Incrível

10 Animais que você só encontrará no México — seu habitat natural

4-34
685

O México é um país repleto de contrastes e de maravilhas naturais, com paisagens diversificadas, que incluem montanhas, desertos e selvas. Por esses motivos, o clima, a vegetação, a flora e a fauna variam, de acordo com a localização geográfica. O país possui ainda animais que não são encontrados em nenhum outro lugar do mundo. E, apesar de muitos deles serem pouco conhecidos, são realmente fantásticos e intrigantes.

Incrível.club criou uma lista com os 10 animais endêmicos do México, ou seja, que são exclusivamente desse país. Confira!

1. Aloxote

O Axolote é um anfíbio que vive no fundo dos lagos da região de Xochimilco, perto da Cidade do México. É um animal único e especial, porque, diferentemente dos outros anfíbios, ele mantém sua aparência larval, mesmo quando adulto. As brânquias, que o ajudam a respirar, estão localizadas fora do seu corpo e são parecidas com penas. Esse animal ainda conserva a barbatana dorsal do girino.

Ele é considerado extraordinário por ser capaz de regenerar os tecidos. Por exemplo, se o Aloxote perder um membro, ele o regenera em questão de semanas. Faz o mesmo com a medula e a retina. E todo esse enorme trabalho não deixa cicatrizes. Infelizmente, o Axolote mexicano é uma espécie ameaçada de extinção, devido à contaminação de seu habitat natural.

2. Vaquita marinha

O nome surgiu por causa das manchas escuras ao redor dos olhos desse animal, que faz lembrar os de uma vaca. É o menor cetáceo do mundo; as fêmeas medem cerca de 1,40 m de comprimento; e os machos adultos, 1,35 m. Como os golfinhos e as baleias, esses animais se comunicam e localizam seus alimentos utilizando a ecolocalização, ou seja, emitem sons que retornam como eco, permitindo que eles calculem a distância e a localização dos objetos e obstáculos.

Gostam de viver próximos da costa, onde a água é turva e rasa, e seu habitat natural é exclusivamente o norte do Golfo da Califórnia, no México. Atualmente, restam poucos exemplares desses adoráveis cetáceos, aproximadamente 19, pois muitos morreram presos em redes de pesca. Como são extremamente tímidos e difíceis de ver, ainda há muito o que aprender sobre eles.

3. Iguana espinhosa

A Iguana espinhosa pode chegar a medir mais de 1 m da cabeça à ponta da cauda. Toda a extensão do seu corpo tem escamas no formato de espinhos, daí a origem do seu nome. Ela possui membros fortes e garras longas, que a ajudam a subir em qualquer lugar.

É um réptil pacífico, se não for incomodado. Alimenta-se de plantas, sementes, frutas, insetos e de pequenos mamíferos e répteis. Está presente em quase todo o México, embora seja mais frequente vê-la em Veracruz, tomando sol nos telhados das casas.

4. Lagarto-jacaré mexicano

Esses pequenos lagartos, cujo nome científico é Abronia graminea, têm uma cor marcante, turquesa. Por esse motivo são muito procurados como animais de estimação. Na verdade, quando vivem em cativeiro, tornam-se verdes e opacos. A cor azul é resultado da sua dieta, mas apenas quando estão em estado selvagem. O lagarto-jacaré mexicano vive principalmente em Veracruz e Puebla.

Se não estivessem em perigo de extinção, poderiam ser encontrados em outros lugares do México. As vendas ilegais e a matança indiscriminada também estão ajudando a acabar com esses belos répteis. Ao encontrar com eles, as pessoas costumam matá-los, porque pensam que são venenosos. Mas, na verdade, são inofensivos e pacíficos.

5. Lebre-de-Tehuantepec

Essa lebre vive entre as dunas de areia, próximas da costa do Istmo de Tehuantepec. Seu habitat natural é caracterizado por ser árido e selvagem. Distingue-se das outras lebres por ter duas faixas pretas percorrendo o comprimento do corpo e pode medir até 60 centímetros, em média.

É muito ágil e rápida, os dentes da frente crescem à medida que se desgastam. Embora não seja alvo de caçadores, uma vez que sua carne não é tão boa quanto a do coelho, essa espécie corre um sério risco de desaparecer, pois seu habitat está, a cada dia que passa, sendo reduzido, por causa da urbanização.

6. Zacatuche

Recebe também outros nomes, como coelho dos vulcões ou teporingo. O termo “zacatuche” tem origem na língua nahuatl e tem a ver com o local onde essa espécie vive: nas pastagens aos pés dos vulcões Iztaccíhuatl e Popocatépetl. Esse animal é pequeno, tem orelhas curtas e arredondadas, patas e cauda minúsculas.

São coelhos que vivem em grupo, são territoriais e defendem as suas tocas com valentia. Mas, quando se trata de se alimentar, não há perigo que os inibam e é possível ver grupos de zacatuches pastando, mesmo na chuva. O desmatamento e a urbanização de seu habitat os colocaram em risco de extinção e hoje está sendo estudada a possibilidade de criá-los em cativeiro, para propagar a espécie.

7. Cão-da-pradaria

É um esquilo terrestre, que não tem nada a ver com os cães, só é chamado assim porque produz sons muito semelhantes aos latidos dos filhotes de cachorro. Ele se parece um pouco com a marmota, mas é menor. É muito útil para o ecossistema, pois, ao cavar as suas tocas, ajuda na oxigenação do solo, tornando-o permeável, assim como também consegue controlar as espécies de arbustos que compactam o solo e impedem o desenvolvimento de pastagens.

Existem 5 espécies desses roedores que vivem em diferentes regiões do mundo, mas há apenas uma presente em solo mexicano: a Cynomys mexicanus — nome científico. Mas, assim como muitos outros animais exclusivos da fauna mexicana, também está em risco de extinção. O seus habitats naturais, em San Luis Potosí, Zacatecas, Coahuila e Nuevo León, estão diminuindo cada vez mais, por causa da urbanização.

8. Guaxinim-pigmeu

O nome “guaxinim” vem da língua nahuatl e significa “quem tem mãos”. Essa é a principal característica do Guaxinim-pigmeu ou Cozumel: usar as patas dianteiras como mãos. Quanto ao alimento, não se priva de nada, pois é onívoro. O que o torna tão especial é a sua habilidade para reproduzir sons, sendo capaz de ronronar, gritar, assobiar, rosnar e até relinchar.

É menor do que o guaxinim comum e vive apenas em uma pequena área na ilha de Cozumel. Devido ao turismo, seu lar está desaparecendo lentamente, assim como esses fofos animais. Estima-se que a população atual tenha de 250 a 300 exemplares.

9. Coquete de Atoyac

Apenas o macho ostenta encantadoras penas alaranjadas, com pontas verdes. Essa ave, da espécie da família do beija-flor, vive apenas em regiões das florestas tropicais de montanha, localizadas no Estado de Guerrero.

Quando se alimenta do néctar das flores, o faz lentamente, para que possa ser confundido com uma mariposa grande ou uma abelha. Como as terras onde vive estão sendo usadas para fins agrícolas, essa espécie corre o risco de extinção.

10. Peixe-sapo de Cozumel

O Peixe-sapo da ilha de Cozumel não vive em nenhum outro lugar do mundo, por isso os recifes da ilha são muito visitados por mergulhadores, apenas para ver um exemplar dele. Como todos os peixes-sapos, ele também não tem uma bela aparência, embora essa espécie se destaque por suas cores vibrantes: roxo com listras pretas e brancas, boca amarela e uma listra que envolve suas 8 barbatanas de amarelo fosforescente.

Seus olhos sempre apontam para cima e ele vive preso ao fundo do mar. Os pais mantêm os filhotes na boca, até que consigam cuidar de si mesmos e, apesar de ser peixe, eles não sabem nadar.

Certamente faltaram outros animais nessa lista. Você conhece outras espécies que vivem apenas no México? Quais animais são exclusivos onde você vive? Seus comentários são muito valiosos para nós. Compartilhe-os conosco! E compartilhe também o post, se o achou interessante.

4-34
685