Incrível
Incrível

Comparei roupas de lojas baratas e de grife e percebi que a “alta costura” pode ser uma questão de opinião

A propaganda e as publicações e blogs especializados em moda muitas vezes nos levam a acreditar que roupas, bolsas e acessórios de luxo são indicadores de sucesso. Mas será que vale a pena correr atrás de marcas caras? Decidimos verificar se as peças são realmente melhores em qualidade do que suas alternativas mais acessíveis.

Uma das autoras do Incrível.club passou várias horas nos provadores de lojas de roupas. Ela comparou jeans, camisas e outros itens bem parecidos, mas de marcas diferentes, sempre em pares: uma peça popular e a outra de grife. Todas as fotos foram tiradas com celular, então a qualidade dependia muito da iluminação no provador. Além das fotos, a autora descreveu suas impressões em relação a cada peça. Ela, aliás, confessou que ficou surpreendida com os resultados. E no bônus, mostraremos suas impressões também em relação ao atendimento e à decoração nas lojas que foram escolhidas para o teste.

Calças jeans

A minha maratona começou com a escolha de uma das peças mais populares na maioria dos guarda-roupas: a calça jeans. Para não comprometer os resultados, tentei várias opções de marcas populares e outras, mais caras. A primeira impressão foi a seguinte: não dá para entender por que pagar 10 vezes mais por jeans de grifes.

Jeans de lojas com preços acessíveis não parecem piores do que os modelos que custam a partir de 700 reais. Me certifiquei disso quando olhei mais de perto para a qualidade das peças. Costuras, tecido, detalhes (botões, zíperes)...analisando esses pontos, não dá para dizer com toda certeza que marcas populares estejam em desvantagem. Nem sempre é possível determinar visualmente qual item é barato e qual é caro. Os jeans de 113 reais feitos em Bangladesh (um centro mundial de fabricação do produto) pareciam ter sido costurados com mais cuidado e não tinham fios soltos, ao contrário de um modelo de 879 reais feito na Tunísia. Assim, os jeans quase dez vezes mais caros não parecem melhores do que os mais baratos.

No entanto, vale destacar que a calça de preço mais alto tinha detalhes de design que a tornavam visualmente mais interessante.

Camisas e blusas

Entre as marcas mais populares, encontrei muitas peças decentes por preços acessíveis. Além disso, devo dizer que a qualidade dos materiais era bastante boa e o tecido era agradável ao toque. Indo para o segmento de alto padrão, experimentei algumas blusas de poliéster. E fiquei surpresa com o quão diferente pode ser o mesmo material. Eu não usaria uma blusa de loja de grife nem que me dessem de presente: o modelo de 595 reais era muito desagradável ao toque.

Ao mesmo tempo, na mesma loja, havia uma blusa semelhante, também de poliéster, por 738 reais, de tecido com toque leve e macio, como se fosse de seda. Ao experimentar uma das camisas baratas, um botão caiu. Isso acontecia com frequência quando eu costumava ir a lojas de departamento. Infelizmente, as roupas desse segmento muitas vezes se destacam por aviamentos de baixa qualidade.

Ainda nas blusas, conferi mais de perto a qualidade das costuras. Por exemplo, as mangas. Em geral, as roupas que experimentei foram costuradas sem falhas graves, mas fios soltos ou pontos descosturados ainda podiam ser encontrados nas peças, independentemente do seu preço. No entanto, houve algumas exceções. Por exemplo, em uma camisa de seda de marca de grife, não encontrei um único fio solto.

Em boutiques mais caras, encontrei peças de materiais não apresentados em lojas de departamentos. Por exemplo, uma blusa de seda natural por 1.169 reais. E também uma camisa de linho por 812 reais. A propósito, o linho é um tecido caro. A planta do linho é difícil de cultivar e os fios não são fáceis de tecer. Em comparação, por exemplo, com o algodão, o material seca mais rápido e absorve umidade, por isso é especialmente apreciado em climas quentes. Há, portanto, várias questões envolvidas no preço.

Vestidos

Acho que, em qualquer segmento de moda, é possível encontrar vários estilos de vestidos. Para comparar, escolhi dois modelos de diferentes categorias de preços. Não gostei das opções de vestidos curtos: não era confortável usá-los por causa da qualidade do material. Mas gostei do vestido mais caro pelos pequenos detalhes que o tornavam interessante: um prendedor de crochê que não deixa o zíper se abrir sozinho e uma fita costurada na zona do peito no lado avesso, que não permite que o vestido escorregue.

O vestido comprido branco da loja de departamentos me pareceu agradável. Mas, comparando com o modelo turquesa de várias centenas de reais, o último saiu ganhando. Senti a diferença dos materiais: o tecido do vestido branco era mais áspero, enquanto o turquesa fluía como se estivesse acariciando a pele com toques suaves.

Camisetas

Depois de comparar duas camisetas comuns, uma das quais era dez vezes mais cara que a outra, cheguei à conclusão de que não havia diferença significativa. A camiseta de menos de 70 reais, por sinal, me caiu melhor. Aliás, quando a virei do avesso, fiquei surpreendida com a qualidade das costuras.

Saias

Ambas as saias plissadas pareciam visualmente aceitáveis. Mas, em termos de qualidade, ficou claro que o item de marca popular era inferior: o material era áspero e o efeito de tecido esvoaçante, característico de saias desse estilo, simplesmente não existia.

Chapéus

Não senti nenhuma diferença em termos de qualidade ou conforto, embora o chapéu preto fosse dez vezes mais caro. A única coisa é que não encontrei um modelo semelhante (sem a parte superior) na loja de departamentos. Mas acredito que seja possível encontrar esse modelo em alguma loja popular.

Acessórios

Uma corrente de metal de preço mais baixo pode, segundo o vendedor de uma das lojas, se descascar facilmente ou escurecer se for molhada ou tiver contato com perfume. Ainda segundo o vendedor, a corrente mais cara é feita de uma liga especial (mesmo sendo uma peça de bijuteria) e seu revestimento não se descasca. O vendedor, no entanto, não soube explicar que tipo de liga era, nem responder por que havia arranhões visíveis nas joias.

Bolsas

Para o meu pequeno experimento, escolhi duas bolsas de poliuretano e de PVC de uma loja com preços acima da média e bolsas de poliéster de preço acessível. O poliuretano é um material mais caro do que o poliéster porque é mais resistente e flexível.

Mesmo visualmente, as bolsas de poliuretano pareciam mais resistentes e duradouras. A diferença de qualidade em favor da marca mais cara ficou evidente também em outros aspectos. As alças da bolsa mais barata começaram a se rasgar ainda antes de chegar no balcão e o acessório não era bem costurado por dentro: havia fios soltos e detalhes tortos. Não havia essas falhas nas peças mais caras.

Jaquetas jeans

Ambas as jaquetas eram bem costuradas, se ajustavam bem ao corpo e não apresentavam defeitos evidentes. A única diferença significativa estava no preço e na presença da uma corrente na peça de grife.

Blazers de verão

Aqui, ficou bem claro que o preço dependia dos materiais. O mais caro era feito de linho e o mais barato, de poliéster. Aliás, o poliéster mostrou um de seus inconvenientes ainda no provador: o blazer xadrez esquentou e fiquei com vontade de tirá-lo o mais rápido possível. Aliás, a qualidade e as costuras desse item deixaram muito a desejar: havia diversos fios soltos e o tecido começou a desfiar antes mesmo de eu finalizar a compra.

Bônus: provadores e atendimento

E agora quero mostrar a vocês fotos dos provadores. Em lojas de luxo, eles podiam ser pequenos, desconfortáveis, mal iluminados, mas nunca sujos. Ao contrário de provadores em lojas mais baratas. Para ser sincera, às vezes, era desagradável tirar os sapatos e pisar no chão dessas lojas com meias limpas.

Além disso, percebi que, em lojas de luxo, pagamos a mais pelo atendimento. Por exemplo, em uma loja de departamentos, as funcionárias insistiam em que eu devolvesse as peças penduradas no cabide. Já nas boutiques mais sofisticadas, elas até concordaram em me fotografar com as peças para garantir que as escolhas cairiam bem. Além disso, não pouparam seu tempo em perguntar se as roupas estavam no tamanho certo ou se precisava de um modelo diferente para comparação.

Em geral, penso que, muitas vezes, não faz sentido pagar mais e correr atrás de grifes mais caras. Às vezes, elas até perdem em qualidade para as marcas populares. Afinal, algo que custa centenas de reais não deveria ser desagradável ao toque, desconfortável de usar, ou ter fios soltos. Nesse sentido, roupas com esses pequenos problemas também podem ser encontradas em lojas de departamento, mas por um preço muito menor. Sim, talvez você não encontre um atendimento exclusivo, com funcionárias dispostas a te ajudar a escolher o modelo perfeito. Mas você, com certeza, pode achar coisas baratas e de boa qualidade, e não pagar a mais apenas pelo serviço.

Você acha que as roupas de marcas caras valem seu dinheiro? Em sua opinião, por que muita gente adquire camisetas comuns por preços exorbitantes?

Observação: Este artigo foi atualizado em Julho de 2021 para corrigir o material de origem e/ou imprecisões factuais.
Incrível/Mulher/Comparei roupas de lojas baratas e de grife e percebi que a “alta costura” pode ser uma questão de opinião
Compartilhar este artigo
Você pode gostar destes artigos