Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Você tem até 24 anos? Então ainda não é adulto, segundo estudo

Quando somos crianças, e principalmente adolescentes, mal podemos esperar pela fase adulta. Boa parte dos jovens pensa que, assim que completar 18 anos, poderá finalmente sentir-se dono do próprio nariz, com todas as vantagens que isso traz. E enquanto as Nações Unidas afirmam que adolescente é aquele com idade entre 10 e 19 anos, um novo estudo aponta que só entramos na vida adulta quando passamos dos 24.

Nós, do Incrível.club, resolvemos verificar o que está levando pesquisadores a afirmar que muitos dos que no passado eram vistos como adultos, hoje devem ser considerados adolescentes. Confira o que diz o estudo.

Mudanças em nosso corpo e nossa mente

A adolescência começa com a puberdade. E com o avanço na qualidade da alimentação e da saúde dos indivíduos, hoje esta fase começa aos 10 anos, quando certos hormônios entram em atividade.

Surpreendentemente, a antiga definição de adolescência não levava em conta o desenvolvimento biológico ao decidir quando a etapa chegaria ao fim. Se por um lado considerava-se os 19 anos como a entrada na vida adulta, diversas alterações biológicas continuam acontecendo depois que a pessoa passa dos 20.

Por exemplo, os dentes do siso só costumam surgir lá pelos 20 e poucos anos. Determinados processos de amadurecimento do cérebro, cruciais para a interação social, também ocorrem nessa etapa da vida. A nova definição leva em consideração essas e outras mudanças biológicas, e é justamente por isso que as descobertas podem ser interpretadas como mais certeiras.

Nossos papéis sociais

Adultos jovens, aqueles com 24 anos ou menos, ainda podem ser considerados adolescentes, pois para tal geração, os principais marcos de vida ocorrem mais tarde do que costumavam acontecer décadas atrás. Cada vez mais, as pessoas esperam para casar e ter filhos. Nos EUA, a média de idade dos recém-casados nos anos 1960 era 21 anos. Já em 2015, passou para 28.

Sobretudo nos países desenvolvidos, a educação tornou-se mais acessível, quando não gratuita, e os indivíduos vêm preferindo dedicar mais tempo à própria formação antes de entrar no mercado de trabalho. Além disso, são inúmeros os jovens adultos que enfrentam dificuldades para alcançar a tão sonhada independência financeira. Boa parte continua precisando de apoio material dos pais, fazendo dos jovens exemplos de semidependência: eles ainda não são totalmente adultos, apesar de, legalmente, já serem considerados assim.

Por que é importante definir quem são os adolescentes

Para definir quem pode ser considerado adolescente, precisamos pensar em uma combinação de biologia humana com as recentes mudanças sociais. A definição precisa, inclusive, ser observada na definição de políticas públicas e nas leis.

Tendo em mente o correto conceito de adolescência, é possível desenvolver estratégias específicas visando o bem-estar dessa fatia da população, garantindo a ela saúde, educação e inserção no mercado de trabalho. Por exemplo, estipular os 24 anos como fim da adolescência pode beneficiar pessoas que estão em estágios transitórios da vida e precisam de subsídios para terem um lugar onde morar.

Geralmente, as políticas de saúde consideram que o adolescente ou é sustentado pelos pais, ou é totalmente independente. E como as pessoas na casa dos 20 anos costumam precisar de serviços voltados à saúde mental, educação sexual e prevenção ao abuso de drogas, mas ainda dependem dos pais, muitas vezes acabam ficando sem acesso ao que é necessário. E a falta de dinheiro é um dos principais motivos para essa carência.

Um possível problema

Há quem afirme que considerar como adolescente uma pessoa adulta jovem pode fazer com que ela passe a ser vista como incompetente por quem é mais velho. O resultado disso é a perigosa possibilidade de excluir os jovens de importantes discussões sociais e políticas com o potencial para afetá-los diretamente.

No ambiente de trabalho, o jovem adulto pode acabar sentindo que não está sendo levado a sério, e que suas opiniões e decisões não têm o mesmo peso dos colegas com mais idade. E não é porque ele pensa não estar preparado ou não ter experiência suficiente, e sim por perceber que é visto dessa maneira pelos companheiros de profissão.

O que você acha das novas definições envolvendo a adolescência? Concorda com a ideia de que os jovens estão chegando mais tarde à vida adulta? Deixe um comentário com sua opinião sobre o tema!

Compartilhar este artigo