10 Códigos de conduta no trabalho que já estão bastante desatualizados

Qualquer que seja sua área de atuação, cada local de trabalho tem seu próprio conjunto de regras. Mas não estamos falando das que são implementadas pelos chefes ou pela empresa (por exemplo, não chegar atrasado), mas sim daquelas que estão subentendidas entre os colegas, subordinados e diretores. Em outras palavras, como é a dinâmica na equipe e por que é assim.

Nós, do Incrível.club, decidimos que alguns destes códigos de conduta não são necessários de seguir; e outros, ainda, podem até ser prejudiciais. Acompanhe!

Estar disponível 24/7

Após o expediente terminar, você tem o direito de desligar seu telefone e não responder mensagens e chamadas do trabalho, mesmo que seu superior diga que você deve estar disponível 24 horas por dia.

Conversar com colegas, mesmo sem vontade

Nem todos os colegas de trabalho evocam sentimentos agradáveis. Mas, muitas vezes, conversamos com eles por pura “educação” e ouvimos comentários irrelevantes, quando só queríamos almoçar em silêncio e em paz. Colegas de trabalho não são sinônimo de amigos, por isso não há vergonha em dizer que você não está com vontade de conversar, afinal, ninguém deve ser obrigado a isso.

Sempre se esforçar para crescer na carreira

Muitas vezes, pensamos que, para uma pessoa ser bem-sucedida, ela precisa estar sempre subindo na “escadinha” da carreira. Porém, se você gosta da sua posição, não vale a pena se culpar por não estar progredindo. O avanço na carreira não é um medidor de sucesso, e pode acontecer de as pessoas estarem felizes na mesma posição por anos.

Ficar até tarde no trabalho porque pode “pegar mal” sair exatamente no horário do fim do expediente

Às 18h, não há mais tarefas, e é hora de ir para casa! Mas seu colega, ou até seu chefe, sempre diz que ficará pelo menos 15 minutos após o término do expediente para finalizar tudo. Bem, cada um pode tomar as próprias decisões do que é melhor para si, mas lembre-se de que não há nenhuma vergonha (e nada de errado) em ir embora no horário certo.

Guardar suas opiniões para si mesmo

Certas pessoas acreditam que não devem expressar suas opiniões no escritório e que é melhor permanecer em silêncio. Realmente, discutir com o supervisor por coisas pequenas não é uma boa ideia. Porém, se as decisões tomadas não forem adequadas para a saúde dos funcionários, ou se violam o espaço pessoal deles, o melhor a se fazer é expor o seu ponto de vista.

Ter vergonha de discutir salário com a gerência

Outra relíquia do passado: o medo de perguntar não só sobre o bônus de fim de ano, mas sobre o próprio salário — especialmente na fase da entrevista. Alguns acreditam que o potencial empregador pensará que o candidato só está interessado em dinheiro, por isso acabará escolhendo outra pessoa para a vaga. Mas, afinal de contas, para que a maioria das pessoas trabalha? O salário pode e deve ser discutido.

Largar um emprego somente após encontrar um novo

Alguns representantes das gerações passadas preferem procurar um novo emprego primeiro antes de largar o atual. Enquanto isso, toleram as condições desagradáveis até se sentirem seguros para o futuro. Essa lógica faz sentido, afinal, estabilidade financeira é algo muito importante. Mas em que situações não vale a pena esperar, mesmo que não haja uma alternativa? Quando, por exemplo, há problemas com o pagamento do salário (se estiver atrasado ou se foi reduzido); demissões em massa de funcionários, ou também quando as atitudes dos superiores te atingem diretamente e não é mais possível suportar.

Ter apenas contas nas redes sociais que não envergonhariam o chefe

Nossas páginas nas redes sociais são nosso espaço pessoal. E quaisquer que sejam as fotos que publiquemos lá, isso não nos faz ser melhores ou piores funcionários. Isso vale para professores, médicos, educadores ou engenheiros — pessoas de qualquer profissão têm direito a uma vida privada. E tirar fotos usando roupas de banho não é vergonha nem mesmo para um pesquisador científico.

Assumir responsabilidades extras de graça

Certos chefes gostam de dar aos funcionários tarefas que não fazem parte das suas responsabilidades principais. E quando é uma pessoa nova na empresa, ela ainda poderá concordar com o pedido a fim de provar sua competência. O problema é que será mais difícil recusar pedidos do tipo mais tarde. Portanto, o melhor a se fazer é acordar as condições desde o princípio: se estiver disposto a assumir uma responsabilidade nova, deixe claro que você espera ser compensado financeiramente.

Não receber o crédito por um bom trabalho realizado

Outra percepção bastante difundida: não há “eu” na equipe, apenas “nós”. Porém, se houver a chance de mostrar que você é um bom funcionário, não tenha medo de sobressair. Suas habilidades e conhecimentos pertencem a você, não à equipe.

Que outras regras de comportamento no trabalho você gostaria de abolir? Comente!

Compartilhar este artigo