Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração
Incrível

Por que é importante que as crianças façam perguntas e como isso pode ajudar na relação entre pais e filhos

Chega um momento na vida de uma criança que absolutamente tudo vira motivo de pergunta. “Por que fica de noite? Por que sonhamos enquanto dormimos? De onde vêm os bebês?” Esses são apenas alguns dos inúmeros exemplos que poderíamos dar. Mas o problema é que quando não respondemos a uma pergunta, ela se desdobra em muitas outras, e embora em um primeiro momento esses questionamentos possam parecer simples, suas respostas são bastante complexas e muitas vezes chegam a exigir algum conhecimento prévio.

O Incrível.club sabe que a infância é uma etapa muito importante e que nem sempre é fácil encarar as muitas perguntas que nossos filhos nos fazem. Por isso, hoje trazemos alguns exemplos valiosos e algumas dicas sobre como lidar com essas situações.

Por que é importante que as crianças perguntem “Por quê?”

Ficar respondendo a muitas perguntas não é exatamente uma grande diversão, mas para uma criança pode ser muito mais produtivo tirar dúvidas do que ficar assistindo à televisão, já que fazer perguntas é uma forma de participar ativamente do aprendizado. Além disso, pensar, verbalizar e formular perguntas concretas sobre um determinado tema que a criança ainda não entende é uma forma de estimular um pensamento muito mais crítico.

Nesse sentido, evite demonstrar insatisfação com as perguntas; em vez disso, se estiver muito cansado, fale que você continuará respondendo no dia seguinte. Crianças precisam dessa interação com os pais porque elas gostam de saber que estão sendo acompanhadas nesse processo de aprendizagem.

Elas fazem uma média de 73 perguntas por dia

Segundo uma pesquisa publicada pelo site britânico Littlewoods, as crianças fazem uma média de 500 perguntas por semana. No “bombardeio” de perguntas, as mães são as que mais sofrem, pois os pequenos preferem tirar suas dúvidas com elas. Ao ver esses números, é natural ficar com medo e querer sair correndo, mas é importante lembrar que as crianças pequenas estão começando a conhecer o mundo, e existem muitas coisas que elas ainda não sabem. Nesse sentido, a criança procura informações sobre aquilo que ainda não viveu.

Segundo a psicóloga clínica Sally-Anne McCormack, as crianças fazem muitas perguntas porque são curiosas por natureza. “Tudo o que as cerca e tudo o que veem, tocam, sentem e cheiram é novo para elas. E elas sempre querem saber mais sobre as coisas”. Você já viajou para um país muito diferente do seu? Muito provavelmente você faria muitas perguntas ao guia para poder se sentir mais independente. É exatamente isso que acontece com as crianças. Portanto, tenha paciência e procure responder sempre com uma linguagem simples.

Para elas, as perguntas são uma forma de comunicação

A etapa das perguntas, segundo estudos, começa por volta dos 3 anos, fase em que as frases começam a ficar mais longas. A curiosidade pelo desconhecido e a comunicação se desenvolvem praticamente ao mesmo tempo, por isso, enquanto nos levam a um caminho interminável de perguntas, elas também estão aprendendo a verbalizar as inquietudes que têm em suas mentes.

Além disso, é nessa fase que elas começam a entender que a pergunta “Por quê?” de fato traz respostas. Ou seja, muitas vezes as crianças não estão fazendo uma pergunta, estão apenas querendo contar algo interessante e saber mais a respeito.

Só fazem perguntas para pessoas em quem confiam

Por mais que as crianças às vezes possam nos deixar impacientes, a verdade é que elas fazem perguntas porque confiam em nós e nas nossas respostas. Como elas têm certeza de que diremos a verdade, é muito importante mostrar que podem contar com a nossa ajuda quando estiverem realmente com uma dúvida sobre algum tema.

Pesquisadores descobriram que antes de fazer uma pergunta as crianças avaliam as possibilidades de um adulto responder; se serão capazes de encontrar a informação solicitada. Isso significa que se os pais não respondem ou fazem a criança se sentir mal, é possível que ela simplesmente não pergunte mais. Ou seja, a criança para de se interessar sobre as coisas, o que é uma grande pena, não é mesmo?

Elas nem sempre esperam uma resposta

Às vezes, nem terminamos de responder a primeira pergunta e a criança já está falando sobre outro tema, ou ela simplesmente repete a mesma pergunta de antes. Tudo isso pode ser um pouco angustiante. Segundo uma psicóloga, essa situação costuma acontecer quando a criança ainda não consegue formular frases longas; ou seja, é uma forma de estabelecer um diálogo.

“As crianças não estão necessariamente perguntando ’por quê?’, na verdade muitas vezes essa é a única forma de conhecer mais sobre um determinado tema”. Segundo alguns psicólogos, o que elas realmente querem dizer é: “Isso é interessante mesmo. Vamos falar mais a respeito. Me conte mais, por favor”. Ou seja, aproveite a oportunidade para conversar sobre o que a criança está perguntando. Se ela perguntar por que as estrelas aparecem durante a noite, fale que acha elas lindas e pergunte se a criança também acha.

Essa interação ajuda as crianças a crescerem mais saudáveis

Para alguns pesquisadores, perguntar muito é um bom sinal. Para eles, significa que a criança está motivada para aprender, o que lhe dá maiores possibilidades de aprendizado no futuro. Especialistas fizeram um estudo com 130 pessoas (o estudo começou quando elas ainda eram bebês e foi até a fase adulta) e perceberam que os bebês que manifestaram mais interesse em aprender tiveram maiores possibilidades de se formar do que as pessoas menos curiosas.

Se o seu filho te fizer uma pergunta e você não souber a resposta (e não se sinta mal, isso acontece com frequência), pesquise com ele a resposta. Se uma criança acha um tema interessante, leia a respeito com ela. Além de transformar o aprendizado em um momento de diversão, você está criando uma boa lembrança de vocês juntos.

Outras recomendações na hora de responder perguntas de crianças

  • É importante responder sempre com a verdade: “Inventar uma história pode parecer uma estratégia para ganhar tempo, sobretudo quando temos dificuldade para explicar um determinado tema. No entanto, esse comportamento pode causar uma perda de confiança”. Como já foi dito, as crianças confiam nas nossas respostas, e essas respostas nem sempre precisam ser muito complexas. Fale de uma forma clara e dê detalhes suficientes para que a criança entenda.
  • Se a criança fizer alguma pergunta constrangedora em público, fale que você vai responder depois. Mas não tente sair pela tangente. Segundo um estudo da Universidade de Michigan, a probabilidade de que uma criança repita a mesma pergunta que não foi respondida é duas vezes maior. E a probabilidade de que a resposta leve a novos questionamentos é quatro vezes maior.
  • Uma maneira de sair desse redemoinho de perguntas é se antecipar e perguntar alguma coisa, por exemplo como é o som de um tambor ou de que cor são as flores do jardim. Um grupo de especialistas, ao avaliar um grupo de crianças, descobriu que aquelas que viam interesse por parte dos pais em fazer perguntas sobre um determinado tema aprendiam muito mais rapidamente sobre o que estava sendo discutido do que as outras. Além disso, quando uma criança perguntar alguma coisa, você pode responder: “E você, por que você acha que isso acontece dessa forma?” Assim, a criança vai pensar nas suas próprias respostas e você vai precisar apenas ouvir e guiar as reflexões e o raciocínio dela.

Qual foi a pergunta mais fofa que uma criança já te fez? E você tem alguma técnica pessoal para lidar com as muitas perguntas que as crianças nos fazem? Conte nos comentários, vamos adorar conhecer novas estratégias.

Compartilhar este artigo