Incrível
Incrível

10 Mitos falsos sobre cuidados com bichos de estimação nos quais ainda muitos acreditam

Cerca de 57% das famílias em todo o mundo possuem um animal de estimação, de acordo com as estatísticas. E todos nós tentamos proporcionar aos nossos bichinhos o máximo de amor e cuidado de que somos capazes. No entanto, às vezes podemos cometer erros por causa de crenças comuns...

Nós, do Incrível.club, reunimos alguns mitos sobre cuidados com animais de estimação e revelamos a verdade sobre eles.

Mito 1: Focinho quente, cão doente

Na verdade, não há evidências de que a temperatura do focinho do seu cão possa ter algum valor no diagnóstico. A temperatura pode variar por diferentes razões: superaquecimento, genética ou até alterações normais de temperatura durante o dia.

Se você acha que seu cão está doente, os médicos veterinários recomendam que preste mais atenção ao seu comportamento, à maneira como come, bebe, urina ou defeca. E, é claro, use um termômetro para avaliar a temperatura do seu amigão.

Mito 2: Não se pode ensinar truques novos a cachorros velhos

Na realidade, os cães são treináveis independentemente da idade. Se tiver paciência suficiente, motive seu cachorro adequadamente e pratique truques com ele o máximo possível. E talvez você tenha ouvido falar sobre Chaser, o cão mais inteligente do mundo, que alcançou o status de “sênior” e ainda estava aprendendo novos truques, mesmo na velhice.

Mito 3: A comida humana não é prejudicial para o seu animal de estimação

Existem alguns produtos da sua mesa que podem ser bons para o seu animal de estimação, como carne, legumes cozidos no vapor ou picados e até algumas frutas. Evidentemente, apenas as sobras saudáveis podem ser um bom complemento para a alimentação do seu pet. E é sempre bom lembrar a importância de não dar a eles alimentos processados e de alto teor calórico. Por fim, cabe destacar que alguns dos alimentos muito saudáveis para os seres humanos podem causar graves danos intestinais neles, como por exemplo uvas, abacates, cebolas e alho.

Mito 4: Cães e gatos precisam de reforços de vacinação anualmente

As vacinas são realmente muito importantes para a saúde do seu companheiro. No entanto, eles não precisam de “reforço” como nós, humanos. Uma pesquisa mostrou que uma única vacinação para parvovírus, cinomose e panleucopenia resulta em proteção a longo prazo contra as doenças.

Um exame de sangue muito simples pode detectar se o animal tem anticorpos suficientes para resistir a uma infecção. Portanto, da próxima vez que seu veterinário insistir em uma injeção de reforço, você pode pedir que ele faça esse exame de sangue primeiro.

Mito 5: Quando animais de estimação lambem suas feridas, isso acelera a cura

Lamber demais uma ferida diminui o processo de cicatrização, ao invés de acelerar. A verdade é que existe um grande risco de que uma ferida que tenha sido lambida demais possa ficar irritada ou até infectada. Os veterinários aconselham o uso de sprays ou soluções antissépticas no caso de pequenas feridas. Mas se houver uma profunda, ela deve ser tratada por um veterinário.

Mito 6: Não há problema em manter os peixes em aquários minúsculos

Apesar do fato de que os recipientes de vidro (daqueles redondos) sejam muito populares para manter peixinhos dourados, por exemplo, eles na verdade são um lar terrível para os nossos amigos aquáticos. Esses aquários geralmente são pequenos e não possuem capacidade de água suficiente para que um peixe se sinta confortável. Além disso, devido ao espaço minúsculo, não há oxigênio suficiente, o que é muito importante para os peixes. Se você quiser ter um peixe como animal de estimação, um aquário retangular ou quadrado (e grande) seria uma opção melhor.

Mito 7: Você pode ensinar qualquer pássaro da família dos papagaios a falar

É verdade que a maioria das aves desse tipo tem a capacidade de falar. No entanto, existem alguns parentes dos papagaios que nunca falarão. É por isso que você pode passar inúmeras horas ensinando seu pássaro de estimação a falar, mas não terá resultados — caso, por exemplo, de uma calopsita, que é adorável, mas não fala. Mesmo entre os papagaios, alguns podem aprender apenas poucas palavras enquanto outros podem falar o dia todo e têm um amplo vocabulário.

Mito 8: Mudar os alimentos é ruim para a digestão do seu animal de estimação

Imagine-se comendo a mesma comida 3 vezes ao dia, todos os dias. Já pensou? Você não gostaria muito, gostaria? O mesmo vale para o seu animal de estimação! Alterar a comida do seu bichinho é saudável e fornece uma melhor nutrição, desde que os produtos sejam de alta qualidade. A variedade é importante para o seu cão ou gato e eles podem comer refeições diferentes sem problemas. Além disso, os veterinários dizem que dar a eles o mesmo alimento repetidamente pode causar o desenvolvimento de alergias a agum tipo específico de alimento ou proteína.

Mito 9: Gatos precisam de leite

Ao contrário do que se costuma acreditar, os gatos não conseguem digerir a lactose que o leite de vaca comum contém. Para os felinos, consumir leite pode causar vômitos, diarreia e outros problemas intestinais. Além disso, os veterinários explicam que o leite contém muito mais calorias do que um gatinho precisa por dia.

Mito 10: Não é seguro dormir com seu animal de estimação

Se você e seu animal de estimação são saudáveis, é absolutamente seguro dormir com ele na mesma cama. Além disso, estudos mostram que essa prática pode ser boa para a sua saúde e ajuda a relaxar. E, diferentemente do que prega o senso comum, dormir com seu cachorro na cama não causará problemas comportamentais; portanto, não há o que temer. Pode dormir com seu querido amigão numa boa!

Você acreditava em algum desses mitos antes de ler nosso post? Conhece algum outro mito no qual muitos acreditam? Compartilhe sua opinião conosco na seção de comentários!

Compartilhar este artigo