Incrível
Incrível

Desmentimos ou confirmamos 15 mitos sobre a higiene de nossos animais de estimação

Ajudar nossos peludinhos a manter uma higiene correta é de suma importância, não só por ficarem dentro de casa e querermos nosso lar limpo, sem mau cheiro, mas também pelo próprio bem-estar dos pets. Muitos adoram essa hora e aproveitam bastante, enquanto outros odeiam e fogem do banho sem pestanejar. Como acontece com tudo, são muitas as afirmações populares a respeito da higiene animal que circulam por aí.

Nós, do Incrível.club, investigamos a respeito e, neste post, confirmaremos ou desmentiremos alguns dos mitos mais comuns relacionados ao banho de nossos animais de estimação. No entanto, caso tenha qualquer dúvida, não deixe de consultar um veterinário.

1. Para dar um banho em seu bichinho, use sempre produtos específicos

Nas lojas especializadas há linhas completas de produtos para a higiene de cães e gatos, como shampoos, condicionadores, perfumes, etc. Os artigos elaborados especialmente para eles respeitam o pH natural da pele do animal. Lavá-los com produtos para humanos pode provocar irritação, já que o pH das pessoas é mais ácido.

2. Não se deve dar banho nos filhotes

Os filhotinhos, tanto de cães quanto de gatos, têm um sistema imunológico muito sensível. Por isso, não é recomendável lavá-los enquanto não completarem seu calendário de vacinação e desparasitação. No caso dos cachorros, isso acontece por volta dos 3 meses e, nos gatos, a partir dos 2 ou 3, embora o ideal seja a partir dos 6 meses.

3. Todos os gatos odeiam tomar banho

Em geral, os gatos não são muito amantes de banho, que costuma lhes causar medo e, portanto, rejeição. No entanto, há determinadas raças de felinos que são amantes da água e a aproveitam muito, como a maine coon, a van turco e a manx, entre outras.

4. É preciso lavá-los apenas quando estão sujos

O banho não é uma rotina própria e natural do animal, mas é necessário, sobretudo nos casos daqueles que saem de casa. A frequência do banho dos cães dependerá do comprimento de seu pelo: uma vez por mês, para o pelo longo; no caso do pelo médio, uma vez a cada mês ou mês e meio, e para o pelo curto, a cada mês e meio ou dois meses. Já os gatos costumam se higienizar, mas se estiverem cheirando mal pode ser por alguma doença, ou por apresentarem nós no pelo, e no caso dos de pelo longo, significa estar na hora de tomar um banho.

5. É melhor dar banho nos cachorros no jardim ou no terraço

O que é preciso ter em mente na hora de escolher o espaço onde dar banho no cachorro é o tamanho do animal. Os cães grandes talvez não se sintam muito confortáveis em pequenas bacias domésticas. Sempre que fizer um tempo bom, opte pelo jardim ou terraço. Seja qual for o tamanho do pet, você não terá problemas para lavá-lo. Além disso, ele se sentirá bem mais confortável.

6. Tanto faz secá-los ao ar livre ou com secador

Tudo dependerá do clima. No inverno, por exemplo, não secar seus animais pode deixá-los doentes. Tanto os cachorros quanto os gatos não costumam gostar do secador de cabelos. Para deixar o processo de secagem mais fácil, podemos ajudá-los com palavras carinhosas e prêmios, tendo sempre o cuidado de não utilizar uma temperatura muito alta e não aproximar demais o secador da pele do bichinho.

7. A higiene bucal de nosso pet também é importante

Cuidar dos dentinhos dos pets também faz parte dos cuidados higiênicos. Existem muitos produtos para a saúde bucal dos animais, como escovas, pastas, brinquedos para mastigar, etc. Também é importante que um veterinário faça uma revisão de seus dentes uma vez por ano e, se for necessário, faça uma limpeza profissional, sob anestesia, similar à feita pelos dentistas nas pessoas.

8. Todos os cachorros gostam de tomar banho

Nem todos os cachorros são fãs da água. Uma coisa é nadar e brincar na praia, outra bem diferente é tomar banho. Muitos o renegam, até aqueles que adoram as demais atividades aquáticas. Por isso, devemos ter muita paciência, preparar o espaço do banho como uma área de brincadeiras, evitar o chuveiro (o som causa medo), cuidar para que a água não esteja muito quente e premiar seu bom comportamento com pequenos mimos, palavras carinhosas ou prêmios.

9. Os banhos não eliminam os parasitas externos

Para combater essas pragas, cuidar da higiene de nossos animais é fundamental, mas devemos saber que, se o pet tiver parasitas externos, eles não desaparecerão somente com o banho e a escovação. Para isso, existem diferentes produtos como gotas, coleiras, talcos e aerossóis. Frente a dúvida sobre qual o mais indicado para o nosso peludinho, o melhor é consultar o veterinário.

10. Não se mantêm limpos por conta própria

Se nossos animais têm acesso ao exterior, é provável que mais de uma vez tenham voltado para casa precisando urgentemente de um banho, seja por pular em uma poça de água suja em um dia de chuva, ou por brincar com a terra de um vaso de plantas. Os gatos são mais limpos que os cães, mas também se sujam se estiverem doentes ou com sobrepeso. Nesses casos, são incapazes de se limpar sozinhos e precisam de uma ajuda extra.

11. É sempre melhor levá-los ao pet shop ou a uma clínica veterinária para um banho

Tudo dependerá do seu animal. Para muitos, visitar o veterinário ou o pet shop é uma experiência traumática e estressante, portanto, o mais recomendável nesses casos é higienizá-los em casa. Assim, o animalzinho ficará mais relaxado. Definitivamente, mesmo que nos pareça mais complicado, tudo se trata de encontrar a melhor opção para o seu pet.

12. Você não pode molhar suas orelhas (por dentro)

Na hora do banho de nossos pets, devemos tomar cuidado para que a água ou o sabonete não entrem em suas orelhas. A umidade excessiva em seu interior, ou a entrada de shampoo podem provocar otite, uma inflamação dolorosa e muito desconfortável que afeta com frequência tanto cães como gatos. Por isso, manter uma higiene correta de suas orelhinhas também é muito importante.

13. No verão, é preciso lavá-los muito

Os especialistas advertem que o excesso de banho em nossos animais pode danificar sua pele. Mesmo que esteja muito calor, a pelagem dos pets lhes ajuda a regular sua temperatura e possui uma barreira protetora que combate de forma natural os agentes externos nocivos, como o sol, por exemplo. Banhos em excesso pode fazê-los perder essa proteção.

14. Não é necessário escová-los periodicamente

Uma boa escovação do animal não é apenas uma questão estética: faz parte da sua higiene. Os gatos, quando se lambem, costumam engolir a pelagem, provocando as famosas bolas de pelo no estômago. A escovação ajuda a eliminar os restos de pelos mortos, evitando que o felino os engula. No caso dos cães, a escovação ajuda a manter a saúde da pele e a beleza da pelagem.

15. O ideal é acostumá-los ao banho desde pequenos

Para evitar o medo e os momentos traumáticos em nossos animais na idade adulta, o melhor é acostumá-los e educá-los desde filhotes à rotina de banho e a tudo o que envolve esse momento, como o espaço e os ruídos da água do chuveiro e do secador. Com paciência e reforços positivos podemos fazer com que nossos pets aprendam a não temer todos esses “artefatos maléficos”.

Você tem alguma história divertida da hora do banho do seu animal de estimação? Ou algum segredo, ou truque que possa deixar essa atividade mais satisfatória para o seu peludinho? Adoraríamos saber! Esperamos pelos seus comentários!

Compartilhar este artigo