Incrível
Incrível

Quem são os pirahãs e por que são considerados um dos povos mais felizes do mundo

No meio da floresta amazônica vive o povo Pirahã, que sobressai das sociedades modernas por inúmeros fatores. Os pirahãs não têm o conceito de passado e futuro; acreditam que dormir por muito tempo é prejudicial; não compreendem o que é estresse. O ex-missionário, Daniel Everett, viveu nessa tribo por um bom tempo, aprendeu a língua e os costumes locais e chegou à conclusão de que eles podem ser um dos povos mais felizes do mundo.

A equipe do Incrível.club, com a permissão do fotógrafo e viajante Alexander Fedorov, decidiu publicar imagens raras de como é a vida desse povo indígena. Vamos, também, compartilhar alguns dos fatos mais chocantes sobre essa tribo, que enxerga o mundo de uma forma bastante única e especial. Confira!

  • A essência de vida desses indígenas é explicada de uma maneira bem simples: “Viva o aqui e o agora”. No idioma pirahã não tem passado nem futuro. De acordo com o próprio povo, o mais importante é viver e se preocupar apenas com o presente.
  • Os pirahãs acreditam que dormir é prejudicial, e se assustam ao pensar que alguém poderia dormir por 8 horas. Eles pensam que se alguém dormir por tanto tempo, poderá acordar como uma pessoa totalmente diferente. Há uma opinião de que esse pensamento se deve ao fato de que o local onde eles habitam está cheio de cobras. Por isso, dormem em frações de 30 minutos por não mais de duas horas em uma noite.
  • Fazem distinção apenas de cores claras e escuras. Podem confundir o vermelho com o amarelo, assim como o verde com o azul. Além disso, não têm palavras para as cores. Descrevem-nas se baseando nas colorações do meio em que vivem, como, por exemplo, “este objeto tem a cor do céu” ou “isto tem a cor das plantas”.

  • A população local é de apenas 800 habitantes.
  • Muitos representantes de tribos indígenas detêm certo nível de honra e respeito com a própria cultura. Mas os pirahãs são diferentes. A princípio, não concebem os sentimentos de raiva ou decepção. “Se Háiohá deixou cair o peixe na água, isso é ruim. Se não há peixe, não há comida. Mas por que culpar a Háiohá?”, pensariam eles.

  • As noções de “século”, “tempo” e “história” também não detêm qualquer significado. A maioria deles não tem recordações das avós ou dos avôs. Quando perguntados como era a vida dos seus antepassados, respondem calmamente: “A mesma coisa”.
  • As mães não contam aos seus filhos histórias para dormir. Além disso, não lembram de nenhum conto: a memória coletiva é desenvolvida a partir da experiência própria do representante mais velho da tribo naquele momento.

  • Os pirahãs não reconhecem, também, os sentimentos de culpa e vergonha. Um homem pode largar sua mulher em um belo dia, e ela não ficará brava, apenas dirá algo do tipo: “Aconteceu porque aconteceu e pronto. Agora preciso achar um novo homem”.

  • Na língua dos pirahãs não há palavras para denotar esquerda ou direita, e eles não entendem por que isso seria necessário para outras pessoas.
  • A numeração no idioma é limitada. Podem diferenciar quantidades apenas usando palavras como “pouco”, “um pouco mais” e “muito”. Como não há números, eles não podem contar da forma como estamos acostumados. Por isso, por exemplo, as mães não sabem dizer exatamente quantos filhos têm, mas sabem os nomes de cada um deles.

  • Os pirahãs não estão interessados nas conquistas da civilização moderna. Além do mais, não compreendem o modo de vida nas grandes cidades. “Como podem comer e dormir tanto?”, é o que diriam sobre o assunto. No entanto, eles começaram a usar roupas, louças de alumínio, linhas, fósforos e alguns equipamentos de pesca.

  • Essa cultura não tem religião e não acredita em nenhum Deus. Embora isso seja comum em muitas tribos indígenas, os pirahãs não são guiados por tais ideais.

  • De anos em anos, os habitantes locais escolhem um novo nome para si, que deve corresponder ao período de vida pelo qual estão passando.
  • Por terem uma percepção de tempo peculiar, esse povo não vê necessidade de estocar alimentos. No mais, os pirahãs não veem a comida como algo muito significativo. Se não encontrarem alimento, podem deixar para comer no dia seguinte.

  • Todos os pirahãs são considerados iguais, pois não há hierarquia social. Talvez esse seja um dos motivos pelos quais pesquisadores notaram a incrível vitalidade dessas pessoas. Na tribo, não há inveja, ódio, roubo, conspirações ou intrigas.
  • Eles não dizem “obrigado”, “desculpa” nem “por favor”. Em outras palavras, não possuem formas de expressar cortesia. Os pirahãs não consideram isso uma necessidade, já que todos eles são muito calorosos e amigáveis uns com os outros.

  • Daniel Everett, hoje linguista, visitou a tribo Pirahã com o objetivo inicial de convertê-los para a sua religião. Viveu por um bom tempo com sua família junto dos indígenas e aprendeu muitas lições de vida com esse povo, que “está sempre sorrindo” e não acredita nos pecados humanos. Após certo tempo, Everett se tornou ateu e mudou sua visão de mundo. Esses índios não compreendem como se pode crer em alguém que ninguém nunca viu e deixar essa pessoa influenciar tanto na sua vida.
  • Outra característica interessante é que eles não sofrem de distúrbios psicológicos ou depressão. De acordo com Everett, os pirahãs mantêm um nível surpreendente de satisfação com a vida, considerando, também, que não fazem uso de substâncias ilegais ou antidepressivos.

  • Pelos motivos acima mencionados, e muitos outros, essa tribo é considerada um dos povos mais felizes do mundo. De acordo com alguns estudiosos, enquanto algumas pessoas perdem tempo pensando no passado ou se preocupando com o futuro, os pirahãs vivem no presente, mantendo sempre um sorriso no rosto.

Você acha que povos de tribos indígenas são, de acordo com noções modernas, “atrasados no tempo” ou pensa que os princípios de vida deles têm algo a nos ensinar? Comente!

Incrível/Psicologia/Quem são os pirahãs e por que são considerados um dos povos mais felizes do mundo
Compartilhar este artigo
Você pode gostar destes artigos