Incrível
Incrível

5 Situações em que a roupa representa um risco para a saúde

Quando alguém nos pede para desenhar um assassino, poderíamos rabiscar monstros, tubarões com dentes afiados ou criminosos com armas na mão. Mas dificilmente alguém pensaria em desenhar um par de sapatos da moda ou um suéter chamativo. Porém, a verdade é que, quando escolhidos da maneira incorreta, roupas e acessórios acabam representando uma séria ameaça à nossa saúde.

Neste post, o Incrível.club irá se aprofundar nos erros que afetam nosso bem-estar e nas maneiras de evitar esses problemas. Continue lendo para nunca mais cometer nenhum deles.

1. Roupa muito apertada

Calças jeans skinny são peças elegantes, que ressaltam a silhueta e criam um look lindo. Contudo, esse tipo de roupa pode prejudicar seriamente nossa saúde. Ao ’grudar’ em nossas pernas, esses jeans comprimem os nervos e interferem na circulação sanguínea, impedindo que o sangue flua livremente pelos vasos. Já o cinto apertado pode provocar ardor no estômagodor no abdômen.

Qualquer peça apertada, incluindo leggings, tops e roupa íntima com efeito push-up, pode prejudicar nosso corpo.

  • O que fazer:

Ao escolher a roupa, não pense apenas se aquela peça irá te deixar aparentando ter uns quilinhos a menos. Caso aperte demais, compre um tamanho maior ou encontre uma alternativa feita num tecido mais elástico.

2. Materiais tóxicos e não transpiráveis

Não só o corte e o modelo podem causar problemas de saúde, mas também o material com que a roupa é feita. Por exemplo, tecidos sintéticos como poliéster, acrílico e nylon são impregnados de produtos químicos, e não estamos falando só de roupas baratas de marcas desconhecidas.

Estudos realizados pelo Greenpeace revelaram a presença de formaldeído e p-fenilenodiaminas nos produtos de 14 grifes mundialmente conhecidas. Tais substâncias podem provocar diversos problemas, desde uma leve irritação na pele até alergias doenças graves do fígado e dos rins.

Além disso, os materiais sintéticos geralmente não são transpiráveis. Por isso, a umidade liberada por nossa pele acaba virando o ambiente perfeito para a proliferação de bactérias e fungos.

  • O que fazer:

Prefira tecidos naturais. Mas, se escolher sintéticos, confira bem a etiqueta: não abuse de peças que dispensam o ferro de passar e daquelas classificadas como easy care (cuidado fácil) ou wrinkle free (que não amassam): são essas as que contam com a maior quantidade de produtos químicos.

3. Calçados incômodos

Sapatos de salto alto podem até deixar as pernas mais bonitas, mas podem causar inchaços e varizes, além de deformar as articulações. Devido à posição instável dos pés nesse tipo de calçado, é fácil perder o equilíbrio e cair ou torcer o tornozelo.

Quanto aos calçados de sola plana, os especialistas aconselham que fiquemos em alerta. Chinelos e sapatilhas tipo bailarina parecem confortáveis à primeira vista, só que não proporcionam o suporte adequado para os pés. Por isso, seu uso prolongado sobrecarrega bastante as pernas.

Sapatos apertados provocam o surgimento de calos, inflamações nas articulações, deformações nos dedos e outros problemas muito desagradáveis. O calçado fabricado com materiais sintéticos não transpiráveis provoca doenças por conta do surgimento de fungos. Calçados escolhidos incorretamente afetam de maneira negativa a postura e a forma de andar, além de gerar dores incômodas nos joelhos e nas costas.

  • O que fazer:

Para um uso prolongado, é sempre melhor optar por um calçado confortável com salto baixo, de até 5 centímetros. Outra solução passa pelo uso de palmilhas ortopédicas: elas dão apoio aos pés e diminuem a pressão nas áreas sensíveis.

4. Bolsas pesadas

Muitas mulheres têm o hábito de jogar tudo na bolsa, tanto objetos necessários quanto os supérfluos. Só que isso sobrecarrega as costas e os ombros, o que é muito prejudicial.

As bolsas mais perigosas para a saúde são aquelas que carregamos num único ombro ou com as mãos. O peso desigual leva à distensão muscular, mal-estar e à incidência gradual de dor. As consequências típicas de usar bolsas pesadas desencadeiam postura e pisada equivocadas, dores de cabeça, nas costas, pescoço ombros, assim como entumecimento nas mãos.

  • O que fazer:

Verifique o conteúdo da sua bolsa e tire tudo que pode ficar em casa. Não carregue-a em um único ombro o tempo todo, vá alternando entre os dois. Caso precise carregar muitos objetos, compre uma mochila com alças largas e proteção para as costas.

5. Agasalhos que raramente são lavados

Há quem acredite que casacos, jaquetas, gorros, luvas e cachecóis, caso não estejam muito sujos ou manchados, só precisam ser lavados uma vez por temporada. Mais raro ainda é ver gente lavando gravatas. Geralmente, os homens as guardam diretamente no armário após o uso.

Contudo, especialistas recomendam não relaxar: todas essas peças não apenas ficam em contato constante com a pele e o cabelo, como também acumulam suor e oleosidade, mas também muita sujeira e micro-organismos do ambiente.

  • O que fazer:

Para que casacos e jaquetas não se transformem em “hotéis para germes”, leve-os à lavanderia duas vezes por temporada. Gorros, luvas e cachecóis tricotados devem ser lavados com frequência maior: a cada duas ou três semanas.

A capacidade de se vestir pode até ser considerada uma arte, que afeta vários campos de nossa vida. E não estamos falando apenas de elegância e estilo, mas também de saúde. Afinal, sem ela não podemos aproveitar tudo o que o mundo nos oferece.

Você tem alguma ideia de como escolher roupas bonitas e saudáveis? Comente!

Incrível/Saúde/5 Situações em que a roupa representa um risco para a saúde
Compartilhar este artigo