Sou um cara comum que adora usar saias e vestidos e acredito que não devemos atribuir gênero às roupas

Hoje temos cada vez mais gente contra a mentalidade “rosa é para as meninas e azul, para os meninos” e tentando experimentar com seus looks. Entre eles está Connor Keaney, um jovem de 26 anos de Kings Norton, Reino Unido, que não se enquadra na moda de gênero e usa vestidos e saias. O estilo ousado de Connor é inspirador e mostra que nossa compreensão das roupas pode ser um tanto quanto obsoleta.

Nós, do Incrível.club, admiramos Connor e esperamos que sua história possa ajudar e empoderar outras pessoas, especialmente aquelas que lutam com sua identidade e suas inseguranças.

Connor adora moda desde a adolescência, por isso sempre adotou um estilo ousado

Quando viu pessoas como Harry Styles usando saias e vestidos, Connor sentiu aquilo como um sinal. No mesmo dia, pegou uma saia e a vestiu, sentindo-se incrível. “Eu simplesmente sabia que era para mim”, disse Connor. “Eu me sentia confiante e lindo e não me importava se as pessoas pensassem que não deveria me vestir assim!” Há dois anos, Connor usa roupas de todos os tipos.

Connor sempre quis ser fotografado ao lado do grafite “proud bab” (gatinha orgulhosa, em tradução livre) no centro da cidade de Birmingham, mas não conseguia encontrar a roupa certa. Chegou a experimentar alguns looks “masculinos”, mas nunca se sentiu bem, ou confortável o suficiente. O jovem procurou por todos os lugares até encontrar uma saia preta em um bazar beneficente. “Nunca me senti tão confiante, belo, atrevido, confortável, descolado e nunca vou olhar para trás!”, afirmou.

As peças de roupa favoritas de Connor são vestidos justos, itens vintage, calças de terno, blazers e, principalmente, saia para jogar tênis. “Eu me sinto tão lindo e poderoso com uma saia de tênis”, diz Connor, “e simplesmente combina com tudo!”

Connor se inspira nas pessoas ao seu redor

Ao falar sobre sua inspiração, Connor responde: “qualquer pessoa que seja criativa, corajosa, confiante, que não tenha medo do que os outros pensam, pé no chão e sem medo da norma.” Ele se associa ao herói do livro infantil de David Walliams, O Menino de Vestido. Connor se considera esse personagem na vida real e sempre recorre a essa leitura para se inspirar.

Também admite que sua maior influência e inspiração é sua mãe, responsável por apresentá-lo aos bazares beneficentes, além de ficar deslumbrante quando usa roupas de lá. “Ela é a mãe mais amorosa e solidária. Uma pessoa tão forte e me apoia em tudo o que eu disser, fizer ou vestir, ou seja, em todas as minhas escolhas.”

Ele acredita que é hora de nos livrarmos dos rótulos de gênero, especialmente em relação a algo tão simples como roupas

Connor acredita que em um futuro próximo, as roupas não terão gênero. Já vemos muito mais uma moda “unissex”, o que é um passo na direção certa. Com celebridades como Yngblud e Harry Styles escolhendo usar roupas “femininas”, cada geração acaba percebendo que não há problema algum em usar qualquer peça de roupa que você queira. É apenas material.

Ele incentiva a opção por brechós, para um consumo mais ecologicamente correto

Connor dá boas dicas a outros homens que possam querer experimentar “roupas femininas”

“Se há um homem por aí que queira usar roupas ‘femininas’, digo que o faça. Se você não se sentir confortável em fazê-lo em público, encontre um espaço seguro para começar — como o seu quarto, ou a casa de um amigo, ou um bar amigável aos LGBTQ+, e seja você mesmo. Vá a brechós, onde será menos julgado que nas grandes lojas populares, para encontrar algumas peças bonitas e baratas!”

Também pedimos a Connor dicas de moda para iniciantes

A resposta de Connor é simples e bela: escolha seu próprio estilo. “Não se oriente pela Internet ou pelo Instagram, e não queira ser como todos. Seja você mesmo, acredite, dessa forma chegará muito mais longe na vida e será muito mais amado. Se quiser usar um vestido de baile para ir ao supermercado, então use, cara!”

Que roupa você sempre quis usar, mas ainda não teve coragem ou oportunidade de experimentar?

Compartilhar este artigo