Incrível
Incrível

8 Dicas de paquera usadas pelos maiores mestres da sedução

Você sabia que, para considerarmos se determinada pessoa nos parece atraente ou não, levamos apenas 13 milissegundos? Pois é, nós temos um tempo extremamente curto para causar uma primeira impressão agradável. Contudo, com a ajuda de vários truques psicológicos e uma paquera eficiente, é perfeitamente possível aumentar suas possibilidades de sucesso. Quer saber como?

O Incrível.club tem a resposta. Se você não se considera exatamente um mestre da sedução e acha difícil a tarefa de conhecer gente nova, as oito regras que verá a seguir será úteis para o despertar de todo seu carisma.

8. “A regra dos três”: três olhares durante três segundos

Um olhar é um fator fundamental na paquera. Tudo começa com ele, e sua importância persiste com o passar do tempo. Segundo uma pesquisa científica, são várias as facetas que diferenciam um olhar casual daquele de quem está interessado em te conhecer. Em primeiro lugar, quando nos interessamos por alguém, olhamos várias vezes para a pessoa. Em média, três contatos visuais são suficientes para enviar o sinal desejado e chamar atenção. Em segundo lugar, tem a questão da duração: já se sabe que um olhar cheio de interesse dura cerca de três segundos em média, enquanto o olhar desinteressado dura apenas um segundo.

7. Homens: queixo para cima. Mulheres: queixo para baixo

É uma questão de perspectiva, de como olhamos uns para outros. Os seres humanos passamos por um processo de dimorfismo sexual baseado na altura. Os homens estão acostumados a olhar para as mulheres de cima para baixo (afinal, em média, homens são mais altos), e é por isso que eles consideram olhos grandes, queixo pequeno e rosto triangular como atraentes. Já as mulheres, na maioria das vezes, olham o homem de baixo para cima, considerando que uma mandíbula quadrada é algo bonito.

Especialistas realizaram um estudo baseado na descrição acima e fizeram manipulações inversas em fotos. Como se esperava, os participantes da pesquisa, ao analisarem as imagens, disseram que não consideravam como atraentes as pessoas mostradas nas imagens: os homens pareciam menos másculos, e as mulheres, menos femininas. Você pode lembrar disso ao se comunicar com alguém do sexo oposto em quem tenha interesse. Os homens tendem a levantar a cabeça para parecerem maiores e mais seguros de si. Já as mulheres costumam inclinar a cabeça para baixo, passando a impressão de meiguice.

6. A regra do toque

Algumas pessoas que se consideram sedutoras afirmam que é preciso tocar na pessoa desejada com a maior frequência possível, para estabelecer contato. Mas isso não faz tanto sentido. Na verdade, para que esses toques sejam oportunos e considerados agradáveis pela outra pessoa, é preciso estabelecer um contato antecipadamente. Após fazer isso, e considerando que vocês se aproximaram um pouco mais, tente tocar levemente na mão ou no ombro. Em seguida, vem um ponto importante: determinar se a atitude foi bem recebida.

Se tudo estiver bem, você poderá continuar dando leves toques para encurtar ainda mais a distância. E quanto mais íntima for a comunicação, mais baixo poderá tocar. Nos pés ou joelhos, por exemplo. Mas se o seu gesto não for bem recebido, pare imediatamente com as tentativas, por tempo indeterminado. Não pense que a rejeição da pessoa significa que ela está “fazendo doce”. Quanto mais insistente você for, mais longe ficará do objetivo.

5. Cartão de visita como forma de conhecer alguém

Essa iniciativa é indicada sobretudo para mulheres ousadas, mas funciona perfeitamente. No mínimo, ajuda, sem perda de tempo, a afastar a pessoa que não está interessada em você. Caso esteja interessada em alguém, mas se sinta tímida para começar uma conversa, tente entregar seu cartão, sem rodeios. Assim, deixará claro seu interesse e abrirá espaço para que o outro tome o próximo passo: caso tenha gostado de você, ele ou ela certamente entrará em contato. Caso a outra pessoa fique em dúvida, igualmente ligará ou mandará mensagem, nem que seja para que marquem um novo encontro. E se você não for do agrado, pelo menos tudo ficará claro sem a necessidade de dar desculpas esfarrapadas.

4. Ambiguidade das frases

É difícil dar um exemplo que não seja vulgar nem clichê. Afinal de contas, a comunicação e as relações interpessoais são coisas muito individuais. Por isso, algo que é considerado piada por uma pessoa pode ser visto como ofensivo por outra. Você deve saber bem do que estamos falando. Quando alguém está paquerando, usa frases ambíguas sem sequer se dar conta, dando um tempero a mais para a conversa. Também é importante não dizer tudo. Sim, em certa fase do relacionamento, a sinceridade e a abertura desempenham um papel importantíssimo. Mas enquanto você e a outra pessoa ainda estiverem na fase da paquera, é melhor não dizer qualquer coisa que venha à cabeça e deixar espaço para a reflexão e as fantasias.

3. Conhecer as fraquezas

Trata-se da capacidade de rir de si mesmo quando, ao ressaltar a própria fraqueza, se elogia o interlocutor. Suponhamos que você não fale um idioma estrangeiro, enquanto a outra pessoa é fluente nele. Em vez de tecer elogios logo de cara, já que isso pode parecer meio forçado, tente transferir a situação para você mesmo, dizendo algo como: “Que ótimo! Esse idioma é tão lindo e complexo. Nunca consegui aprendê-lo, e você manda muito bem!”

2. Ninguém, nem mesmo você, gosta de críticas

Seja lá o que for que a pessoa disse, e independentemente de você concordar ou não com aquilo, não há necessidade de fazer julgamentos. Mas você também não precisa concordar com tudo. A diferença entre pontos de vista sempre pode ser explicitada sem que se mostre uma atitude prepotente. Em vez de dizer: “Você está errado” ou “Isso é uma estupidez”, é possível se esquivar e dizer “Que curioso! Nunca pensei por esse ponto de vista. Me ajude a entender por que você pensa assim”.

Ou seja, a receita é simples: em vez de condenar, demonstre interesse. Outra vantagem, segundo uma pesquisa, é a de que as pessoas gostam de falar de si mesmas. Isso proporciona mais prazer do que comer bem ou ter dinheiro. E ao mostrar interesse com perguntas, você dá ao outro a chance de falar mais sobre si mesmo.

1. Manifestação da dominação social

Esse ponto é aplicável somente para homens. Existe uma estatística segundo a qual os homens que fazem sucesso com as mulheres, de maneira geral, possuem um conjunto de gestos não verbais e bem específicos. Eles olham diretamente para as pessoas, sem timidez. Além disso, se sentem à vontade para circular pelo ambiente (em baladas ou bares, por exemplo), tentam ocupar o máximo de espaço (separam os joelhos, apoiam os braços nos encostos dos sofás ou em cadeiras próximas, etc.). Caras assim têm também uma facilidade em se comunicar com outros homens, trocando empurrões leves, tapas no ombro ou nas costas, colocando a mão nos pescoços, etc.

Ao avaliar as características de comportamento mencionadas acima, os especialistas as dividiram em dois grupos principais: uma manifestação aberta de intenções positivas (olhares e comportamento com outros homens) e o estado (espaço ocupado), que são geralmente os principais critérios que fazem com que as mulheres considerem um homem atraente ou não. Portanto, leve isso em consideração ao se comunicar com um parceiro ou parceira em potencial. Se você é home, tente não ficar nervoso, pois o ideal é que você se comporte da maneira mais relaxada possível, dando a impressão de que está no controle da situação e de que quem está ao seu lado não precisa se preocupar com nada.

Como você deve ter percebido, esses métodos são fáceis de colocar em prática, e você pode ter certeza de sua eficácia ao decidir lançar mão deles. Essas técnicas são, inclusive, capazes de ajudar na comunicação não apenas com o objetivo de iniciar uma relação amorosa, mas também em qualquer outro caso em que você precise impressionar positivamente o interlocutor.

Já aplicou alguma delas com sucesso? Conhece outros truques que levem ao mesmo objetivo? Comente!

Imagem de capa Depositphotos
Incrível/Psicologia/8 Dicas de paquera usadas pelos maiores mestres da sedução
Compartilhar este artigo