Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

18 Histórias sobre pais que deram o seu melhor na hora de educar os filhos e agora já estão colhendo os frutos

Educar um filho não é uma tarefa fácil. Você pode sempre lembrá-lo de se comportar bem, repreender os maus hábitos e até mesmo apelar para o castigo, mas isso não é uma garantia de que ele irá se tornar uma boa pessoa. No entanto, um dos melhores caminhos para educar uma criança é dar o exemplo: não atravessar a rua no sinal vermelho, não jogar lixo no chão, ser caridoso e ajudar o próximo.

Nós, do Incrível.club, sabemos o quão difícil é a missão de ser pai e mãe. Pensando nisso, reunimos relatos daqueles que obtiveram sucesso nessa empreitada. Confira!

  • Estava levando minha filha para a escola. No caminho, passamos por duas faixas de pedestres. Desde o início sempre falei que só é permitido atravessar a rua quando o sinal de pedestre estiver verde, e que quem cruza antes é estúpido e sem cérebro. Periodicamente testo se ela realmente aprendeu isso:
    — Filha, olha, não tem carros. Vamos atravessar correndo.
    — Não, pai. Não! Pare!
    — Muito bem! É assim que deve ser.
    Um dia, minha sogra levou minha filha para passear e veio reclamar.
    — Tive que correr até o ônibus e o sinal estava vermelho para os pedestres. Na hora em que ia correr, a Alyonka me agarrou com as duas mãos e gritou para a rua inteira ouvir “Vovó, pare! Você não pode atravessar quando estiver vermelho! Só gente sem cérebro faz isso!” Bem, ela aprendeu direitinho. © Snakecatcher / Pikabu
  • Nasci em uma família rica. Uma vez, quando era pequena, fomos a uma grande loja de brinquedos e minha mãe me disse no ouvido: “Hoje você vai escolher 10 brinquedos, mas vai ficar apenas com 5. O resto vai dividir com outras crianças menos afortunadas, ok?” Concordei. Depois fomos a um orfanato. Vendo a alegria no olhar das outras crianças, acabei dando todos os brinquedos. E fizemos isso várias vezes. Depois, minha mãe disse que estava testando minha ganância. © Подслушано / Vk
  • A cada 100 bolinhos, a minha mãe fazia um “especial”. Ela colocava mais pimenta ou alho em vez de carne moída. Uma vez, quando eu era estudante, meus amigos vieram para a minha casa após a escola. Éramos em três e só havia bolinhos suficientes para nós três no congelador. O bolinho da sorte estava lá ainda, e minha mãe sabia disso, mas nós não. Jantamos, meus amigos agradeceram e minha mãe perguntou:
    — Quem foi o sortudo, por que ficou em silêncio?
    Meu amigo:
    — Ah... esse que era o especial...
    De qualquer forma, meu amigo era muito educado para falar algo. Silenciosamente, sem fazer qualquer careta, engoliu o bolinho cheio de pimenta. Ele apenas pensou que minha mãe tinha cometido um erro. Isso sim é que são boas maneiras! © MLGPro / Pikabu
  • O final de semana estava se aproximando e era aniversário da minha mãe. Por isso, fui ao supermercado com a minha filha. Comprei um bolo, e depois fomos em outro lugar comprar comida. Disseram que o pedido ia ficar pronto em 20 minutos, então decidimos esperar no estacionamento. Estava lotado por causa do final de semana. Um casal, então, chegou em uma bicicleta. Eles pararam perto de nós e a garota, após descer da bike, jogou uma lata no chão. Minha filha de 4 anos disse em voz alta: “Tia, por favor, não jogue lixo no chão, use a lixeira”. Fiquei morto de vergonha, e já estava pronto para apanhar do fisiculturista que acompanhava a moça. Eles apenas riram, ela pegou a lata e disse “desculpe”. Sempre digo para a minha filha jogar lixo no lixo e, mesmo que coma um doce, guarda a embalagem no bolso até encontrar uma lixeira. © Abhijeet Joshi / Quora
  • A filha da minha amiga que está na 2ª série de alguma forma inspirou vários colegas de classe a limparem os parques que ficam perto de suas casas. Vi com meus próprios olhos um bando de cidadãos mirins pegando sacos, luvas e recolhendo o lixo que fica embaixo da camada de neve após o inverno acabar. Talvez este planeta ainda tenha um futuro.
  • Uma conhecida trabalha em um hospital. Uma vez, chegou um cara que sofreu um acidente de carro em estado grave. Os médicos foram rápidos e tudo ocorreu bem, mas ele ainda ficou internado para se recuperar e fazer fisioterapia. Por causa disso, seu filho veio para acompanhá-lo. Apesar de tudo o que aconteceu, o paciente parecia não desanimar: entre as seções de fisioterapia, ele consertou a mesa de cabeceira e ajeitou a cama para que ela parasse de fazer barulho. E depois ainda consertou todas as mesas de cabeceira da enfermaria. Não satisfeito, fixou bem as dobradiças das portas, se certificou de que todas as maçanetas e alças estavam bem aparafusadas e assim por diante. Um dia, durante o plantão da minha conhecida, o filho estava esperando o pai no corredor. Então, pelo canto do olho, ela percebeu um movimento estranho de uma das mãos dele, que estava debaixo da mesa de centro. Ele estava usando uma chave de fenda para apertar os parafusos debaixo da mesa. Foi então que tudo ficou claro — tal pai, tal filho. E todo mundo descobriu quem era que trazia todos os parafusos e chaves para o paciente. Durante o período de internação do pai, que foi de quase um ano, eles fizeram juntos uma verdadeira maratona de reparos na enfermaria. Foi uma coisa impressionante de se ver. © RihardCruspe / Pikabu
  • Tenho uma filha de 14 anos e ela está namorando um menino da mesma idade. Ele é muito bonito e bem-educado, todos os domingos vem ficar aqui em casa. Eles passam o dia no quarto da minha filha. Bem, não queria incomodar, mas pensei: “Estamos no século 21, as crianças estão crescendo tão rápido, e se eles não entenderem o que estão fazendo? Então, corri para o quarto dela. Abri porta, a luz estava baixa, ouvi uma conversa... Entrei com uma cara de tipo “Peguei no flagra!” E o que eu vi? Minha filha sentada na poltrona tricotando um lenço e o menino deitado no sofá, lendo em voz alta. Tudo que poderia dizer era: “Que tal um chá?” © Подслушано / Vk
  • Era inverno e eu estava no ponto esperando o ônibus. Um grupo de estudantes estava por perto e também um cachorro de rua. O cão, com uma carinha de pidão, veio até mim, mas me afastei um pouco. O que poderia fazer? De repente, o animal deu um gemido alto de dor. Pensei: “Não vou deixar essas crianças fazerem mal a ele”. Quando olhei, na verdade elas o estavam cercando para aquecê-lo. Um dos meninos até tirou o casaco para cobri-lo; outro usou a bolsa para fazer uma caminha para ele. Quando tentaram levantar o cachorro, ele chorou — sua pata estava ferida. Liguei para o meu chefe, tirei o dia de folga e levei o bichinho ao veterinário. As crianças de quem eu não esperava nada de bom me lembraram o que significa ser mais humano. Obrigado aos seus pais por educá-las tão bem.
  • Estava fazendo compras com meu filho em uma loja de produtos asiáticos. Meu filho ouviu os vendedores fazendo comentários maldosos em coreano sobre nós, já que eles presumiam que não entendíamos o idioma. Não entendo, mas meu filho sim, e ele rapidamente largou os produtos na prateleira e me levou para fora do estabelecimento. Ele não queria repetir o que as pessoas disseram. Perguntei por que ele não respondeu os vendedores em coreano para saberem que entendia cada palavra. Meu filho respondeu: “Bem, mãe, eu não queria envergonhá-los”. © Rebecca Knaack / Quora
  • Um dia, meu neto de 14 anos estava voltando da escola para casa e viu a mãe da minha amiga carregando várias sacolas. Ele foi até ela, pegou as sacolas pesadas da senhora e as carregou junto com sua mochila escolar nas costas. Voltando para casa, ele não disse uma palavra sobre isso. Só fiquei sabendo do fato quando minha amiga disse: “Por favor, agradeça ao seu neto por ter ajudado minha mãe ontem. Ele é um cavalheiro, você deve se orgulhar dele”. © Beryl Johnson / Quora
  • Era noite e eu estava voltando para casa no ônibus. No mesmo veículo estava uma senhora idosa. Quando chegamos no ponto final, deixei que ela saísse na frente. Uma família com um menino de 7 a 8 anos saiu conosco. Então, o menino gentilmente pegou a idosa pela mão e a ajudou a sair. Se você pudesse ver os olhos dela... Quanta gratidão, surpresa e amor havia neles! Ela derramou uma lágrima e eu também. © Подслушано / Vk
  • Trabalho em um hospital e muitas crianças vêm fazer exame de sangue e tem de furar o dedo. Todas choram! Então, depois de atender uma criança que soluçava de tanto chorar, a porta se abriu e entrou uma menina de 4 anos toda exibida no consultório. Ela disse para mãe: “Fique aqui, vou entrar sozinha”. Fechou a porta, subiu na cadeira e me deu as instruções. A menina falou: “Não estou com medo!”. Quando furei, ela não gritou, não chorou, apenas sorriu. Em seguida, apertou o furinho da agulha com um algodão, deu um sorriso maior ainda, acenou com a outra mão para mim e disse: “Tchau, muito obrigada!”. A mãe, claro, observou tudo pela porta entreaberta, me agradeceu também e saíram. Que bom atender crianças bem-educadas e corajosas que não começam a chorar só de entrar no consultório. © Подслушано / Vk
  • Minha filha viu que um menino estava cavando a neve com a pá dela e disse: “Você sabia que é falta de educação pegar as coisas dos outros sem permissão?” O menino devolveu a pá ao lugar e pediu permissão para pegá-la. Em seguida, as outras crianças começaram a pedir permissão para pegar os brinquedos umas das outras. Aulas de etiqueta no parquinho são de graça e não precisam de matrícula. © 000lchik / Twitter
  • Meu filho de 7 anos acidentalmente quebrou um souvenir em uma loja. Não o repreendi, mas disse calmamente que era preciso pagar pelo objeto. Ele recolheu todas as partes e as levou ao caixa. A dona da loja, que estava de olho em tudo, disse que pela sua honestidade ela permitiria que ele escolhesse qualquer outro souvenir. Mas meu filho queria o quebrado e estava pronto para pagar. Então ela colou tudo e nos deu de graça. © Irina Geneau / Facebook
  • Um dia, eu estava no aeroporto com meu filho de 15 anos. Atrás de nós estava uma mulher com algum tipo de deficiência física que estava com dificuldade para carregar sua bagagem. Quando nos aproximamos da escada rolante, descobrimos que não estava funcionando. Tínhamos que subir as escadas. Sem qualquer aviso, sem nenhum pedido, meu filho se virou e perguntou à mulher se ele poderia ajudá-la a subir as escadas. Ela aceitou prontamente a ajuda e ele pegou a mala dela. Fiquei tão orgulhosa dele. Quando vi isso, percebi que tinha acertado em sua educação e na formação da pessoa que ele é. © Teresa Sanges / Quora
  • Uma amiga notou que a mesada da filha estava acabando muito rápido. Logo após receber o dinheiro, ela já vinha pedir mais. Os avós também notaram que a neta estava pedindo sorvete com mais frequência. Minha amiga resolveu pressioná-la para que contasse tudo. Em lágrimas, a garota contou que ela e a amiga decidiram ajudar um morador de rua que estava vivendo no pátio do colégio. Depois da escola, as meninas compravam pão, leite e macarrão instantâneo para o homem. Minha amiga não repreendeu a filha, elogiou sua bondade, mas explicou que ela não deve conversar com estranhos assim.
  • Percebi que criei minha filha para ser uma boa pessoa quando ela, com 7 anos, doou todo o dinheiro que havia economizado (talvez uns 10-15 dólares) para uma instituição de caridade de luta contra o câncer. Ela queria ajudar pessoas como seu avô, que tinha nos deixado um mês antes por causa dessa doença. © Ketsuekiseiyaku / Reddit
  • Minha filha chegou da escola e disse: “Papai, hoje vamos à reunião de pais. É em conjunto, pais e estudantes”. A escola fica do outro lado da rua. Ela me pegou pela mão e me arrastou até a passagem de pedestres — que fica cerca de 200 metros de distância. Atravessamos por lá. Eu me lembro que quando a levei para a escola na 1ª série, fiz o mesmo percurso. Depois lhe expliquei que é melhor andar 7 minutos, mas atravessar pela passagem, do que ir diretamente para o hospital. Faz muito tempo que minha filha vai para escola sozinha, ela tem 14 anos agora, está na 8ª série. Mas foi legal perceber que atravessa a rua corretamente. © Kspksp / Pikabu

Você, assim como os internautas, já teve alguma confirmação até agora de que está no caminho certo na educação de seus filhos? Que princípios acha que são os mais importantes para a educação deles? Conte para a gente na seção de comentários.

Compartilhar este artigo