12 Regras de diferentes famílias reais que nem todo mundo conhece

Cada monarquia tem os seus próprios costumes e as suas próprias regras de comportamento, e isso envolve também as ações que são permitidas ou proibidas na presença dos monarcas. Alguns protocolos são bastante conhecidos, mas isso não significa que eles sejam menos importantes ou que possam ser desrespeitados.

Pensando nisso, o Incrível.club juntou alguns dados curiosos sobre os protocolos estabelecidos em diferentes monarquias do mundo para você saber o que pode e o que não pode fazer na presença de um membro da realeza.

1. Dependendo da escolha amorosa as princesas japonesas podem sair da realeza

As princesas japonesas devem renunciar aos títulos quando se casam com alguém que não pertence à realeza. Isso já aconteceu algumas vezes, e uma das últimas a anunciar a sua decisão foi a princesa Mako de Akishino, sobrinha do imperador Naruhito. Em 2017, ela decidiu se casar com um colega da universidade.

2. Alguns membros da família real britânica precisam da aprovação da rainha para tomar algumas decisões pessoais

As seis primeiras pessoas na linha de sucessão ao trono britânico precisam da aprovação da rainha quando decidem se casar. Segundo as leis britânicas, a autorização deve ser completamente formal e deve ser registrada nos livros do Conselho e emitida sob o Grande Selo do Reino Unido.

3. O rei do Marrocos deve ser beijado na mão

Assim que assumiu o trono, em 1999, o rei Mohammed VI começou a dar menos importância a alguns protocolos, como o beijo na mão, a forma oficial de cumprimentá-lo. A exigência em relação a esse e a outros detalhes passou a ser menor para que ele começasse a ser visto como um monarca mais moderno e mais liberal.

4. Na Bélgica, os reis são cumprimentados como amigos

Diferentemente do que acontece em outras monarquias, em que normalmente é exigido algum tipo de reverência ou sinal de respeito aos membros da realeza, segundo o site oficial da monarquia belga, quando uma pessoa se aproxima para cumprimentar o rei Filipe ou algum outro membro da família real, é comum acontecer apenas um aperto de mão. Além disso, até mesmo as mulheres da família — e a rainha não é uma exceção — podem ser chamadas apenas de madame.

5. Na Tailândia, não é permitido falar mal do rei

Segundo a lei contra o crime de lesa-majestade da Tailândia, a pessoa que difamar, insultar ou ameaçar o rei, a rainha ou qualquer outro membro da família real recebe uma pena de prisão que varia de 3 a 15 anos. Isso acontece porque, segundo a constituição tailandesa, a monarquia é uma instituição sagrada e o rei deve apenas ser adorado e venerado.

6. O rei dos Países Baixos não usa coroa

Os monarcas da casa real de Orange-Nassau não são coroados quando assumem o comando; em vez disso, eles fazem um juramento e têm uma cerimônia de investidura. Apesar disso, durante a cerimônia, a coroa dos Países Baixos é colocada na chamada “mesa de credenciais”, que fica ao lado do rei, com outros objetos de valor.

7. A rainha da Jordânia usa redes sociais

Contrariando o que normalmente acontece em outras monarquias, em que a maioria dos membros não tem autorização para usar redes sociais, o reino da Jordânia não coloca obstáculos nesse sentido, e é por isso que a rainha tem uma conta no Instagram. Nela, a rainha Rania, esposa do rei Abdullah II, publica imagens de sua participação em eventos oficiais, além de fotos de sua vida pessoal e familiar.

8. Nem toda a família do rei da Suécia pertence à Casa Real

Desde 2019, os únicos netos do rei Carlos XVI Gustavo da Suécia que recebem o tratamento de “Sua Alteza Real” são os filhos da princesa Vitória: a princesa Estela e o príncipe Oscar. Trata-se de uma forma de sinalizar que a coroa sueca está se modernizando, já que de todos os netos do atual rei, apenas os filhos da próxima rainha estão destinados a cumprir funções reais.

9. A Grécia tem um rei que não reina

Embora a Grécia não tenha uma monarquia desde 1974, seu último monarca, o rei Constantino II, continua sendo chamado de “Sua Alteza Real”. Isso acontece porque, para os gregos, os títulos são inerentes às pessoas.

10. O trono do Japão não pode ser ocupado por uma mulher

Segundo a lei da Casa Imperial, o trono não pode ser ocupado por uma mulher porque apenas homens podem suceder a ele. É por isso que atualmente a família imperial está ameaçada, já que ela tem apenas 18 membros e muitos deles são mulheres.

11. Não tocar na rainha Elizabeth II

Diferentemente do que costuma acontecer com os membros de outras monarquias, que normalmente são cumprimentados com um aperto de mão ou às vezes até com um beijo, a rainha Elizabeth II nunca pode ser tocada. Contudo, esse rígido protocolo já foi quebrado algumas vezes por celebridades e até mesmo por chefes de Estado.

12. A rainha Elizabeth II não pode votar

Como chefe de Estado, a rainha da Inglaterra está proibida de mostrar qualquer inclinação ou preferência política. Ou seja, ela não pode votar. No entanto, apesar disso, ela tem um papel muito importante nas cerimônias e nas relações que o Reino Unido estabelece com outros países.

Já tinha ouvido falar nesses protocolos? Quais são os aspectos que mais te impressionam nas monarquias? E você acha que eles funcionariam no nosso país?

Compartilhar este artigo