O teletransporte já existe, mas não é como você pensa

Invenções
há 6 meses

O futuro chegou!!! Não, não estou falando de macacões espaciais ou de viver no subsolo. Quero dizer algumas coisas legais como teletransporte, viagens espaciais, entender seu cão e assim por diante. O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, enfatizou que a realidade aumentada poderia teletransportar as pessoas para qualquer local que elas quisessem, seja para trabalhar ou apenas para um dia relaxante na praia. Com o Metaverso em jogo, entrar em uma sala virtual já está acontecendo. Trata-se de um espaço virtual onde as pessoas podem interagir e socializar umas com as outras através da tecnologia. Isso fará com que você se sinta fisicamente presente no mesmo lugar que outras pessoas, em vez de apenas digitar em uma caixa de bate-papo. Imagine jogar ou trabalhar remotamente, mas ao mesmo tempo ter uma visão clara do seu escritório. Você pode realizar tudo o que precisa no trabalho e também economizar o tempo e o dinheiro dos deslocamentos.

A única desvantagem de trabalhar remotamente é a falta de socialização. Mas estar no Metaverso fará com que você não se sinta sozinho. As telas serão interativas e a comunicação com seus colegas de trabalho, amigos e familiares ficará muito melhor. Mesmo que o teletransporte físico ainda não seja possível, virtualmente podemos nos fixar em qualquer lugar que quisermos.

Os nanobots são chamados assim porque são muito, muito pequenos. Esses robôs são projetados para realizar tarefas específicas dentro do corpo humano por razões médicas. Uma vez dentro, eles começam a agir por conta própria, sem a necessidade de controle. Ah, e podem se multiplicar, como nossas células. Muitas vezes ouvimos a palavra nanobots em filmes de ficção científica, mas não é tão improvável. Eles são projetados para realizar tarefas superespecíficas, especialmente no mundo da medicina. Pense neles como minimédicos dentro do seu corpo, precisos o suficiente para diagnosticar o problema e prescrever o tratamento. Todos seremos mais saudáveis ​​com esses carinhas.

A cada ano, a população da Terra aumenta. Isso significa uma maior demanda por alimentos. Há muito espaço nas áreas urbanas, então as fazendas em breve precisarão de lugares menos convencionais, como arranha-céus ou no ar. E “no ar” significa estruturas que podem suportar vegetação em plataformas. Um proeminente arquiteto, Javier Ponce, projetou um edifício com 3 níveis alimentados por painéis solares na parte de cima. A camada do meio cultivará vários legumes e frutas que obterão nutrientes do líquido em vez do solo. Os restos das plantas cairão na camada inferior para alimentar os peixes que também podem ser criados para alimentação. Cada estrutura será grande o suficiente para sustentar uma cidade inteira, se necessário. Os arranha-céus também podem hospedar algumas minifazendas nos telhados para apoiar os bairros. Mais vegetação nas cidades reduzirá a poluição e também as temperaturas em lugares quentes.

E os nossos cachorrinhos fofos? Ah, todos adoramos voltar para casa e ver nosso amiguinho peludo correndo até nós e pulando. Ele está dizendo: “Me alimente! Estou morrendo de fome!” ou “Por favor, nunca mais me deixe!” Mas e se pudéssemos descobrir exatamente o que ele está dizendo? Desenvolvemos tecnologia para entender melhor nossos cães com a ajuda de uma coleira de humor. Você coloca o dispositivo no seu e uma tela digital indica o humor dele por cores. Já sabemos que os doguinhos falam conosco ou com outros cachorros usando uma linguagem corporal. Um rabo abanando é um sinal de excitação ou felicidade. Rosnar e dentes expostos significam agressividade, recue! E, claro, tem também os latidos. Alguns podem ser avisos; outros, saudações amigáveis.

inteligência artificial nos ajudará a entender o que nossos cães estão nos dizendo ao gravarmos em nossos telefones. É importante que o aplicativo veja também a linguagem corporal deles — incluindo orelhas, cauda, ​​olhos, boca e assim por diante. O programa enviará essas informações para a nuvem. A tecnologia de IA decodificará esses dados estudando milhares de horas de imagens de animais e captando as expressões e sons certos. Isso permitirá que os veterinários entendam melhor seus pacientes e evitem qualquer dano eventual. Também ajudará a treinar os cachorros para não serem muito hostis com entregadores ou pedestres que passam no parque.

O futuro do deslocamento está no ar. Já não teremos que esperar no sinal vermelho, contando os segundos até que fique verde para chegarmos a tempo no trabalho. E se usarmos táxis voadores como meio de transporte humano? Agora estamos nos entendendo!

Os táxis aéreos elétricos estão se tornando a solução para o transporte de pessoas. A Amazon está experimentando entregas aéreas, provando ser um sucesso. Máquinas voadoras têm sensores capazes de detectar perigos como pássaros, fios e objetos grandes. Cabe aos países adotar essa nova forma de transporte. Embora as entregas aéreas estejam disponíveis, as autoridades ainda precisam descobrir como organizá-las, criar regras e estabelecer medidas de segurança.

Quanto aos táxis aéreos operados por pessoas, temos que considerar quem é elegível para “conduzi-los” ou que tipo de modelos podem ser produzidos. Mas podemos ver o céu cheio de táxis aéreos já no nosso tempo!

O futuro do fast food está prestes a mudar muito em breve. Já existem caixas digitais nas quais você pode pedir comida usando uma tela sensível ao toque e pagar, sem interagir com um humano. Ainda quer batatas fritas?

O Japão tem máquinas de venda automática de pizza em que é possível comprar pizzas recém-assadas. As empresas estão criando robôs que podem preparar um menu de hambúrguer e batatas fritas. Eles são rápidos e precisos. Não adicionarão muito queijo, nem esquecerão as cebolas. Tudo de que precisam é de alguém para a manutenção.

Imagine ir a uma lanchonete e não ver um único ser humano na sua frente. Você faz seu pedido em um caixa digital depois de personalizá-lo. Então paga e assiste ao trabalho dos robôs. Você provavelmente verá braços mecânicos levantando a fritadeira e preparando um hambúrguer na sua frente. Não espere ver um chef humanoide preparando sua refeição. Os robôs são projetados para realizar tarefas específicas — é por isso que os braços mecânicos são mais do que suficientes. E se o futuro for de robôs voadores de entrega, não haverá nenhum incômodo de alguém ficar preso no trânsito enquanto leva sua refeição.

Reservar uma passagem pelo mundo é fácil, mas e se você pudesse ir ao espaço para se divertir? Muitas grandes empresas de viagens espaciais, como SpaceX e Virgin Galactic, estão procurando maneiras de transformar o espaço em um novo centro turístico. Você poderia ir até a Estação Espacial Internacional ou apenas até a fronteira entre a atmosfera e o que é considerado espaço.

Há também a ideia de um elevador espacial que poderia enviar pessoas até a Estação Espacial Internacional. Seria uma estrutura alta, com base na Terra e alcançando o espaço, com um elevador movendo os passageiros para cima e para baixo. Isso tornaria as viagens espaciais muito acessíveis para qualquer pessoa e mais baratas do que lançar um foguete.

Pode haver um futuro em que a Internet estará disponível em todo o mundo, não importa o lugar. É uma loucura, mas apenas metade da população mundial está online. Empresas como o Google veem a Internet como um direito humano e estão tentando usar balões de hélio para “transportá-la” para lugares remotos. Outras companhias estão tentando uma abordagem diferente — como enviar microssatélites ao espaço, cada um do tamanho de um gato. Isto seria um divisor de águas: com acesso irrestrito à Internet, teríamos uma difusão gratuita de conhecimento para todos.

Imagine os bons e velhos tijolos sendo capazes de armazenar energia para abastecer sua casa! Este projeto ainda está em seus estágios iniciais. Mas cientistas nos Estados Unidos estão desenvolvendo algo chamado “tijolos inteligentes”, que podem ser o futuro da construção.

Cada parede pode armazenar energia suficiente para durar muitas horas. Um revestimento especial conhecido como PEDOT aproveitará os eletrodos, convertendo os tijolos em baterias poderosas. O pigmento vermelho nos tijolos é feito de óxido de ferro, que também ajuda a armazenar energia. Isso tornará uma casa inteligente ainda mais inteligente!

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados