10 Coisas que pessoas ricas não dizem (nem fazem), por terem outra forma de ver o mundo

Carros de luxo, iates, mansões caríssimas, festas intermináveis e desperdícios. É possível que, ao imaginar a vida de uma pessoa rica, tudo isso venha à nossa mente. Só que quando não temos conhecimento profundo sobre algo, seja uma cultura, um estilo de vida ou uma classe social, acabamos construindo certos preconceitos em relação àquilo que ignoramos. Assim como acontece com tantas outras coisas, isso também ocorre quando o assunto é a vida de gente rica.

Nós, do Incrível.club, resolvemos romper o véu de glamour e de falsas crenças envolvendo as altas classes sociais. Por isso, pesquisamos mais a respeito delas, selecionando 10 mitos mais comumente repetidos em se tratando dos milionários.

5 Coisas que dificilmente ouviremos da boca de um milionário

1. Sou rico o suficiente

Você dificilmente ouvirá uma pessoa rica dizendo que está satisfeita com o dinheiro que tem. Quem já estudou e escreveu sobre o estilo de vida dos indivíduos com muito dinheiro garante que eles não medem a satisfação em função do que possuem, e sim com base no que outras pessoas da mesma classe social possuem.

Por exemplo, se uma família endinheirada vive em determinado bairro de classe média e se muda para uma região habitada por pessoas com a mesma quantidade de dinheiro ou até mais, o grupo de comparação deixa de ser o anterior, e a meta ganha uma maior extensão.

2. Economizar é o mesmo que investir

A relação que as pessoas das classes sociais altas têm com o dinheiro costuma ser diferente das demais. Enquanto para alguém da classe média o dinheiro é um meio para cobrir os gastos (matrícula escolar, plano de saúde, carro, hipoteca, etc.), para os realmente ricos o dinheiro é um fim por si só.

Assim, o verdadeiro patrimônio delas não tende a estar nas economias, e sim nos investimentos. No primeiro caso, o dinheiro está parado, à espera para ser usado em algum gasto específico; no outro, o dinheiro fica em movimento. O objetivo? Mais dinheiro.

3. Não vejo a hora de sair para gastar meu dinheiro

É provável que, ao pensar em alguém com muito dinheiro, imediatamente imaginemos a pessoa rodeada por luxos e coberta por caprichos que podem ser atendidos com um mero estalar de dedos. Jatinhos particulares, iates, casas extravagantes, compras compulsivas e uma infinidade de mimos tão ilimitados quanto a conta bancária. Entretanto, este não costuma ser o comportamento típico de um milionário.

Uma característica comum entre pessoas ricas costuma ser a de ter controle absoluto sobre a própria situação financeira. Eles são remediados justamente, entre outras coisas, por serem bons em guardar mais do que gastar. Isso não quer dizer que eles não comprem artigos de luxo, só que pensam muito bem antes de fazê-lo.

4. Estou muito ocupado

Em todos os âmbitos da nossa vida, estabelecer uma ordem de prioridades é fundamental, sobretudo quando o assunto é ser produtivo. Em se tratando disso, vale a pena conferir o que um milionário faria.

Eles organizam suas prioridades em função de seus próprios interesses, de modo que, na hipótese de surgir uma proposta atraente, um novo negócio ou a possibilidade de fazer um investimento que promete ser rentável, não hesitam em deixar de lado o que estavam fazendo para prestar atenção.

5. Diga qual será meu lucro neste investimento

Quando uma pessoa com muito dinheiro é perguntada se deseja entrar em determinado investimento, em vez de perguntar de quanto será o retorno, ela geralmente se interessa em saber qual o risco. Isso não quer dizer que assumir um maior risco garanta maior rentabilidade, mas significa que quanto maior o risco em um negócio, maior será o potencial de lucro.

As 5 coisas que se costuma pensar sobre pessoas ricas

1. A riqueza é um privilégio que, em geral, é herdado

Existe por aí a crença de que o dinheiro, sobretudo quando em grande quantidade, foi herdado. Sobre pessoas ou famílias miilionárias, é comum ouvir: “Certeza que herdaram”. Um tio rico, antepassados da alta sociedade, nascido em “berço de ouro”: coisas assim são muito ouvidas quando se trata daqueles que ocupam os primeiros lugares no ranking da riqueza.

Contudo, os analistas que se dedicaram a estudar os hábitos das pessoas com muito dinheiro mostram conclusões surpreendentes: a maioria dos entrevistados revelou não ter herdado sua fortuna. Só uma minoria vinha de famílias endinheiradas, enquanto que os demais tinham origem na pobreza ou na classe média.

De acordo com os entendedores no assunto, a diferença está no modo de pensar. Enquanto a classe média acha que riqueza é um privilégio, os ricos a consideram um direito.

2. Eles possuem formação universitária e uma sólida educação formal

Há quem considere que o passo anterior a ganhar muito dinheiro é conquistar uma sólida educação tradicional. Estudos universitários, pós-graduações e mestrados no exterior são geralmente vistos como degraus rumo à riqueza. Mas em geral, na mentalidade de quem já ganhou muito dinheiro, a construção de um império financeiro não tende a ser associada a longas carreiras acadêmicas.

Mais do que com horas intermináveis de estudo, o sucesso financeiro tem a ver com o desenvolvimento de um conhecimento específico, aquele que serve para resolver um problema de forma criativa. A curiosidade e o espírito empreendedor parecem ser a chave para os negócios de maior êxito.

3. Eles têm muitas propriedades

Uma mansão digna de cinema em cada local em que se instalam e várias outras para gerar renda. É isso o que costumamos pensar em se tratando do patrimônio de gente rica. Mas nem sempre é esse o caso. Nem todos os ricos fazem da residência uma espécie de bastião. Vários deles preferem alugar, ainda que não estejamos falando de apartamentos modestos.

A mudança de casa costuma ser uma constante na vida de celebridades e grandes empresários; e isso faz com que comprar uma casa seja menos atraente do ponto de vista financeiro. Para quem não planeja ficar mais do que cinco anos em um lugar, os gastos envolvidos na aquisição de uma propriedade fazem com que ela não seja um negócio rentável.

4. Para fazer dinheiro, é preciso ter dinheiro

“Dinheiro traz mais dinheiro”; “não tendo dinheiro, então não posso fazer negócios” são exemplos de frases que certamente já ouvimos mais de uma vez. Afinal, tendemos a pensar que, para ter um negócio bem-sucedido, é preciso investir.

Porém, a experiência demonstra que, para enriquecer, mais do que dinheiro é preciso ter boas ideias. Uma ideia criativa, original e única que possa atender a uma demanda até então não atendida pelo mercado. As pessoas muito ricas costumam usar o dinheiro dos outros para financiar uma grande ideia. Elas sabem claramente que a própria conta bancária não é relevante na hora de criar negócios rentáveis.

5. Eles não têm dívidas

Dívidas costumam ser relacionadas com pessoas falidas, ações judiciais, advogados e dores de cabeça. Talvez isso valha para as pessoas de classe média que fazem empréstimos para cobrir gastos. Já nas altas classes, tudo é diferente. Muitos investidores e empresários não hesitam na hora de contrair dívidas para investir em algo que proporcionará lucros a serem gastos no que é realmente necessário: uma casa ou um carro novo, por exemplo.

Você tem alguma outra crença envolvendo os hábitos das pessoas ricas? Em sua opinião, a sorte desempenha um papel importante na riqueza de alguém? Comente!

Compartilhar este artigo