Por que as pessoas projetam suas inseguranças e como evitar que isso nos faça mal

Embora não sejamos totalmente conscientes, nossa mente é capaz de nos proteger das situações que nos afetam emocionalmente, e um desses mecanismos de defesa é chamado de projeção psicológica. Trata-se de um processo em que uma pessoa “projeta” seus próprios sentimentos ou motivações indesejáveis em uma outra pessoa. Esse tipo de situação pode prejudicar as nossas relações, já que sua essência está em ferir ou fazer com que o outro se sinta culpado, o que pode acontecer de maneira inconsciente.

Incrível.club decidiu pesquisar um pouco mais sobre a projeção psicológica, pensando justamente em como identificá-la e no que podemos fazer para evitar que isso aconteça.

A projeção psicológica como mecanismo de defesa

Quando uma pessoa não pode aceitar certos traços, qualidades, desejos ou impulsos em si mesma, ela passa a projetar esses pensamentos no outro. Isso normalmente acontece por conta de um incômodo ou de algum sentimento de vergonha, muitas vezes inconsciente, que a pessoa evita enfrentar. Ou seja, em vez de reconhecer essas motivações indesejáveis em si mesma, ela projeta tudo isso no outro.

Entendido isso, podemos nos perguntar o que “cerca” e até mesmo “protege” esse mecanismo de projeção. Em geral, a autoestima e o ego. Ou seja, é preciso ter um ego bastante sólido para esconder esses sentimentos. No fundo, esse tipo de pessoa afirma para si mesma que os sentimentos, pensamentos e comportamentos negativos a transformam em alguém inferior, e a maneira como ela se comporta é uma forma de ocultar tudo isso.

Como as pessoas podem se projetar na vida cotidiana

Culpar os outros sem assumir a responsabilidade

Esse é um dos comportamentos mais comuns. A pessoa que se projeta no outro evita reconhecer a própria culpa e procura razões para atribuí-la aos demais. Em geral, situações de projeção se baseiam precisamente em demonstrar que a culpa é do outro e não nossa.

Encontrar “falhas” nos outros e julgá-los

Para uma pessoa que normalmente se projeta nos outros é muito mais simples atacar e destacar um “mau” comportamento alheio do que confrontar seu próprio modo de agir. Nesse sentido, a forma como ela age em relação ao outro nada mais é do que um reflexo de como se sente na realidade sobre si mesma em relação a uma determinada situação.

Tentar ridicularizar os outros

Quem faz bullying normalmente tem algumas inseguranças, portanto a estratégia acaba sendo intimidar e transferir para o outro as inseguranças que a pessoa que se projeta não é capaz de enfrentar.

Convencer o outro de que a projeção é real

O pior dos cenários é quando alguém que se projeta no outro faz com que a projeção seja incorporada pela outra pessoa. Para Darlene Lancer, especialista em relacionamentos tóxicos, os indivíduos mais propensos a sofrer são aqueles que apresentam quadros de codependência, ou seja, pessoas que manifestam uma excessiva preocupação pelos demais e, nesse caso, pela pessoa que exerce a projeção e faz críticas sobre elas.

Os codependentes costumam aceitar as necessidades do outro muitas vezes para evitar qualquer tipo de conflito. Ou seja, o indivíduo que projeta suas emoções acaba criticando e julgando a pessoa codependente, fazendo com que ela perca cada vez mais sua autoestima e independência, a ponto de duvidar sobre quem realmente é. Nesse processo, sua identidade vai se desfazendo até ela começar a acreditar em tudo que a outra pessoa está projetando nela. Os psicólogos chamam isso de “identificação projetiva”, que acontece quando um indivíduo acaba se identificando com o que o outro projeta nele.

Julgar a si mesmo e “ter certeza” de que os outros fazem o mesmo

Também é possível que uma pessoa codependente ou com baixa autoestima se critique de maneira dura e insistente, ao ponto de sentir que os detalhes negativos que ela vê em si mesma também são vistos pelos demais. Ou seja, a pessoa acaba projetando suas próprias inseguranças nos outros.

Transferir a percepção que temos sobre alguém para uma terceira pessoa

Essa situação costuma surgir em relacionamentos amorosos em que os sentimentos inconscientes que o “projetador” sente em relação ao pai ou à mãe são transferidos ao parceiro (ou parceira) e essa pessoa assume isso como sendo dela; ou seja, o indivíduo em quem são projetadas essas emoções incorpora essa complexidade ou dificuldade. Os sinais desse tipo de projeção são:

  • Viver repetidas vezes a mesma briga.
  • Se sentir incomodado com o parceiro e não saber por quê.
  • Confusão para entender a reação do outro.

Como saber se você faz esse tipo de projeção

Se você se identificou com alguma dessas situações, é provável que esteja em um relacionamento em que existe algum tipo de projeção psicológica. A projeção afeta o autoconhecimento e o autorreconhecimento — é muito fácil perceber que uma pessoa que não é capaz de reconhecer e aceitar as próprias fraquezas, projeta essas inseguranças nos outros.

Portanto, é necessário adquirir consciência de nós mesmos, de nossos pensamentos, ações, emoções, reações etc. Questionar-se é sempre o primeiro passo para saber se fizemos algum tipo de projeção psicológica nos outros.

Como saber se estamos lidando com uma pessoa que faz esse tipo de projeção

Agora, se você se identificar como objeto de projeção, é importante saber que existem certos sinais que podem te ajudar a reconhecer e enfrentar a situação:

  • Os julgamentos são exagerados e não combinam com a situação.
  • A reação a uma determinada circunstância não corresponde com a forma como a pessoa fala a respeito dela.
  • Não ter uma explicação razoável para uma determinada reação.
  • Atribuir a conversa a outra pessoa.

Como responder nesses casos

Se você tiver de lidar com uma pessoa que faz esse tipo de projeção, o ideal é responder claramente, sem entrar em maiores conflitos. É possível responder com um “não concordo” ou, se a pessoa não parar de discutir, você pode até mesmo se retirar da conversa. O importante é não internalizar essas críticas ou culpas injustas.

Depois de um tempo e já com a cabeça fria você pode tentar falar sobre como a outra pessoa reagiu, mas sem querer que ela mude, porque isso não é sua obrigação. Além disso, para que uma transformação efetiva realmente aconteça, é importante que a situação seja discutida com um profissional.

E o que fazer se realizamos esse tipo de projeção

Se você acha que está se comportando dessa forma, o melhor é se distanciar do problema para conseguir olhar para a situação de maneira objetiva. Para isso, é importante prestar atenção em quatro passos:

  1. Descrever a situação sem usar adjetivos ou palavras que expressem emoções de nenhum tipo.
  2. Apresentar e explicar o seu papel na situação. “O que eu fiz, de propósito ou sem querer, para desencadear essa reação na outra pessoa?”, “O que significa para mim se o que foi dito sobre mim é verdadeiro?”
  3. Descrever o papel do outro indivíduo na situação evitando adjetivos. “Que histórias eu estou contando sobre o comportamento da outra pessoa?”, “Há evidências de que estou certo?” Se sim, “Como isso me afeta?”
  4. Você reconhece que está fazendo algum tipo de projeção?

Para finalizar, é importante destacar o ponto mais importante: em todo tipo de situação de projeção a melhor opção é sempre conversar com um especialista.

Você acha que já passou por alguma situação de projeção psicológica? E como reagiu? Conte a sua experiência nos comentários.

Compartilhar este artigo