico. O sol aparece de maio a julho. Depois, o espaço recebe apelas a escuridão da noite polar eterna.

Reikiavik, Islândia

Aproveita o sol aproximadamente 55 dias por ano.

A capital da Islândia é muito viva e tem muito estilo, por isso a falta de sol não costuma ser criticada pelos turistas. Casas coloridas, pessoas amáveis, muita oferta para diversão e piscinas térmicas abertas o ano todo. Uma das peculiaridades da cidade é o seu ar incrivelmente limpo. Não há indústrias poluindo a região e as casas se esquentam com água de mananciais termais.

Murmansk, Rússia

Aproveita o sol aproximadamente 53 dias por ano.

Murmansk fica acima da linha do Círculo Polar Ártico, o que faz com que a noite seja eterna, mas os poucos dias podem atrair o tão desejado sol. De dezembro a janeiro, o sol aparece logo acima do horizonte.

Prince Rupert, Colúmbia Britânica, Canadá

Aproveita o sol aproximadamente 52 dias por ano.

Esta cidade sombria na ilha de Kaien, no Oceano Pacífico, está rodeada de montanhas. Pessoas que preferem um clima quente e seco jamais se adaptariam a ela.

Durante 240 dias por ano chove. Quando a chuva para, a cidade fica imersa em uma grande neblina. Sem dúvida, um bom lugar para gravar filmes de suspense. Mesmo assim, a cidade é importante para a economia canadense.

Nikolskoye, Kamchatka, Rússia

Aproveita o sol aproximadamente 41 dias por ano.

Essa aldeia triste fica na Ilha de Bering, quase na fronteira com o Alasca. A luz do sol é um fenômeno que poderia ser considerado raro. A vida de seus 700 habitantes não é muito diferente da vida de outros moradores de pequenas cidades russas. A aldeia tem o seu próprio aeroporto, que a comunica com as principais cidades da península de Kamchatka. Nikolskoye é o único lugar na Rússia onde vive uma pequena etnia de aleutas. Eles vêm das Ilhas Aleutianas, no Alasca.

Tórshavn, Dinamarca

Aproveita o sol aproximadamente 35 dias por ano.

Como em quase toda a Dinamarca, o nível de vida na região é muito bom, e a cidade é conhecida como uma das mais nubladas do mundo. O que disfarça um pouco o cinza do clima são as paredes das casas, pintadas com as cores do arco-íris, criando uma espécie de iluminação nas ruas. Outros elementos de decoração são os jardins, que fazem da cidade um lugar bastante acolhedor.

Jan Mayen, Noruega

Aproveita o sol aproximadamente 34 dias por ano.

O lugar mais nublado do planeta é a ilha Jan Mayen, cuja capital e única localidade existente no território é Olonkinbyen. Quase sempre coberta com uma densa camada de névoa, ela costuma ser escura. O que salva as pessoas da depressão é a linda natureza virgem que a cerca.

Bônus

A pequena cidade norueguesa de Rjukan não vê o sol durante 6 meses. Nos outros meses, depende da sorte. Ela poderia ser a campeã da lista não fosse por um detalhe: está cercada de montanhas que impedem que a luz do sol chegue no inverno, já que ele passa próximo à linha do horizonte.

Esse problema foi resolvido em 2013, quando espelhos foram colocados em pontos estratégicos para refletir a luz diretamente para a cidade. Infelizmente, isso só acontece no centro da cidade. Melhor não saber como vivem os outros habitantes da região.

Imagem de capa norwegenservice.net
----
25k