Mulher pede que adiantem o parto para que seu marido conheça o bebê

Gente
há 10 meses

Esta é a história de uma mãe corajosa que desafiou a natureza ao dar à luz mais cedo para realizar o desejo de seu marido com câncer terminal: conhecer o filho. Uma corrida desesperada contra o tempo, um milagre tecido com fios de esperança e uma demonstração de força reafirmam a beleza da vida, mesmo em seus momentos mais sombrios. Conheça a história de amor incondicional, na qual a coragem de uma mãe e a promessa de um pai se entrelaçam.

Quando Haley Parke deu à luz seu segundo filho, no dia 2 de dezembro, ela pôde conhecê-lo e dar-lhe um beijo rápido antes que o bebê fosse levado. O recém-nascido, chamado John Beeson Parke e apelidado de Bebê JB, foi levado a um quarto do mesmo hospital, dois andares acima da sala de parto, para conhecer seu pai, John Brinton Parke, também chamado de JB.

O quarto se encheu de emoção e ternura quando os dois JBs se encontraram pela primeira vez, resultando em um momento inesquecível para toda a família. Embora tenham sido apenas alguns minutos, o amor e a conexão entre eles ficaram evidentes, deixando claro que essa pequena família estava unida por um forte vínculo de amor e um nome compartilhado.

JB Parke, de Connecticut, estava na última etapa de uma batalha que já durava quase um ano contra uma forma rara de câncer de rim, quando uma enfermeira colocou seu filho recém-nascido em seus braços. Naquele momento, uma mistura de emoções e pensamentos invadiu sua mente.

Por um lado, a alegria e o encantamento de ter seu filho nos braços, uma nova vida cheia de promessas. Por outro, a luta interna para superar sua doença e ser o pai que seu bebê merecia. Naquele instante, a conexão entre ambos se fortaleceu de forma indescritível, revelando o poder do pequeno de trazer esperança e força, em meio à adversidade.

“A enfermeira do parto foi quem trouxe o bebê para JB, e ela nos afirmou que todos os sinais vitais dele melhoraram”, disse Haley Parke, 28 anos. “Do momento em que colocaram o bebê JB nos braços do meu marido, eles passaram de 35 a 40 minutos juntos.”

JB Parke, 33 anos, morreu mais tarde naquele mesmo dia, deixando um filho de 18 meses, Brinton, sua esposa e o recém-nascido.

“Ele foi um guerreiro”, disse Haley Parke sobre seu marido, que ela conheceu no trabalho, em 2016. “Ele realmente nunca mostrou querer desistir. Seu desejo era continuar lutando por sua família.”

JB Parke, que era um ex-jogador de beisebol que mais tarde trabalhou para uma empresa de aviação, foi diagnosticado com câncer em janeiro de 2021, quando seu filho mais velho, Brinton, tinha apenas seis meses. Lidando com uma forma rara da doença, foi submetido a uma cirurgia para remover o rim esquerdo, afetado por um tumor do tamanho de uma bola de softball, segundo Haley Parke.

Cerca de quatro meses depois, enquanto JB Parke se submetia a tratamentos de quimioterapia e testes clínicos, o casal decidiu seguir com o propósito de ter um segundo filho. “Como o diagnóstico era terminal, tomamos a decisão de engravidar dez meses após o nascimento do primogênito”, disse Haley.

“Queríamos garantir que nosso filho tivesse um irmão, assim como esperávamos que meu marido tivesse mais tempo com nosso segundo bebê.” Haley Parke engravidou de Brinton em abril, após uma fertilização in vitro usando um embrião congelado.

Na época, JB ainda estava em tratamento, mas, de acordo com sua esposa, o câncer não diminuía. “Praticamente todos os exames mostravam crescimento e disseminação contínua por todo o corpo, de modo que nada estava realmente diminuindo a velocidade do câncer”, disse a esposa.

Ainda acrescentou que ela e JB tentaram se manter positivos e esperançosos de que os médicos pudessem prolongar a vida do marido por mais tempo que o esperado. “Tentamos apenas ser positivos, manter a cabeça erguida e seguir adiante.”

Os Parkes enfrentaram outra decisão dolorosa em 1º de dezembro, quando os médicos lhes disseram que, em vez dos seis meses esperados, JB Parke tinha apenas alguns dias de vida. Na época, Haley Parke estava grávida de 37 semanas.

Haley disse que quando ela e o marido se reuniram com os médicos, sua primeira pergunta foi se poderia dar à luz mais cedo.

“Olhei para os médicos e questionei se seria loucura pedir uma indução do parto.” Olhei para meu marido e lhe perguntei: ’Será que é algo que devemos fazer?’. Ele me olhou e assentiu com a cabeça“, lembrou Haley Parke. “E um dos médicos respondeu: ’Eu estava pensando exatamente a mesma coisa’.”

Menos de 24 horas depois, era 2 de dezembro, dia em que Haley Parke deu à luz seu filho e se despediu de seu marido para sempre.

Pouco antes de deixar a cabeceira do marido para passar pelo processo de indução do parto, Haley lhe disse querer dar o nome do pai ao filho. “Sussurrei para ele: ’OK, vou fazer a indução, ter o nosso bebê e lhe darei o nome de John Beeson, JB’”, disse.

“Ele soltou um pequeno gemido e acenou com a cabeça, como se quisesse me garantir estar de acordo com a escolha do nome.” Embora tenha nascido prematuro, três semanas antes, o bebê JB nasceu saudável e forte, pesando 3,2 kg.

Essa história convida à reflexão sobre o amor em suas formas mais corajosas. Em plena adversidade, um pai encontra seu filho, graças à coragem de sua esposa. Estamos diante de um testemunho de amor incondicional, uma luz de esperança e uma lição que nos convidam a valorizar aqueles que temos ao nosso lado. Em nosso site, temos vários outros artigos sobre a relação de amor que envolve a parentalidade e supera toda as expectativas, como por exemplo, esta sobre uma enfermeira que adotou uma menina abandonada no hospital. Venha conosco conhecer os detalhes!

Comentários

Receber notificações

Artigos relacionados