10 Fatos sobre a Suíça que deixam os turistas chocados, mas os locais não entendem a razão

Curiosidades
há 10 meses

A menor menção à Suíça nos faz pensar nos pitorescos montes dos Alpes, nos queijos mais frescos e, claro, nas placas dos bancos. Mas esses são apenas os atributos da “fachada”. Por trás dela, escondem-se inúmeras curiosidades que os guias não contam.

O lema dos suíços é reciclar tudo o que der

Na Suíça, os moradores reciclam todo tipo de lixo: jornais, latas, vidro e até papel higiênico usado. Os restos de alimentos também são descartados com sabedoria. Por exemplo, enquanto descartamos no ralo o óleo que restou após a fritura, os suíços o colocam em recipientes e os entregam no ponto especial de coleta.

Os passageiros são indenizados por atrasos de transporte

Quando o transporte suíço atrasa uma hora ou mais, o passageiro tem direito a uma indenização que pode chegar até 50% do preço da passagem. Caso o passageiro seja obrigado a procurar uma hospedagem devido ao atraso de um voo doméstico, a companhia aérea é obrigada a reembolsar os custos. Ela pode evitar o reembolso apenas quando o atraso for causado por um motivo de força maior.

Muitos suíços não gostam de cartões de crédito

Embora o sistema bancário da Suíça seja altamente desenvolvido, a população local raramente usa cartões de crédito para efetuar pagamentos. A maioria opta por dinheiro em espécie. Mesmo nos casos de uma compra grande (por exemplo, um carro), os suíços vão sacar o dinheiro. Esse costume é conhecido como um “fenômeno cultural suíço”. Os nativos acreditam que a presença de notas na carteira gera uma sensação de posse real do dinheiro, o que os cartões não podem proporcionar. Isso significa que, dessa forma, é mais fácil controlar os gastos e economizar.

Uma família, três contas

Em vez de discutir qual o melhor orçamento familiar, conjunto ou separado, os suíços encontraram um meio-termo. Eles recomendam que os jovens casais abram três contas bancárias: uma para as despesas conjuntas obrigatórias e outras duas para as necessidades pessoais de cada um. Por exemplo, para entretenimento ou investimento em educação.

Os suíços economizam desativando o Wi-Fi em casa

Hoje, os jovens suíços optam pela Internet móvel ilimitada. Eles mudam para o plano adequado e simplesmente ativam o acesso pessoal nos smartphones para usar a rede em um notebook ou computador. O Wi-Fi doméstico não é mais necessário e, em vez de duas contas de Internet, pagam apenas uma.

Seus habitantes gostam de embelezar a realidade

Ao se candidatar a uma vaga, os suíços se arriscam a testar o RH. Segundo um estudo de 2020, quase 60% dos currículos não correspondem à realidade. Os suíços frequentemente exageram ao descrever os seus méritos, diante de um potencial empregador. Por exemplo, eles podem apresentar seu breve estágio em uma empresa grande como uma experiência de trabalho. O curioso é que os candidatos mais honestos são os mais velhos.

No país não é costume dar gorjeta

Na Suíça, ninguém julgará um cliente de restaurante por não ter dado gorjeta ao garçom que lhe prestou um bom atendimento. Mas quando um cliente deseja agradecer de uma forma especial, ele simplesmente arredonda o valor da conta. Por exemplo, se o almoço custou 14,5 francos, o cliente dará 15 dizendo “Pode ficar com o troco”.

Aqui os produtos de higiene feminina são distribuídos gratuitamente

Os ativistas suíços instalaram nas instituições de ensino do país, máquinas especiais que distribuem gratuitamente absorventes internos e externos. São destinados a socorrer as meninas pegas de surpresa pelo ciclo que começou prematuramente ou pela falta de dinheiro no momento. Os fundadores do projeto também defendem a ideia de que o tema das especificidades da fisiologia feminina deve deixar de ser um tabu.

Chiclete é tabu na Suíça

Mascar chiclete é especialmente irritante para os suíços. Para eles, o hábito é considerado o auge da falta de educação. Os turistas são aconselhados a resistir à tentação de mascá-lo nos lugares públicos. Melhor esperar até não ter ninguém por perto e só depois fazê-lo.

Por todos os problemas os suíços culpam... o “secador de cabelo”

Enquanto as pessoas de outros países frequentemente associam seus problemas a tempestades magnéticas, para os suíços, o culpado por vários problemas é... o “secador de cabelo”. É que em alemão, o aparelho é chamado föhn, em homenagem do vento homônimo e quente que ocasionalmente sopra dos Alpes. É esse fenômeno natural que, na opinião dos suíços, explica as dores de cabeça, as alterações de humor e até os acidentes de carro, mesmo sem nenhuma comprovação científica para essa alegação.

Comentários

Receber notificações

Se tivesse aqui no Brasil essa de os passageiros serem indenizados por atrasos de transporte eu estava rica!

-
-
Resposta

Artigos relacionados