Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Como distinguir hábitos estranhos de doenças mentais graves

Pessoas com comportamentos estranhos podem ser encontradas em todos os lugares: desde as que lavam as mãos 100 vezes por dia a outras que acumulam muito lixo e nos fazem pensar se tudo está em ordem em suas mentes. E isso porque, por trás dessas belas (e nem tanto) excentricidades ou hábitos aparentemente inócuos, podem estar ocultos distúrbios que exigem tratamento sério. Você acha que conseguiria distinguir uma pessoa que sofre de uma doença mental de um sujeito meramente excêntrico?

Incrível.club revisou bem a literatura médica e encontrou diferenças notáveis entre excentricidades e doenças mentais.

1. Memória ruim para rostos ou cegueira facial?

Ter uma memória ruim para lembrar rostos não é algo tão estranho. Afinal, durante a vida, conhecemos milhares de pessoas, e não lembrar de algumas delas é lógico e normal. Além disso, a capacidade de reconhecer rostos depende da idade: o cérebro precisa de algum tempo para desenvolver essa capacidade. Isto atinge seu ápice com uma idade de 30 a 34 anos. Talvez sua hora ainda não tenha chegado.

No entanto, há uma doença semelhante a essa condição: prosopagnosia ou cegueira facial. Aqueles que sofrem com isso não só não se lembram dos rostos de seus conhecidos, mas também seu cérebro não é capaz de identificá-los. Em vez disso, as pessoas com esta doença desenvolvem métodos alternativos de reconhecimento: por cabelo, voz, acessórios... Mas basta mudar um desses parâmetros para que aquele que sofre com isso não o reconheça.

  • Como distinguir esta doença? Se você descreve pessoas com a ajuda de palavras que não têm relação com características faciais (por exemplo, “uma mulher com óculos”), evita mencionar nomes quando se comunica com pessoas e também confunde os personagens de um filme, provavelmente sofre de cegueira facial. É possível ver de que forma é possível obter um diagnóstico completo do seu estado aqui.

2. Queixas ou hipocondria?

O objetivo da vida de uma pessoa que se queixa frequentemente é chamar a atenção para si mesma. Além disso, eles são surpreendentes manipuladores e quase sempre tentam colocar alguns dos seus problemas nos ombros dos outros.

hipocondríaco está constantemente preocupado com a possibilidade de ficar doente, muito suscetível à sua condição física e coisas desse tipo. Ao mesmo tempo, essa pessoa pode saber que não tem nenhuma doença grave, mas continua a procurar sintomas de forma incisiva.

  • Como distinguir esta doença? Se seu amigo reclama constantemente da saúde, é melhor propor uma visita a um médico: provavelmente ele não compareça (inventando uma doença mais “segura” para sua interpretação), enquanto o hipocondríaco aceitará a revisão médica. Além disso, um sintoma importante da condição é o fato de que os pacientes frequentemente se automedicam (às vezes com medicamentos muito sérios).

3. Mania de limpeza ou doença?

Uma pessoa que tem mania de limpeza em um grau elevado sabe, com certeza, que ninguém pode limpar melhor do que ela. Para este tipo de pessoas, polir os móveis torna-se o sentido da vida. Elas são pedantes até ficarem chatas, então podem ser seriamente ofendidas por outros membros da família se deixarem suas coisas espalhadas pela casa.

Para quem tem TOC (transtorno obsessivo-compulsivo), ordenar ou realizar outras ações repetitivas (compulsões) é uma maneira de se livrar de ideias e pensamentos involuntários e obsessivos (obsessões). Entre os mais comuns está o medo de causar um incêndio, mas há também as ideias muito estranhas (há um caso em que um paciente com TOC estava com medo de enviar sua filha em um pacote postal).

  • Como distinguir esta doença? Uma característica distintiva das compulsões é que elas parecem estranhas para os outros (enquanto que para aqueles que sofrem, elas fazem sentido). Assim, se uma pessoa costuma seguidamente colocar uma prateleira com cereais em ordem, é provável que ela simplesmente tema que as coisas se encham de insetos. Mas se ao mesmo tempo os mantimentos são colocados numa sequência rigorosa (de cor, por exemplo), é provável que este seja um sintoma da doença.

4. Pão-duro ou acumulador compulsivo?

As pessoas pão-duras têm dificuldade em se separar das coisas, mesmo que elas não tenham um valor especial. Como resultado dessa “ânsia de economia”, a sacada do apartamento (e a área de serviço, os armários) é preenchida com objetos caso “algum dia eles sirvam”, embora nunca sejam
de fato usados.

silogomania, síndrome de Diógenes, de colecionismo compulsivo ou acumulação patológica é um estado em que o paciente recolhe e armazena coisas desnecessárias. Além disso, a quantidade de objetos é tal que impede que a pessoa leve um estilo de vida normal ( bloqueiam o acesso a aparelhos, impedem o fechamento de portas e assim por diante).

  • Como distinguir esta doença? Os sovinas normais cuidam das coisas que acumulam (fixam, colocam numa estante), enquanto os que sofrem de silogomania formam uma grande montanha de objetos. Para estes, é típico vê-los rejeitando qualquer ajuda externa e manifestar um desejo irracional de “proteger” a propriedade adquirida, mesmo que as coisas sejam quebradas e não funcionem mais.

5. Superproteção ou síndrome de Munchausen?

Exames médicos excessivos de crianças por motivos insignificantes podem ser uma manifestação de superproteção. A ansiedade dos pais é muitas vezes perigosa para as crianças pequenas: em idades mais avançadas, elas podem sofrer de falta de autoconfiança, bem como de habilidades que são necessárias para a vida.

síndrome de Munchausen ocorre com mais frequência em mulheres. As pessoas que sofrem desta condição artificialmente causam sintomas de desconforto em crianças ou outras pessoas que dependam delas (com alguma deficiência ou indivíduos sob seus cuidados). Deste modo perverso, as mães recebem atenção e empatia dos outros.

  • Como distinguir esta doença? Identificar esta síndrome é muito difícil: as mães não admitem que causam artificialmente os sintomas da doença de seus filhos. As crianças muitas vezes acabam hospitalizadas por várias doenças cujas causas nunca são diagnosticadas. Os sinais dessas condições, que a mãe descreve, não coincidem com os resultados dos testes.

6. Distração ou desorientação topográfica?

Se você é uma daquelas pessoas que podem facilmente se perder em sua cidade natal, é provável que não tenha um pensamento espacial bem desenvolvido. Este problema é conhecido por muitos, mas são as mulheres que mais sofrem com ele. Muitas vezes, a incapacidade de encontrar um caminho é hereditária.

A desorientação topográfica é uma desordem neurológica com a qual o paciente é incapaz de se orientar sob certas condições.

  • Como distinguir esta doença? Pessoas que sofrem de desorientação topográfica verdadeira não podem determinar a direção da rota em relação ao seu ambiente. Podem memorizar pontos de referência, mas não têm nem ideia da direção a seguir. Aqueles que sofrem de maneira grave ficam confusos mesmo em sua própria casa. Frequentemente, esse distúrbio é o resultado de alterações cerebrais (um acidente vascular cerebral ou uma hemorragia).

7. Timidez ou parurese?

Muitas vezes, a falta de vontade de ir a um banheiro público é a reação de uma simples timidez ou retraimento. O medo de pegar E. coli acaba sendo mais forte que a necessidade fisiológica.

parurese (“bexiga tímida”) é o medo de urinar em banheiros públicos. Na presença de outras pessoas nesses locais, um “alarme” é ativado naqueles que sofrem desta condição: o nível de adrenalina aumenta e há um espasmo no trato urinário. Os mais propensos a tê-la são homens que, em sua juventude, tiveram problemas para se adaptar em grupos ou dificuldades para se comunicar com o sexo oposto

  • Como distinguir esta doença? A parurese se difere de timidez ou excesso de escrúpulos à medida que tende a progredir. Em seu estágio inicial, os pacientes acham difícil, se necessário, usar um banheiro público na presença de pessoas estranhas. Mas no último estágio eles começam a sentir dificuldades mesmo em casa. Essa fobia é muito comum: aproximadamente 220 milhões de pessoas em todo o mundo experimentam dificuldades semelhantes.

8. Alimentação saudável ou ortorexia?

Parece que as pessoas que seguem os princípios da alimentação saudável têm sua própria “sociedade secreta”. Seus membros conhecem o valor calórico e nutricional de todos os pratos e sabem combinar produtos que trazem benefícios para sua saúde. Eles também possuem a superpotência de não aumentar nem um grama.

ortorexia é um distúrbio alimentar caracterizado por um desejo maníaco de comer apenas alimentos “saudáveis”. Além disso, aqueles que sofrem desta doença passam a maior parte do seu tempo livre para desenvolver uma dieta saudável, estando muito interessados na saúde das pessoas ao seu redor (e no que elas comem).

  • Como distinguir esta doença? Com a ortorexia, as qualidades de sabor dos alimentos ou as preferências da própria pessoa são irrelevantes. O paciente pode facilmente comer o prato mais insípido ou algo de que não gosta, só porque é saudável. Pensamentos obsessivos sobre comida estão relacionados não apenas à composição dos produtos. As pessoas com ortorexia têm uma regulação rigorosa até do modo como cozinham: os utensílios que usam (panelas, tábuas de corte e similares) devem obedecer aos “parâmetros ecológicos”.

9. Mau humor ou depressão?

A maioria das pessoas sente tristeza, solidão ou insegurança. Como regra geral, isso é uma reação aos eventos que ocorrem na vida, de modo que tal estado acaba passando com relativa rapidez.

depressão é um transtorno mental grave. Seus principais sintomas incluem apatia e a perda da capacidade de aproveitar a vida e de interesse por atividades que antes eram interessantes.

  • Como distinguir esta doença? As pessoas com depressão perdem a habilidade de se concentrar e tentam evitar o contato com amigos e familiares. Focam nos aspectos negativos da vida e sofrem de baixa autoestima. Além disso, os transtornos depressivos são acompanhados por manifestações somáticas: insônia, dor na região do coração ou do estômago e aumento ou perda de peso.

10. Medo ou fobia?

O medo é um mecanismo próprio da evolução humana de que precisamos para sobreviver. Ele aciona toda uma fábrica química no corpo: adrenalina, noradrenalina e testosterona são liberados no sangue. Graças a elas, a pessoa corre, grita ou reage de outra maneira.

A fobia é um medo incontrolável (patológico) que surge até do fato de pensar em uma situação aterrorizante (ou um objeto). Diferentemente do medo comum, afeta negativamente a mente: contribui para o desenvolvimento de neuroses, tiques nervosos e depressão.

  • Como distinguir esta doença? O medo aparece em uma situação que ameaça a vida ou a saúde de uma pessoa, enquanto as fobias não têm explicação. Exemplos disso são a dorofobia (medo de receber ou dar presentes) ou a verbofobia (medo de palavras específicas). Além do temor, as pessoas que sofrem desta doença apresentam sintomas físicos verdadeiramente torturantes: falta de ar, aumento da transpiração e dos batimentos cardíacos.

11. Desconfiança ou paranoia?

As pessoas que são propensas a diferentes preocupações são consideradas receosas. Esse traço de caráter inato gera muita ansiedade para aqueles que o têm. As pessoas desconfiadas preocupam-se com a impressão que dão aos outros e acham que não são boas o suficiente. Em geral, desconfiança significa dúvida, insegurança em si mesmo, suspeitas e expectativas do que será o pior.

paranoia é um tipo de psicose que se caracteriza pela presença de delírios. Ideias malucas são contrárias à realidade e existem apenas na imaginação de quem dela sofre. Portanto, os paranoicos estão sempre e em toda parte procurando por um significado oculto que, muito provavelmente, nunca tenha existido.

  • Como distinguir esta doença? Com pensamentos paranoicos, uma pessoa reduz sua atividade social a zero, pode parar de trabalhar e começar a prestar atenção aos sons, mesmo em uma sala vazia. No entanto, todas as suposições do paranoico baseiam-se mais em conjecturas e emoções do que em eventos reais.

Você já conheceu pessoas com manias estranhas ou sofreu de alguma das doenças que mencionamos neste post? Se precisar de ajuda entre em contato com CAPS — Centro de Apoio Psicossocial mais próximo.

Compartilhar este artigo