Incrível
Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração
Incrível

15+ Borboletas que tiraram nosso fôlego com sua encantadora beleza

3-3-
527

É até difícil imaginar uma primavera sem belas borboletas voando de flor em flor. Mas se prestarmos bem atenção, elas podem ser vistas em qualquer época do ano. Sejam elas pequenas ou tão grandes quanto uma mão humana, as borboletas enchem nossos olhos com suas cores, a forma original de suas asas e pela sensação quase mágica que elas transmitem. Como acontece com todo inseto, a presença das borboletas é fundamental no ecossistema, já que elas polinizam as flores, entre outras funções importantes. Sim, as borboletas são seres incríveis, e existem espécies tão lindas e chamativas que vale a pena descobrir mais sobre elas.

O Incrível.club quer compartilhar com você o charme das borboletas mais belas e intrigantes do mundo. Prepare-se para uma revoada de beleza!

1. Borboleta-transparente (Greta oto)

Ela é conhecida como borboleta-transparente por ter asas com essa característica, quase que totalmente sem cor. A espécie pode ser encontrada em regiões úmidas da América Central, costumando fazer longas migrações entre México e Panamá. Ela se alimenta do néctar de flores tropicais e, quando adulta, chega a ter entre 5,5 e 6 centímetros de envergadura.

2. Borboleta “88” (Diaethria anna)

As linhas escuras presentes nas asas dessa borboleta lembram o número 88 (em alguns casos, lembram mais o 89), e é daí que vem seu nome popular. Ela está presente em áreas tropicais, indo do México à Costa Rica, mas espécimes já foram encontrados na Colômbia e no Estado norte-americano do Texas. Quando adultas, elas gostam de se alimentar com frutas em decomposição. Existe outra espécie muito parecida que vive do México à Argentina: a Diaethria clymena. Ela também tem o mesmo número “tatuado” nas asas.

3. Borboleta-zebra (Heliconius charithonia)

Em 1996, essa belíssima borboleta foi declarada a borboleta oficial da Flórida, Estados Unidos, apesar de seu habitat natural se estender pela América Central, do Sul e pelo Caribe. As linhas brancas e amareladas sobre um fundo escuro presentes em suas asas lembram muito a pelagem das zebras. Quando passa à fase adulta, esse inseto se alimenta de pólen, assim como de néctar. É por esse motivo que ela tem uma grande longevidade, podendo viver por até três meses. Outra característica da borboleta-zebra é que ela gosta de viver em grupos compostos por até 70 indivíduos, sendo que todos eles inclusive dormem juntos no mesmo lugar.

4. Morpho epistrophus argentinus

As cores dessa borboleta, que pode ser encontrada na região da Mesopotâmia argentina e em Buenos Aires, vão do azul-celeste claro ao branco. Desde 2017, é oficialmente um dos símbolos naturais da província de Buenos Aires, podendo ser vista voando entre os meses de dezembro e março. Mas às vezes ela dá o ar da graça até maio. A borboleta nunca passa despercebida, já que se trata de uma espécie grande e chamativa. Em decorrência da destruição do habitat natural, o inseto vem se tornando cada vez mais raro.

5. Borboleta-coruja (Caligo)

A primeira coisa que chama atenção nessa borboleta é seu grande tamanho. Ela chega a ter até 20 centímetros de envergadura. Além disso, o inseto é conhecido por possuir asas que lembram olhos de coruja. Originalmente habita regiões de mata do sul do México ao sul do Brasil, passando por Trinidad e Tobago.

6. Papilio polymnestor

Ela pode ser encontrada no Sri Lanka e no sul da Índia durante todo o ano, voando até mesmo em meio ao trânsito urbano. Contudo, a borboleta aparece com mais frequência e em maior número durante e depois das monções. Os machos da espécie gostam de tomar sol e pousar em poças de água. Capturar uma borboleta dessas é tarefa difícil, pois elas voam rapidamente, mudando de trajetória com frequência. . Esses insetos são famosos polinizadores do cardamomo, uma das plantas de onde extraem seu alimento.

7. Mariposa-de-babados (Gastropacha quercifolia)

Quando essa borboleta está em repouso, sua aparência lembra a de uma folha seca. Ela vive na Europa e na Ásia, sendo muito presente no Japão e na China. Seus hábitos são crepusculares ou noturnos, podendo até ser confundidas com mariposas mais comuns. As fêmeas são bem maiores que os machos, podendo chegar aos 50 a 90 mm de envergadura.

8. Borboleta-pavão (Aglais io)

As cores brilhantes e os círculos presentes nas asas dessas borboletas lembram a plumagem de um pavão. Contudo, tal característica é útil para que o inseto afugente os predadores: aves e roedores, em sua maioria. A borboleta habita a Ásia e a Europa. É muito encontrada em jardins, pastos e bosques. Quando ela voa, as asas produzem um som que o ser humano consegue escutar, e esse é mais um mecanismo de defesa do belíssimo inseto.

9. Graellsia isabellae

Está entre as mais belas espécies europeias não apenas por seu colorido, mas também por sua forma. Seu nome foi dado pelo descobridor, que por sua vez quis prestar uma homenagem à rainha Isabel II da Espanha. Ela possui hábitos noturnos, ou seja, voa apenas durante a noite nos meses de maio e junho. São borboletas muito presentes na França e Espanha, sendo que nesse último país elas foram declaradas de “interesse especial”, já que são atraídas pelas luzes da cidade e acabam ficando impedidas de seguir seu trajeto e de acasalar.

10. Imperador-roxo (Apatura iris)

Diferentemente de outras espécies, essa borboleta não se alimenta do néctar das flores. Ela gosta da seiva das árvores, de carne em decomposição, de urina e de excrementos de animais, além de ser atraída também pelo suor humano. Pode ser encontrada em matas, bosques úmidos e nos rios da Europa e da Ásia. As escamas de suas asas mudam de cor em contato com a luz, criando um efeito metálico que dá à borboleta ares de realeza.

11. Glória-do-butão (Bhutanitis lidderdalii)

Como o próprio nome sugere, a borboleta é oriunda do Butão. A combinação de cores e formas fez com que o inseto fosse muito caçado, entrando na lista das espécies “raras” de serem vistas e contando com proteção de uma lei indiana (a Índia é um país vizinho). A borboleta costuma voar entre as copas das árvores, dificilmente descendo até o solo. O corpo e as asas da glória-do-butão exalam um agradável aroma, que permanece no ambiente mesmo dias após a morte do inseto.

12. Morpho

Este belo gênero de borboletas é encontrado no México e em áreas tropicais da América Central e do Sul. É facilmente identificada na natureza por suas grandes dimensões e coloração azul. Só que, na realidade, essas borboletas não são azuis. O efeito é produzido pelas escamas de suas asas, que refletem diferentes escalas de luz. Quando adultos, tais insetos se alimentam de seiva, fruta fermentada, fungos e carne em decomposição. E como eles absorvem os venenos das plantas que consumem, são tóxicos para seus predadores.

13. Borboleta-cauda-de-andorinha​ (Papilio machaon)

Outra bela espécie europeia, de hábitos diurnos, facilmente localizada pelo tamanho e pela cor chamativa. Infelizmente, em algumas regiões, as populações vêm diminuindo em decorrência do uso de pesticidas nas plantações de cenoura e funcho: quando em estado larval, o inseto se alimenta justamente dessas plantas.

14. Pachliopta hector

As cores brilhantes funcionam como mecanismo de defesa para essa pela borboleta. Diante delas, os predadores entendem não se tratarem de insetos comestíveis, já que elas realmente são tóxicas. A característica é resultado da absorção das toxinas presentes nas plantas devoradas pelo inseto. A espécie é muito comum na Índia e no Sri Lanka, contando com uma metamorfose bem rápida: para passar de ovo à fase adulta, ela leva cerca de 39 a 47 dias. Costuma migrar em grupo para áreas de acasalamento.

15. Ornithoptera alexandrae

Não é por acaso que essa borboleta é considerada a maior do mundo, já que chega a ter até 28 centímetros de envergadura. Por outro lado, seu habitat é reduzido: o inseto vive nas florestas tropicais ao norte de Papua-Nova Guiné. É uma borboleta que se alimenta de uma única planta trepadeira, usada como ninho onde a fêmea coloca um único ovo. Quando a larva sai do ovo, continua se alimentando da mesma planta. Em seu país de origem, ela é protegida por uma lei específica, implementada diante da caça indiscriminada que levou o inseto a entrar em risco de extinção.

16. Borboleta-pavão-esmeralda (Papilio palinurus)

A cor característica da chamada borboleta-pavão-esmeralda é consequência do reflexo da luz nas escamas de suas asas. A espécie é nativa de países do sudeste asiático, adora o néctar das flores cítricas e é consideravelmente grande. Com as asas abertas, chega a medir até 10 centímetros.

17. Borboleta Ulysses (Papilio ulysses)

A espécie habita a Austrália, Papua-Nova Guiné e as Ilhas Molucas. É o símbolo turístico de Queensland, um dos Estados australianos. Trata-se de uma borboleta de tamanho grande, chegando aos 14 centímetros de envergadura. Quando o inseto está voando, sua intensa cor azul não é visível, pois a luz é refletida nas asas, que se tornam acinzentadas. O mecanismo é uma forma de camuflagem. Por outro lado, os machos são facilmente atraídos por objetos azuis, que pensam ser as fêmeas da espécie.

18. Almirante-vermelho (Vanessa atalanta)

A borboleta almirante-vermelho pode ser encontrada em quase todos os continentes do Planeta, mas ela gosta mesmo de climas temperados. Algumas subespécies preferem hibernar no inverno, enquanto outras migram para locais mais quentes. Quando se desloca de um ponto a outro do globo, a borboleta voa a grandes alturas, aproveitando o vento para poupar energia.

Existe algum outro inseto que você considera intrigante e gostaria de conhecer melhor? A região onde você vive costumar ter borboletas? Deixe seu comentário!

3-3-
527
Compartilhar este artigo