14 Deslizes cometidos por donos de pet que podem comprometer a saúde do animal

Os donos de animais de estimação costumam amar seus bichinhos, mas muitas vezes esquecem as regras básicas de cuidados. Na tentativa de fazer o melhor, podem acabar criando novos problemas para seu amiguinho de quatro patas. Como resultado, a saúde do animal de estimação pode ser prejudicada e seu comportamento pode sofrer mudanças.

Nós, do Incrível.club, adoramos animaizinhos. Por isso, resolvemos apontar erros comuns que até mesmo proprietários muito amorosos podem cometer.

1. Tosar os animais durante estações quentes

Independentemente se o seu bichinho mora dentro ou fora de casa, tosá-lo não é uma opção para refrescá-lo do calor. Nos animais, as glândulas sudoríparas estão localizadas nas almofadas das patas, por meio das quais o corpo é resfriado. A pelagem protege a pele dos efeitos nocivos do sol, picadas de insetos e a mantém fresca, por isso em nenhum caso devemos nos livrar dela.

Há algumas razões para tosar os pets que estão relacionadas a condições médicas. Por exemplo, o animal está prestes a ser submetido a uma cirurgia ou sofre de uma doença de pele. Para ajudá-lo a superar o calor, prepare um cantinho escuro e fresco para ele e não se esqueça de arejá-lo. Para gatos de pelos longos, por exemplo, certifique-se de escová-los todos os dias para remover o excesso.

2. Comprar tigelas de tamanhos inadequados

Se a tigela do gato for muito pequena, seus bigodes tocarão regularmente nas laterais do recipiente. Essa área sensível não deve ser estimulada com muita frequência, caso contrário poderá provocar a chamada fadiga dos bigodes. Isso pode causar estresse, agitação, mudanças em seu comportamento alimentar e agressividade.

Preste atenção também à profundidade da tigela. Se o recipiente for muito fundo, o animal pode deixar restos de ração, que devem ser descartados antes de estragar.

3. Escolher animais de estimação exclusivamente pela cor

Há pessoas que associam a cor do pelo a certos traços comportamentais do animal e consideram, por exemplo, os gatos ruivos mais amigáveis, ​​e os pretos e brancos menos sociáveis.

Antes de levar um novo pet para casa, busque informação sobre sua raça ou observe-o no canil. Alguns bichinhos costumam ser mais sociáveis e ativos do que outros, por isso é importante combinar o temperamento e a disposição do animal com o seu estilo de vida.

4. Pegar filhotes ainda muito pequenos

É difícil resistir ao encanto dos filhotinhos peludos, mas não é aconselhável levar os recém-nascidos para casa. Quando pequenos, eles precisam de cuidados especiais e acompanhamento. O novo dono talvez enfrente problemas que não podem ser resolvidos sem a ajuda de um profissional.

A melhor idade para pegar um gatinho é entre 12 e 13 semanas de vida. Antes disso, os filhotes precisam estar sob a supervisão da mãe: ela os alimenta e ensina habilidades básicas para uma vida independente. A saúde dos animais que crescem com a ninhada será muito mais forte. Além disso, eles se tornam mais sociáveis.

5. Permitir que durmam na cama

Dormir com seu amiguinho de quatro patas parece aconchegante, mas pode ser prejudicial tanto para ele quanto para você. Os animais costumam ter um ritmo noturno diferente dos humanos, e seu despertar constante pode atrapalhar o sono do dono.

Dormir com pet pode causar asma e alergias. Os gatos, por exemplo, carregam em suas patas pequenas partículas da caixa de areia, que podem conter bactérias.

Além disso, o gato ou o cachorro precisa de sua própria cama para um descanso confortável e adequado, onde possa encontrar privacidade e recuperar suas forças.

6. Não procurar por carrapatos após um passeio pela mata

Após um passeio por áreas de mata, é aconselhável verificar se há algum carrapato ou pulga grudado no seu bichinho. Os cães geralmente correm pela grama alta ou arbustos e têm todas as chances de pegar esses insetos indesejáveis.

Manter seu animal de estimação longe de parasitas reduzirá o risco de contração de doenças, como a de Lyme. Caso encontre carrapatos, cuide de seu amiguinho e leve-o ao veterinário.

7. Dar água não potável aos animais

Há quem dê água engarrafada a seu animal de estimação ou quem encha seu recipiente com água da torneira. Mas tudo depende da região em que se vive. Para evitar erros, é recomendável dar ao pet a mesma água que você bebe em sua casa.

Se a água da torneira precisa ser filtrada, então não a ofereça para seu animalzinho, pois pode conter impurezas prejudiciais à saúde.

8. Permitir que remexam o lixo

Às vezes, os cães e os gatos adoram remexer na lata de lixo em busca de restos de comida. É melhor cortar esse mau hábito pela raiz, porque o sistema digestivo dos animais é tão sensível quanto o dos humanos. Alimentos estragados também podem causar dores de estômago, náuseas e intoxicação alimentar.

Existem várias maneiras de impedi-los. Compre uma lata de lixo com tampa bem justa para que ele não consiga abri-la. Ao sair de casa, deixe brinquedos para que o bicho não fique entediado sozinho. E, claro, certifique-se de que seu pet esteja bem alimentado, para evitar a tentação de vasculhar o lixo.

9. Deixar que coloquem as patas nas pessoas

Um cachorrinho que fica nas patas traseiras na sua frente parece adorável. Mas à medida que ele envelhece, os problemas se multiplicam e ele começa a saltar nas pessoas para atrair atenção. Na pior das hipóteses, pode até derrubá-las acidentalmente.

A solução mais simples é reprimir esse comportamento desde cedo. O ideal é tentar ensinar a seu animalzinho bons comportamentos e sempre retribuir quando acertarem.

10. Colocar imediatamente os peixes no aquário novo

Assim que adquirir um novo aquário não tenha pressa em colocar peixes e outros animais no seu interior. Nos primeiros dias, o aquário deve ficar em quarentena, para que se forme um ambiente biológico especial e adequado para a vida dos peixes.

Encha o aquário com água passada por um filtro especial, adicione plantas e abrigos para os futuros moradores.

Também não é aconselhável colocar muitos peixes de uma só vez, já que o excesso de resíduo que se deposita na água pode torná-la prejudicial para outros animais no aquário.

11. Superalimentar os peixes de aquário

A alimentação é uma das poucas maneiras de demonstrar afeto ao seu pet de aquário. Portanto, muitos donos acabam extrapolando na comida de seus bichinhos. Isso pode levar ao estresse, obesidade e degradação da qualidade da água: alimentos não consumidos começam a se decompor e liberar toxinas.

12. Instalar apenas um poleiro na gaiola dos pássaros

Muitas vezes as gaiolas têm apenas um poleiro. Por causa disso, as aves podem desenvolver pododermatite (uma doença de pele dos membros inferiores) ou feridas nos pés. Para uma vida saudável e de qualidade, os papagaios e outras aves precisam de três a quatro poleiros diferentes. E é melhor que não sejam de plástico e tenham uma superfície irregular. Isso evitará que os pássaros tenham uma má circulação de sangue em seus membros. É importante que o diâmetro do poleiro corresponda ao tamanho das garras da ave.

13. Oferecer poucos brinquedos aos pássaros

Os pássaros geralmente precisam de vários tipos de brinquedos: para os pés, para o bico, para se pendurar e muito mais. É importante que eles possam realizar várias atividades. Além disso, os itens de entretenimento precisam ser trocados periodicamente, caso contrário, o pássaro pode ficar entediado.

14. Escolher a forração errada para a gaiola do hamster

A forração da gaiola dos hamster é tão importante quanto sua dieta. O uso de jornais é totalmente desaconselhado, pois a tinta de impressão é tóxica.

A melhor opção são as forrações de materiais macios feitas especialmente para gaiolas, que devem ser trocadas quinzenalmente. Elas não tendem a causar alergias ou ferimentos ao seu animal de estimação.

Você tem um animalzinho de estimação em casa? Que dica adicionaria à nossa lista para donos de pet de primeira viagem?

Compartilhar este artigo