Como nosso cérebro percebe as cores

Saúde
há 8 meses

Vamos dar uma boa olhada nesse arco-íris. Quantas cores você vê? Acho que a maioria vai responder “7”. Primeiro, temos o vermelho e o laranja. Depois, amarelo, verde e azul. E ainda índigo e violeta. Detesto te dizer, mas, na verdade, não há 7 cores em um arco-íris. Há infinitas! Nossos olhos simplesmente não conseguem perceber todas as cores, mas apenas as 7 principais. A forma como nosso cérebro percebe as cores é um dos mistérios científicos mais interessantes. Então, que tal irmos mais fundo na ciência que está por trás de tudo isso?

Os arcos-íris são grandes exemplos, mas, para entender como eles acontecem, temos que falar sobre o Sol. Bom, temos que falar sobre a luz também. E sobre comprimentos de onda. Graças a Isaac Newton, as pessoas entenderam que a luz branca contém todos os comprimentos de onda do espectro de cores. Deixe alguma luz branca passar por um pedaço de vidro, e você terá um arco-íris refratado do outro lado. (Sim, muito parecido com aquela famosa capa do álbum do Pink Floyd que a gente adora).

Se você quiser experimentar algo semelhante em casa, olha só o que você pode fazer: pegue um copo de água e coloque um espelho dentro. Agora pegue uma lanterna e aponte-a para o espelho, na diagonal. A luz branca da lanterna atingirá o espelho, refratará e se dispersará nas 7 cores do arco-íris. Se você olhar para o teto, provavelmente verá um arco-íris que acabou de se formar ali! A experiência de Isaac Newton provou que uma cor é apenas um comprimento de onda de radiação eletromagnética.

Será que eu acabei de complicar mais as coisas em vez de esclarecê-las? Essas palavras podem parecer assustadoras, mas o conceito é na verdade bastante simples. Por exemplo, as ondas de rádio são também radiação eletromagnética. Os raios X, obviamente, são outro exemplo. Nossos olhos não conseguem perceber o comprimento de onda desses fenômenos. Imagine se você pudesse ver notícias de rádio voando enquanto tenta trabalhar. Acho que é melhor a gente não conseguir ver tudo. Hehe!

Mas nossos olhos percebem comprimentos de onda de cores. Por exemplo, a cor violeta tem o menor comprimento de onda — cerca de 380 nanômetros. E o vermelho tem o maior comprimento de onda de todos — até 740 nanômetros. No entanto, se fosse assim tão simples, as ilusões de ótica não existiriam de fato. Nossos olhos nos pregam peças e nos fazem ver as coisas de maneira diferente do que elas são na realidade. (Todo mundo aí se lembra do vestido azul contra o vestido branco, não é mesmo?)

Dê uma olhada nesta imagem. Parece que temos um quadrado em movimento e que ele está mudando de cor, certo? Que tonalidades você vê? Cinza? Depois rosa? Pode parecer que sim. Mas, na realidade, o quadrado não muda de cor. O criador dessa ilusão é o psicólogo e artista japonês Akiyoshi Kitaoka. Segundo ele, o que percebemos como diferentes cores é nosso cérebro tentando prever a cor do quadrado em relação ao seu entorno. Vem comigo rever um pouco de anatomia ocular bem rapidinho.

Na parte de trás do olho, na retina, há células fotorreceptoras especiais chamadas “cones”, e eles absorvem os fótons — pequenas unidades de luz. Esse processo só nos ajuda a ver algo porque os cones enviam impulsos elétricos por meio dos nossos nervos ópticos — que são uma extensão do sistema nervoso, aquele tecido de neurônios semelhantes a aranhas que se comunicam entre si eletricamente e nos fazem viver, respirar e pensar. Bom, eu mencionei que existem infinitas cores no espectro de cores, correto?

Mas as pessoas não têm uma quantidade infinita de cones diferentes para perceber todas essas tonalidades únicas. Nós percebemos as cores com a ajuda de apenas três tipos diferentes de cones. É assim que funciona: cada cone é responsável por absorver diferentes comprimentos de onda de luz. São como três irmãos que decidiram trabalhar juntos, e cada um é responsável por sua própria função visual.

Um dos cones é responsável por comprimentos de onda mais longos, por isso é conhecido como L. Ele é sensível às cores mais avermelhadas do espectro, incluindo amarelo, um pouco de verde e nenhum azul. Isso significa que, se você estiver na selva, olhando para uma arara, o cone L vai te ajudar a ver a maior parte da ave, mas precisará de uma pequena ajuda de seu irmão S, pois o S é sensível a comprimentos de onda mais curtos — essa é a parte azulada do espectro. Com o M, o terceiro cone, seus olhos e cérebro perceberão todas as cores da Arara.

Algumas pessoas nascem sem os três cones, e Isso é chamado de “cegueira de cor”, ou acromatopsia. A cegueira de cor mais comum é a incapacidade de distinguir entre o vermelho e o verde. Mas também há pessoas que nascem sem a capacidade de distinguir as cores do cone azul-amarelo. Dê uma olhada nessa imagem. Existe alguma coisa dentro do círculo pontilhado? Se você conseguiu distinguir o número 74, significa que você tem os três cones.

Às vezes, porém, nossos olhos e nosso cérebro ficam confusos. Mesmo que nosso cérebro seja como uma máquina altamente tecnológica, alguns sinais se entrelaçam, e isso cria lacunas. Furos. Os neurocientistas dizem que 40% do nosso cérebro está envolvido na visão. Assim, quando você olha pra algo — como essa bola de praia saltitante aqui -, sinais são enviados para mais de 30 áreas do seu cérebro. Cada área é responsável pelo processamento de uma coisa diferente; a cor é apenas uma delas! Você também precisa ser capaz de detectar movimento e forma, mas isso é coisa pra outro vídeo. Muita da nossa percepção de cor tem a ver com nossas memórias.

Vamos rever alguns pontos: nosso cérebro é como uma máquina altamente tecnológica. Confirma. Ele serve como um banco de dados no qual guardamos memórias e registros de coisas, do tipo “a banana é amarela”. Confirma? Confirma. E por que estou dizendo isso?

Porque normalmente a iluminação varia quando vemos cada coisa. Por exemplo, olhe essa imagem feita em estúdio de uma banana. Agora dá uma olhada nessa banana no escuro, com iluminação fraca. A banana muda de cor, mas nós a percebemos como amarela porque nos lembramos de algo simples: bananas são amarelas. A iluminação foi provavelmente a razão pela qual algumas pessoas viram aquele infame vestido branco e outras o viram como azul. Vamos ver a ciência por trás disso. Pascal Wallisch, um neurocientista da Universidade de Nova York, conduziu uma pesquisa online com 13 mil pessoas tentando desvendar o mistério do vestido branco-azul.

E ele descobriu algo absurdamente surpreendente. O estudo mostrou que a diferença entre os dois grupos de pessoas estava ligada ao momento em que elas adormecem e acordam. As pessoas-corujas, ou seja, que gostam de dormir e acordar tarde, eram mais propensas a ver o vestido como preto e azul. Enquanto isso, as pessoas-cotovias, isto é, que gostam de dormir e acordar cedo, eram mais propensas a vê-lo como branco e dourado. “Por que essas coisas estão conectadas?”, você pode perguntar. As pessoas-cotovias passam mais tempo na luz do dia, diferentemente das pessoas-corujas. Assim, quando as pessoas-cotovias olham para aquela foto mal-iluminada, percebem a imagem de acordo com a maneira como estão acostumadas a ver as coisas.

Portanto, elas estão acostumadas a ver as coisas banhadas pela luz do sol, então assumem que é isso que ilumina o vestido. Como resultado, percebem o vestido como branco e dourado. O mesmo acontece com aquelas que o veem azul e preto. A principal diferença é que as pessoas-corujas estão acostumadas à luz artificial, já que a maior parte de suas horas de vigília acontece durante a noite. Loucura, não é mesmo? Hoje analisamos muitos conceitos complexos. Mas será que isso explica por que uma maçã é frequentemente vermelha e uma laranja é laranja?

Bem, se você é capaz de perceber uma maçã como vermelha ou uma uva como roxa, é porque essa cor é a única que está sendo refletida pelo objeto. Acontece assim: a luz branca, que contém todas as cores, atinge uma maçã. A maçã absorve todos os comprimentos de onda, EXCETO vermelho. Digamos que a maçã rejeita a cor vermelha. Ela a reflete para fora, e é isso que nossos olhos percebem. Legal, não é?

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados